Como funciona a ponte térmica e como evitar o problema da formação de mofo? Vamos descobrir como calcular as pontes térmicas e avaliar o risco de formação de mofo com um software

Qual é a causa das manchas de mofo nas paredes? Estas manchas são sempre o resultado de um problema de isolamento devido a um erro em fase de desenho ou realização do edifício, o que provoca a passagem e o acúmulo de humidade em alguns pontos da estrutura e, portanto, a formação de mofo nas paredes.

Como funciona a ponte térmica

O problema das manchas de mofo pode depender da falta total de isolamento nas paredes. Contudo, tendo em conta o desempenho energético dos edifícios, é mais provável que a causa seja uma insidiosa ponte térmica, ou seja, uma zona ou um ponto entre a parte interna e a externa do muro em que falta o isolamento, gerando assim uma passagem (daí o termo “ponte”) de humidade de fora para dentro.

Como evitar o problema da formação de mofo resultante de ponte térmica?

A solução para resolver este problema pode ser a realização de um revestimento térmico, tais como o chamado capote interno ou externo, ou a construção de uma fachada ventilada.

Usando um software para o cálculo de pontes térmicas, é possível definir transmitância linear e fluxos térmicos para depois planejar a realização dos capotes de isolamento. Além disso, é possível identificar eventuais pontos críticos e resolvê-los de forma simples.
TerMus BRIDGE é um software que permite calcular as pontes térmicas com análise dos elementos finitos, a única maneira para calcular pontes térmicas com os materiais e as formas requeridos.

Descubramos como desenhar e criar uma ponte térmica, e como executar a verificação do risco de formação de mofo com este software.

Criar uma ponte térmica com o Wizard de TerMus BRIDGE

 

Vamos começar criando um Novo projeto a partir do Wizard.

O Wizard pode ser ativado da Barra Multifunções, também tendo um projeto ativo.

Uma vez iniciado o Wizard, é possível criarmos a ponte térmica a partir de esquemas standard pré-definidos, escolhendo caso a caso o mais adequado. Em seguida, vamos definir de forma analítica as características geométricas e térmicas da ponte. Para cada campo de dados podemos inserir o significado com uma nota na parte inferior direita.

Clicando em seguinte, vamos finalizar o procedimento para que o modelo seja gerado de forma automática.

No modelo gerado os Limites e os Comprimentos de Referência já estão definidos.

Para alterarmos valores e configurações precedentemente definidos no Wizard, é preciso acessarmos os Dados Gerais, onde encontramos todas as informações necessárias.

Verificação Risco Formação Mofo

 

Como acontece para todos os novos projetos, vamos inserir os Dados Gerais.

Após termos escolhido a localidade, vamos definir temperatura e humidade.

Uma vez definido o modelo, podemos calcular a fase de pré-obras, sem isolamento. Desta forma será possível avaliarmos a precisão da ponte térmica, analiticamente e graficamente, com as curvas de nível.

Além disso, podemos obter os resultados da verificação do risco formação mofo.

É ainda possível ativar a visualização das isotérmicas. A isotérmica com maior espessura identifica a temperatura mínima para evitar a formação do mofo.

Desta forma, irá aparecer logo o eventual ponto de intersecção da isotérmica com a face interna.

Para executarmos o novo cálculo, é preciso definirmos um modelo pós-obras. Em seguida, vamos identificar nesta nova fase o fator de temperatura mínima e a temperatura mínima de formação do mofo.

Enfim, podemos imprimir o relatório técnico com os relacionados resultados de cálculo.

 

Testa grátis TerMus BRIDGE, o software para o cálculo das pontes térmicas com modelador FEM