As novas ferramentas tecnológicas têm contribuído cada vez mais para tornar os processos de construção eficientes. Conheça como implementar os drones na construção civil

Os drones na construção civil já são uma realidade: cada vez mais difundidos no setor da construção civil, são utilizados especificamente para levantamento de terrenos ou edifícios existentes, inspeção de locais ou edifícios inacessíveis, monitoramento de canteiros de obras. Essas ferramentas revelaram-se ainda mais inovadoras, pois conseguem integrar-se perfeitamente aos processos BIM, aumentando os níveis de eficiência ao longo de todo o ciclo de vida dos edifícios.

Profissionais e construtoras têm sido protagonistas, a nível internacional, de duas revoluções: a “revolução dos drones” e a “revolução do BIM“.

Quanto aos drones, também chamados de aeronaves remotamente pilotadas (RPA), eles estão começando a dominar todas as 4 fases do processo de construção (tradicional e BIM).

Drones e ciclo de vida de edifícios projetados com o BIM

1. Fase de projeto

É certamente nesta fase que o uso de drones na indústria da construção já foi amplamente testado.

Os drones, na verdade, utilizados para o levantamento da morfologia do terreno, no caso de edifícios existentes (incluindo aqueles de interesse histórico e artístico), ou para o levantamento de conjuntos habitacionais.

O levantamento a partir de drones baseia-se nos conceitos fundamentais da fotogrametria: o processo começa com uma série de fotos tiradas pelo drone; essas fotos são, em seguida, processadas por softwares específicos com tecnologias chamadas de SfM (Structure from Motion), que permitem definir a geometria 3D a partir do movimento com o qual as próprias fotos foram tiradas.

Daí resulta uma nuvem de pontos, que podem ser ainda mais processados para criar modelos de malha tridimensionais. Tais modelos representam a base para gerar o modelo BIM.

Os levantamentos com drones também podem ser integradas a levantamentos realizados com laser scanner, obtendo nuvens de pontos mais precisas e detalhadas.

Nuvem de pontos Exemplo levantamento

Nuvem de pontos resultante de um levantamento fotográfico com drone

Os drones realizam fotos panorâmicas precisas e rápidas de sítios grandes e áreas de alto risco, sendo difíceis de inspecionar. Desta forma, hoje é possível obter modelos tridimensionais de áreas que, até poucos anos atrás, eram inacessíveis.

A utilização de drones para inspeções e levantamento

A grande quantidade de dados coletados pode ser usada para planejar e programar atividades de construção, abrindo o caminho para uma nova e interessante parceria entre drones, BIM e planejamento urbano.

Esquema de sobreposição de fotos tiradas durante um levantamento com drone

2. Fase de construção

Com a transição da fase de projeto à fase de realização, o papel dos drones muda: nos canteiros de obras, de fato, existem inúmeras dificuldades a serem enfrentadas, além de imprevistos e variáveis difícil de gerenciar. Trata-se de pontos críticos, que, no entanto, a tecnologia dos drones permite monitorar.

Eles podem, na verdade, ser usados para monitorar/controlar a evolução e o estado do canteiro de obras durante o processo de construção. Isso é necessário para verificar a correspondência real entre projeto e obra: fotos e vídeos obtidos dos drones podem ser carregados nas plataformas colaborativas BIM, onde são automaticamente compartilhados entre todos os atores envolvidos, de acordo com o respectivo papel.

Desta forma, é possível superar uma das maiores dificuldades no gerenciamento de um canteiro de obras: a atualização constante da documentação, em termos de gráficos e fotos, ao longo do desenvolvimento do projeto, bem como o compartilhamento rápido de tais dados.

droni-verificação segurança canteiros de obras

Com a introdução de drones e plataformas BIM no setor da construção, é possível compartilhar em tempo real uma série de fotos e filmes aéreos de alta definição, de forma a monitorar as atividades do canteiro de obras sem estar fisicamente presente no mesmo.

Na fase de construção, outra implementação de drones refere-se ao assunto da segurança no canteiro de obras.

Através do monitoramento (que pode ser pré-definido e, portanto, automatizado), é de fato possível estudar, avaliar e monitorar o movimento de trabalhadores e veículos no próprio canteiro. Isso permite evitar acidentes e interferências entre processos distintos, bem como configurar o canteiro de obras de forma ideal.

3. Fase de gerenciamento do edifício

Uma vez concluída a fase de construção, é necessário abordar a fase de gerenciamento do edifício, caracterizada por uma série de dificuldades e peculiaridades.

A longa vida útil de um edifício, na verdade, faz com que seja utópico supor que os responsáveis pelo gerenciamento e pela manutenção de um edifício sejam sempre os mesmos. A transição entre os diferentes atores – de construtora para gerente e de gerente para outro – pode resultar na perda de informações e dados referentes ao edifício e às várias intervenções de manutenção realizadas, bem como às características do próprio edifício.

Em outras palavras, o risco é perder a “memória do edifício”, fundamental para a manutenção do mesmo. 

usBIM.platform-CDE-gerenciamento documentos

usBIM.platform, a plataforma colaborativa BIM

Adotando a metodologia BIM, é possível dispor de um modelo atualizado e adequado para o planejamento de intervenções de manutenção, pois permite não só conhecer o posicionamento exato de cada elemento do edifício, mas também definir com precisão quando esse elemento foi implementado durante a fase de construção e quem o realizou.

No modelo BIM é possível incluir todas as intervenções de manutenção, fotos e relatórios de inspeção de forma a ter um arquivo atualizado com todos os dados relativos ao ciclo de vida do edifício.

Os drones, nesta fase, são ferramentas ideais para realizar inspeções em remoto, portanto em total segurança, de partes do edifício dificilmente acessíveis.

4. Fase de demolição

Os drones podem, enfim, ser usados para monitorar as fases de desmantelamento, demolição e recuperação de edifícios que chegaram ao fim do seu ciclo de vida.

Nesta fase, de fato, o modelo BIM facilita significativamente desmantelamento e demolição do edifício, pois oferece informações detalhadas sobre todos os elementos que o constituem e permite coletar dados referentes às fases iniciais do seu processo de construção.
O conhecimento aprofundado do edifício, ainda, permite identificar quaisquer elementos que possam ser recuperados ou materiais específicos a serem eliminados com maior cuidado (resíduos especiais, substâncias perigosas, etc.).