A imagem mostra a torre Leeza Soho em Pequim

Arranha-céu Leeza Soho: o projeto da ZHA realizado com o BIM

O BIM utilizado para projeto, construção e gerenciamento do arranha-céu Leeza Soho em Pequim, um dos últimos projetos concebidos por Zaha Hadid

Recentemente, foi inaugurada em Pequim o arranha-céu Leeza Soho, localizado no novo distrito empresarial Fengtai, ligação fundamental entre o centro da cidade e o aeroporto internacional Daxing.

A imagem mostra o arranha ceu Leeza Soho em Pequim

Arranha-céu Leeza Soho | Render realizado com Edificius

Esta torre de 172.800 m² e 45 pavimentos cumpre as exigências das pequenas e médias empresas de Pequim, que pedem escritórios flexíveis e eficazes.

A forma do arranha-céu Leeza Soho resulta das próprias características do bairro. Como ele fica perto da estação ferroviária e de um ponto de intersecção de cinco linhas do metrô, a equipe de arquitetos optou por manter a conformação urbana, dando liberdade às formas.

O resultado dessa composição são duas torres gêmeas separadas, mas unidas por quatro pontes estruturais, também chamadas de passarelas elevadas, que atravessam o vazio que separa os dois corpos.

A imagem mostra as passarelas elevadas do arranha ceu

Arranha-céu Leeza Soho | Render realizado com Edificius

Ao longo da extensão vertical do edifício, os dois blocos laterais se torcem até 45 graus para que os últimos níveis do arranha-céu estejam alinhados com a rodovia subjacente Lize Road.

O espaço entre as duas metades se estende ao longo da altura da torre, criando o átrio mais alto do mundo de 194.15 m.

Essa rotação do átrio põe em equilíbrio dinâmico as duas metades, também graças às pontes ligando os níveis 13, 24, 35 e 45 e às vistas panorâmicas oferecidas por sua fachada envidraçada.

 

A imagem mostra uma corte da estrutura

Arranha-céu Leeza Soho | Corte

 

O átrio do arranha-céu Leeza Soho também serve como praça para o novo distrito empresarial, pois liga seus ambientes interno e ofereces diferentes visuais: um novo espaço cívico para Pequim, diretamente conectado à rede de transporte da cidade. O átrio traz a luz natural dentro do edifício, também servindo de fonte térmica ao sistema estrutural.

Cada uma das duas metades da estrutura possui próprio núcleo estrutural, que segue a forma externa curvilínea da estrutura, com anéis de tensão em aço em volta de cada placa do piso. As quatro pontes ligando as torres foram realizados com vigas e colunas em aço, por serem resistentes às tensões de flexão.

Tudo é circundado por um revestimento de vidro de baixas emissões e com placa dupla, que garantem ótimo controle das temperaturas, assim como baixo desperdício de energia.

A imagem mostra o revestimento de vidro da estrutura

Arranha-céu Leeza Soho | Revestimento

Sempre na vanguarda no Building Information Modeling (BIM) para design e construção, Zaha Hadid Architects e SOHO China implementaram tecnologias comprovadas para reduzir o consumo de energia e as emissões. O objetivo é obter o LEED Gold Certication, um novo padrão arquitetural de sustentabilidade ambiental; é por isso que o avançado sistema de gerenciamento de energia BIM 3D da Leeza SOHO monitora em tempo real o controle ambiental e a eficiência energética.

Esses sistemas também preveem a recuperação do calor que vem do ar de exaustão, assim como de bombas, ventiladores, caldeiras de refrigeração, iluminação e controles de alta eficiência. O arranha-céu Leeza Soho incorpora aparelhos para a coleta de água de baixo fluxo e águas residuais domésticas, além de um telhado verde isolante com sistema fotovoltaico para coletar energia solar.

As duas metades da torre sombreiam os espaços públicos do átrio, enquanto os vidros duplos mantêm um ambiente interno confortável até nas condições climáticas extremas de Pequim. Como a vidraça possui transmissão térmica de 2,0 W / m²K e fator de sombreamento de 0,4, a transmissão térmica total do revestimento externo da torre é 0,55 W / m²K.

A imagem mostra um render do arranha-ceu Leeza Soho

Arranha-céu Leeza Soho | Render realizado com Edificius

Desenho formas poderosas, mutáveis, fluidas, e sempre penso no efeito que poderiam ter se mergulhassem no espaço.
Zaha Hadid

 

edificius
edificius