IFC-e-sistemas-de-classificacao

IFC e sistemas de classificação na construção

SfB, UniClass, UniFormat, MasterFormat, OmniClass: tudo o que é preciso saber sobre IFC e sistemas de classificação na construção

Nosso estudo sobre o formato IFC continua com a análise da relação entre IFC e sistemas de classificação na construção. O termo “classificação” se refere a atividades ou processos necessários para gestão do conhecimento, pois visam ordenar os dados, independentemente de seu tipo, em catalogações adequadas (classes, seções, categorias ou espécies) ligadas entre si por relações e conexões.

Um sistema de classificação, para ser válido, necessita possuir os seguintes requisitos:

  • estabilidade: deve ser aplicável em qualquer contexto sem sofrer alterações substanciais;
  • flexibilidade: deve ser expansível adicionando novas peças.

Aristóteles foi o primeiro a introduzir um sistema de organização do conhecimento: abordou a classificação dos seres vivos, dividindo-os em dois grupos principais, plantas e animais, por sua vez divididos em subgrupos. O filósofo pode, portanto, ser considerado o primeiro taxonomista (do grego taxis, ordenamento e nomos, norma ou regra), pois organizou as informações em uma estrutura hierárquica.

Os objetos podem ser agrupados conforme 2 modelos organizacionais:

  • classificação hierárquica-enumerativa;
  • classificação analítica-sintética (ou facetada).

Sistema de classificação hierárquico-enumerativo

O sistema hierárquico-enumerativo é um sistema de classificação mais tradicional baseado na taxonomia. Através de uma estrutura hierárquica rígida e unidimensional com forte desenvolvimento vertical, cada elemento é classificado em uma única categoria. Todas as categorias estão ligadas entre si através de uma organização de subconjuntos, como em um jogo de caixas chinesas.

Cada elemento classificado possui uma posição única nessa hierarquia e pode ser encontrado através de um caminho gradual, que vai do conjunto mais geral de elementos aos conjuntos mais específicos.

Exemplos que pertencem a esse tipo de classificação podem ser árvores genealógicas ou a divisão de livros em capítulos, subcapítulos, parágrafos, frases, palavras e letras. No entanto, esse sistema implica alguma rigidez e dificuldade no caso de modificações e adições de novos elementos.

A imagem ilustra um sistema de classificacao hierarquico enumerativo

IFC e sistemas de classificação na construção | Esquema hierárquico enumerativo em forma de árvore

A classificação analítica-sintética (ou facetada)

Este sistema de classificação é mais elástico, pois substitui o sistema enumerativo e hierárquico por uma metodologia feita de esquemas flexíveis e abertos com desenvolvimento horizontal, mais facilmente adaptáveis no caso de modificações subsequentes.

Com classificação analítica-sintética, o objeto a ser catalogado deixa de ser descrito por uma única característica preeminente, que o representa e determina sua localização em um local específico na hierarquia de dados; esse objeto, de fato, é identificado e descrito simultaneamente por várias características não sobrepostas, chamadas de “facetas” (do termo inglês facets – facetas).

Tudo isso resulta em um sistema aberto, que pode ser enriquecido com novas características descritivas do objeto.

Esse objeto descrito mais amplamente é identificável, de maneira fácil, por vários acessos de pesquisa fornecidos por um único recurso ou pela agregação de vários recursos.

A imagem ilustra um sistema de classificacao analitica-sintetica

Exemplo de classificação facetada

IFC e sistemas de classificação na construção

Em tempos pré-digitais, foram inúmeras as tentativas de codificar os sistemas de classificação da informação e dos dados na indústria da construção. Em alguns casos, essas tentativas respondiam melhor ao modelo hierárquico-enumerativo do que ao modelo “facetado”, ou costumavam incluir os dois.

Neste artigo de aprofundamento, focamos nos sistemas de classificação mais conhecidos, tais como:

  • SfB (Samarbetskommitten for Byggnadsfragor)
  • UniFormat
  • MasterFormat

Para conhecer melhor a classificação conforme o sistema UniClass e OmniClass, recomendamos que leia nossos próximos artigos de aprofundamento.

O plano de classificação SfB

A primeira elaboração do plano de classificação SfB (Samarbetskommitten for Byggnadsfragor), a pedido do comitê de coordenação da construção sueca, remonta aos anos ’40. Atualizado e desenvolvido nos anos seguintes, este plano de classificação e codificação para a indústria da construção foi exportado para vários países europeus, incluindo a Itália desde 1983.

A maneira de trabalhar do plano SfB pode ser definida como “facetada”: praticamente, cada parte ou componente do projeto pode ser dividida em quatro níveis de leitura, chamados de “tabelas”.

TABELAS   CLASSIFICAÇÃO             CÓDIGO
Tabela 0 (Ambiente natural e construído)Planejamento territorial e tipologias de construçãoPar de números
Tabela 1 (Elementos de construção)Partes do edifícioEm função e conforme ordem de sua realizaçãoPar de números entre parênteses
Tabela 2 (Atividades de construção)Tipos de serviçoEm relação ao aspecto físico dos materiais necessários para realizá-losLetra maiúscula
     Tabela 3 (Recursos de construção) Tipos de materialEm relação a sua naturezaLetra minúscula + número de 1 a 9
  Tabela 4 (Atividades e requisitos)Atividades de construção e uso de recursosLetra minúscula entre parênteses

A cada característica, que pertence a uma das 4 tabelas, é atribuído um código.

Essa atribuição torna a identificação de sujeitos e ações mais evidentes, enquanto a possibilidade de associar as tabelas entre si abre o caminho para novas possíveis combinações para a classificação de dados.

Exemplo prático de classificação SfB

Suponhamos termos um código SfB do tipo:

52 (35) Rr1 (P)

A este código correspondem as informações a seguir:

  • 52 corresponde a Edifícios e equipamentos para o espetáculo da Tabela o.
  • (35) se refere a Forros da Tabela 1.
  • R indica Chapas planas e painéis da Tabela 2.
  • r1 corresponde a Argila, gesso, magnésio e ligantes plástico da Tabela 3.
  • (P) indica Som e silêncio da Tabela 4.

O código é composto por números e letras, cada um dos quais indica um serviço, um equipamento, um material, um espaço, e assim por diante.

O responsável pela tarefa (nesse caso, a realização de um forro) procurará os documentos do projeto que, combinados com a Tabela 1, apresentam o código (35), enquanto o técnico responsável pela acústica tratará dos documentos da Tabela 4 que contêm o código P, e assim por diante.

UniFormat

O UniFormat nasceu na América em 1973 como ferramenta para classificar elementos de construção e relacionadas tarefas. Este sistema de classificação está baseado em 2 elementos:

  • a estrutura da classificação é hierárquica-enumerativa;
  • os objetos classificados foram escolhidos de acordo com a relação entre incidência de custo e frequência de uso.

A classificação de UniFormat está baseado em três níveis principais de objetos:

  • nível 1: inclui os principais grupos de objetos (fundações, paredes e partições);
  • nível 2: prevê a divisão do primeiro nível em subgrupos;
  • nível 3: especifica os objetos contidos no segundo nível.

Aqui está a tabela com algumas das categorias do sistema de classificação UniFormat.

Level 1 

Major Group Elements

Level 2

Group Elements

Level 3

Individual Elements

A – SubstructureA10 – FoundationsA1010 – Standard Foundations
A1020 – Special Foundations
A1030 – Stab on Grade
A20 – Basement constructionA2010 – Basement Excavation
A2020 – Basement Walls
B – Shell (involucro)






B10 – Super StructureB1010 – Floor Construction
B1020 – Roof Construction
B20 – Exterior Enclosure

 

B2010 – Exterior Walls
B2020 – Exterior Windows
B2030 – Exterior Doors
B30 – RoofingB3010 – Roof Coverings
B3020 – Roof Openings
C – InteriorsC10 – Interior ConstructionC1010 – Partitions
Etc.  

A tabela apresenta com cores diferentes a subdivisão dos elementos da categoria mais larga até ao elemento em detalhe, por exemplo: a categoria Substructure (subestrutura) está marcada com uma letra maiúscula A e é especificada nas duas subcategorias Foundations (fundações) e Basement construction (porão); a subcategoria das fundações está marcada com o código A10, incluindo o elemento individual Standard Foundations (fundações padrão) identificado com o código A1010.

Também em outros sistemas de classificação a cada elemento é associado um código alfanumérico de acordo com o nível específico de informação.

O UniFormat tem o mérito de ter favorecido a eficiência analítica do aspecto econômico do processo de produção.

A imagem abaixo mostra como classificar uma entidade qualquer (por exemplo um telhado) de um modelo IFC.

Tente você mesmo classificar os elementos de um modelo 3D (IFC, DWG, SKP, etc.), utilizando gratuitamente  usBIM.viewer+. Você só precisa abrir o arquivo desejado, (baixe aqui um arquivo de exemplo) e selecionar o botão “Edit” na seção “Classification” da ribbon bar.

A imagem ilustra o conceito de IFC e sistema de classificacao MasterFormat em usBIM.viewer+

IFC e sistemas de classificação na construção | Exemplo de classificação UniFormat com usBIM.viewer+

MasterFormat

MasterFormat foi publicado em 1963 e atualizado em 1974 pelos Institutos de pesquisa norte-americanos CSI (Construction Specification Institute) e pelo CSC (Construction Specification Canada).

MasterFormat é, atualmente, o sistema de classificação na indústria da construção mais utilizado nos Estados Unidos da América e no Canadá. Esse sistema possui uma estrutura hierárquica, mas, embora esteja dividido em grupos e subgrupos, estes últimos não são numerados.

São numeradas, pelo contrário, as “divisões” associadas aos subgrupos.

Cada divisão, por sua vez, está dividida em “seções” marcadas por um número de seis dígitos, expansível a qualquer momento sem alterar a ordem geral de todo o sistema.

Specifications Group
General Requirements Subgroup
Division 01 – General Requirements
Facility Construction Subgroup
Division 02 – Existing Conditions
Division 03 – Concrete
Division 04 – Masonry
Division 05 – Metals
Division 06 – Wood, Plastics and Composites
Etc.
Process Equipment Subgroup
Division 40 – Process Integration
Division 41 – Material Processing and Handling          Equipment
Division 42 – Process Heating, Cooling, and Drying Equipment
Etc.
A imagem ilustra o conceito de IFC e sistema de classificacao MasterFormat em usBIM.viewer+

IFC e sistemas de classificação na construção | Exemplo de classificação UniFormat com usBIM.viewer+

A norma ISO 12006-2

Focamos, finalmente, na ISO 12006: a mãe de todos os sistemas de classificação na construção. A primeira versão da ISO12006 foi elaborada pela International Organization for Standardization (Organização Internacional de Padronização) e publicada quando ainda não existiam sistemas internacionais de padronização de sistemas de classificação. Revisada posteriormente, acompanhando o progresso tecnológico e o desenvolvimento de diferentes sistemas de classificação, a ISO 12006-2 visa criar tabelas que permitem classificar tipos, elementos e relações de acordo com uma especialização específica.

Essas tabelas descrevem todo o processo de construção de um edifício, desde a fase preliminar de projeto até às fases de realização e manutenção. Aqui estão algumas dessas tabelas:

A.1 Construction entities (by form)

  • Buildings
  • Pavements/landscaping
  • Tunnels (and other underground constructions)
  • Embankments, retaining walls, dams
  • Tanks, silos, ecc.
  • Bridges, viaducts, ecc.
  • Towers, masts, superstructures
  • Pipes, ducts, cables

A.2 Construction entities (by function or user activity)

  • Hospital buildings
  • Health centre buildings
  • Footbridges
  • Airport terminal buildings
  • School buildings
  • Etc.

A.3 Construction complexs (by function or user activity)

Elementos de detalhe.

A.7 Elements (by characteristic predominating function of the construction entity)

  • Floors
  • Roofs
  • Columns
  • Etc.

A.8 Designed elements (element bytype of work)

Relações e atores envolvidos no processo de construção.

A.10 Management processes (by type of process)

  • Administrative management
  • Financial management
  • Marketing/sales management
  • Etc.

A.15 Construction agents (by discipline)

  • Clients
  • Architects
  • Civil engineers
  • Etc.

A metodologia de classificação da ISO12006-2 consiste em uma estrutura hierárquica que se desenvolve gradualmente, a partir de informações mais gerais até a informações mais detalhadas. Porém, a ISO12006-2 ainda se limita a fornecer princípios básicos, constituindo então um sistema de classificação operacional e incompleto atualmente não utilizado nos padrões BIM, exceto como base.

 IfcClassificationReference: IFC e sistemas de classificação na construção

O padrão IFC também usa ferramentas de classificação de dados para comunicar informações úteis no processo de construção e não veiculadas pela linguagem padrão.

É evidente que, em muitos casos, pode ser necessário adicionar informações ao modelo, implementando os dados já presentes veiculados pelos padrões.

Esta operação implica o uso de uma linguagem não codificada pelo padrão IFC. Nesses casos, portanto, o vocabulário a ser adotado deve ser acordado e divulgado a todas as partes interessadas (nas fases de projeto, execução, manutenção e desmantelamento da obra).

A classe IfcClassificationReference é uma forma de classificação “leve”, graças à qual é possível dividir o edifício em partes, de acordo com o tipo de classificação adotado.

Este sistema visa, entre outros, melhorar a leitura do modelo, adicionando detalhes às entidades com a possibilidade de selecioná-las de uma maneira diferente. Por exemplo, atribuindo uma classificação diferente às janelas de uma folha e àquelas de duas folhas, é possível selecioná-las de forma diferente e obter uma imagem mais detalhada das informações relacionadas aos objetos “janela”.

IFC e sistemas de classificação na construção: como fazer

Como criar novas classificações em um modelo IFC? Confira como fazer isso de forma fácil graças a um exemplo:

  • baixe e instale gratuitamente usBIM.viewer+;
  • clique em Arquivo>Abrir e selecione o arquivo IFC a ser carregado;
  • para modificar o modelo, clique em Editar IFC>Editar;
  • selecione (manualmente ou aproveitando os grupos de seleção) os objetos aos quais adicionar uma classificação;
  • da caixa das ferramentas, na seção Classificações, clique em Editar;
  • da caixa de diálogo que vai aparecer, selecione o tipo de classificação (Masterformat, Omniclass, Uniclass, etc.) e as relacionadas subcategorias;
  • finalizada a operação, clique em Confirmar.
A imagem mostra como definir IfcClassificationReference em usBIM.viewer+

GIF animada | Definir IfcClassificationReference em usBIM.viewer+

Uma vez selecionada a entidade de interesse, você pode ler as informações que acabou de atribuir na caixa das Propriedades:

  • IfcClassificationReference indica o código correspondente ao tipo de informação adicionada.
  • IfcClassification indica o tipo de classificação adotada.

É importante lembrar que, por não ser um padrão, é sempre necessário que os atores envolvidos concordem com antecedência o tipo de classificação a ser adotada, a fim de tornar unívoca a troca de informações.

Verificar um arquivo IFC classificado com outros softwares

Se receber um arquivo IFC (gerado por qualquer software) contendo classificações de objetos, você poderá verificar essas informações da seguinte maneira:

  • abra o arquivo com usBIM.viewer+;
  • selecione uma entidade;
  • na caixa das propriedades, leia os seguintes valores:
    • IfcClassificationReference, incluindo o código.
    • IfcClassification, incluindo o sistema de classificação.
A imagem ilustra o conceito de IFC e sistemas de classificacao das entidades com o software usBIM.viewer+

Verificação da classificação das entidades com usBIM.viewer+

A imagem acima mostra como a janela selecionada foi classificada com o código Ss_25_30_95_26, referente ao sistema UniClass 2015.

Download arquivo de exemplo e software

Arquivo de exemplo IFC+

usBIM.viewer+

usbim-viewer
usbim-viewer