Alemanha acredita no BIM: esperando a adoção obrigatória da metodologia em obras públicas a partir de 2020, o País promoveu uma série de projetos piloto de estradas e ferrovias

Nos últimos anos, o BIM ganhou um papel cada vez mais importante na melhoria do setor da construção na Europa. Os vários Países europeus, de fato, têm pressionado muito para a adoção obrigatória do BIM.

Neste artigo vamos analisar como a metodologia BIM está a ser adotada na Alemanha.

Em abril 2013, o Bundesministerium für Verkehr und digitale Infrastruktur (BMVI – ministério federal dos transportes e da infraestrutura digital) criou um “Comité para a reforma dos processos de gerenciamento do setor da construção” com o objetivo de elaborar as linhas guias e as políticas federais a serem adotadas nessa área.

A iniciativa visava atingir:

  • maior confiança e envolvimento dos atores do setor na utilização do BIM para grandes projetos de infraestruturas;
  • utilização melhor e mais eficiente de recursos federais em obras públicas;
  • melhoria da reputação internacional das empresas alemãs no setor da construção digital.

Em 2015, a Alemanha iniciou a inspirar-se no exemplo do Reino Unido, que já se tinha tornado líder europeu na adoção do BIM na indústria da construção.

A conferência anual do comité no Ministério

A conferência anual do comité no Ministério

Os funcionários públicos e a política alemã compreenderam imediatamente os benefícios da abordagem colaborativa oferecidos pelas novas metodologias digitais nas fases de projeto, execução e gerenciamento de obras públicas.

Reconheceram, na verdade, o BIM como um meio muito útil para aumentar a eficiência do setor da construção.

As novas tecnologias digitais implementadas na indústria da construção, no entanto, foram incluídas num processo de transformação que já estava em andamento. O problema da inovação nos processos de construção, de fato, já tinha sido discutido na Alemanha há algum tempo.

Nesse sentido, BIM foi reconhecido como a solução para custos cada vez maiores de planejamento/construção, também devido a disputas legais persistentes e problemas de comunicação nos processos de tomada de decisão. Além disso, na última década as autoridades alemãs tinham reparado uma queda na lucratividade do mercado da construção e uma diminuição na abertura de novos canteiros de obras.

Rasso Steinmann, líder do BIM Coordination Group e do German Chapter of building SMART International afirmou que:

“A Alemanha Institucional reconhece, e apoia com fundos específicos, o BIM como o caminho real a ser seguido; nós apenas temos que focar em mais envolvimento e sensibilização de todos os atores envolvidos.”

bim-na-AlemanhaAs etapas do BIM na Alemanha, a iniciativa pública

Em 2015, as políticas estaduais consolidaram-se graças à aprovação do plano para os edifícios digitais, adotado pelo comité ministerial. Foi, portanto, realçada a importância de planejamento preciso e digitalização dos processos como passo essencial para desenvolver o setor da construção.

Com a entrada em vigor deste plano em dezembro de 2015, Alexander Dobrindt, Ministro Federal dos Transportes e Infraestrutura Digital, anunciou oficialmente que a adoção do BIM iria seria obrigatória para todos os projetos de transporte e infraestrutura até o final de 2020.

De fato, o Ministério recentemente financiou os contratantes alemães com programas específicos para ajudá-los na transição para o BIM. O governo também promoverá alguns projetos piloto, ajudando as empresas envolvidas a melhor entender e gerenciar novas ferramentas digitais.

Desde 2016, o ministério tem prestado assistência financeira a vários projetos pilotos BIM, especialmente no contexto de projetos para a modernização do setor da construção de estradas e ferrovias.

O plano 2015/2020, elaborado pelo comité ministerial, desenvolve-se em três etapas:

Schematische-Darstellung-As três etapas do programa BIM alemão

As três etapas do programa BIM alemão

  1. Fase de preparação 2015/2017 e de estudo de:
    • condições melhores para a utilização do BIM nos grandes projetos de infraestruturas;
    • quadro normativo e técnico;
    • padrões;
    • estratégias a serem adotadas para o funcionamento do BIM;
    • quatro projetos piloto, o principal dos quais é o túnel ferroviário na cidade de Rastatt “Deutsche Bahn Netz AG”.
  2. Fase piloto 2017/2020, que consiste em:
    • coletar experiências exaustivas no uso prático do BIM durante a fase de planejamento e execução;
    • desenvolver projetos pilotos adicionais (outros 20 já estão planejados) e monitorar constantemente os projetos já iniciados;
    • desenvolver linhas guias, checklist e padrões para a utilização do BIM em projetos futuros;
    • fornecer esclarecimentos sobre o aspeto legal e normativo;
    • desenvolver banco de dados para facilitar o trabalho com o BIM.
  3. Fase de implementação a partir de 2020:

De 2020, a adoção do BIM será obrigatória para o planejamento e a execução de grandes projetos no setor de transportes e das infraestruturas públicas.

Planen Bauen 4, a iniciativa privada

Apoiando ainda mais a implementação do BIM, em 2015 um grupo de associações industriais, grandes empresas e organizações não-governamentais se uniram para formar um grupo de direção BIM alemão: o “Planen Bauen 4.0“.

O Dr.Ilka May, CEO do grupo e porta-voz conhecido, afirmou que:

“o principal obstáculo à adoção do BIM na Alemanha não diz respeito à tecnologia, mas sim ao conhecimento sobre o BIM por parte das empresas.”

Os atores em processos tradicionais não sabem o que se espera deles, quem deve fornecer quais dados e quem é responsável por que. Portanto, a iniciativa “Planen Bauen 4.0” pretende estabelecer diretrizes claras (não obrigações) para a aplicação prática dos métodos BIM.

Kongress infrastruktur digital planen und bauen

O Plano estabelece a introdução gradual das práticas BIM nas empresas e integra o plano público no qual os projetos piloto promovidos pelo estado federal (com financiamentos de 3,8 milhões de euros, principalmente para estradas e ferrovias) são realizados por privados utilizando ferramentas digitais. A ideia é educar a indústria da construção por meio da aplicação do BIM em grandes projetos de infraestruturas públicas realizados por privados e, posteriormente, disseminar boas práticas aprendidas no setor privado.

Os dois setores, público e privado, também definiram o Industry Foundation Classes (IFC) como formato de dados comum, à semelhança do que ocorreu em alguns dos países vizinhos, por exemplo a Dinamarca e a Noruega, que estão fazendo novos progressos no mundo do BIM.

Atualmente, na Alemanha existem duas instituições oficiais de normalização:

  • a Associação de Engenheiros Alemães (VDI), a maior associação de técnicos com mais de 15.000 membros, autorizada a definir padrões de construção, como a série VDI2552, que já está a ser elaborada.
  • O padrão nacional alemão sobre BIM será depois desenvolvido pela Instituição alemã de normalização DIN (Deutsches Institut für Normung), conjuntamente com as autoridades europeias do CEN-Norm (Comité Européen de Normalisation – Comité europeu de normalização).

bim-na-alemanha-planen-bauen

A expectativa das autoridades e das empresas alemãs é um aumento significativo na eficiência dos processos de construção, graças a uma melhor coordenação do planejamento e a métodos de análise mais rápidos/melhores através do BIM. A conexão de dados reais levantados no canteiro de obras, com os custos, é considerada particularmente útil para os gerentes de projeto e os órgãos de controle na execução do projeto, de acordo com os requisitos nacionais e europeus.

O projeto piloto da linha férrea Estugarda-Ulm

Uma das infraestruturas cruciais para a Alemanha é a linha férrea de alta velocidade que vai de Estugarda-Ulm, cortando o antigo percurso diretamente através das colinas.

O projeto ferroviário da DB Netz AG (Ferrovias Alemãs) está sendo realizado em Mühlhausen im Täle, perto da cidade de Wiesensteig, e inclui a construção da ponte no vale de Fils, uma das maiores pontes ferroviárias da Alemanha.

O objetivo, alcançável através das ferramentas BIM, é construir mais rápido, melhor e de forma mais barata. O projeto piloto da ponte no vale de Fils, concebido com um modelo 3D BIM completo, mostra como é possível monitorar de forma ideal as informações sobre andamento da construção, custos e cronograma.

O novo projeto ferroviário realizado inteiramente com o BIM

O novo projeto ferroviário realizado inteiramente com o BIM

A recém construída linha de alta velocidade, ao longo da autoestrada A8, representa uma conexão rápida e conveniente: enquanto no passado, devido a curvas apertadas, os trens de alta velocidade tinham que desacelerar para 70 km/h a fim de atravessar o vale, agora conseguirão atingir uma velocidade de até 250 km/h. Desta forma, o tempo de viagem atual, de cerca de uma hora entre Estugarda e Ulm, será reduzido pela metade.

A ponte e a linha férrea, ainda em fase de construção, serão concluídas até 2021.

 

Clique aqui para conhecer Edificius, o programa de arquitetura BIM

 

Clique aqui para baixar o plano 2015/2020 para edifícios digitais