Liternum, reconstrução de um sítio arqueológico

Do levantamento à nuvem de pontos, passando pelo modelo BIM: a recuperação do sítio arqueológico de Liternum graças à reconstrução realizada pela ACCA software

Localizada na área ao norte de Cuma, Liternum foi fundada, juntamente com Puteoli e Volturnum, em 194 A. C.. Inicialmente concebida como colônia marítima na margem esquerda do Lago Patria, foi em seguida entregue para trezentos veteranos da segunda guerra púnica, provavelmente do exército de Publius Cornelius Scipio o africano que, exiliado, se refugiou numa vila fortificada da cidade e, segundo a tradição, lá foi enterrado.

Recentemente, na ocasião do Word Tourism Event 2019 em Roma, foi apresentado um modelo de reconstrução do sítio arqueológico, realizado graças ao uso combinado de softwares BIM (Edificius) e plataformas colaborativas BIM (usBIM.platform).

Este projeto avançado de reconstrução, realizado pela software house italiana ACCA software e baseado no levantamento e na nuvem de pontos, levou a resultados incríveis, permitindo navegar na realidade virtual imersiva em todo o sítio.

Liternum, reconstrução do sítio

Todo o processo consiste em 3 fases fundamentais:

  1. o levantamento da situação inicial: a partir de fotos tiradas com drone, foi aplicada fotogrametria, obtendo a nuvem de pontos e o modelo mesh com a textura dos edifícios existentes.
  2. A reconstrução virtual em 3D da antiga Liternum: após um cuidadoso estudo arqueológico, foi reconstruído o modelo utilizando um programa BIM de arquitetura 3D.
  3. Federação dos modelos: os 2 modelos foram federados através de uma plataforma BIM específica.
A imagem mostra uma foto satélite de Liternum hoje

O parque arqueológico de Liternum hoje – Vista do satélite

A antiga Liternum

O parque arqueológico de Liternum é constituído por 7 componentes principais.

A imagem mostra a estrutura da antiga Liternum

Parque arqueológico de Liternum, planimetria

O Fórum

O Fórum representava o centro da vida pública na cidade romana. Tinha uma forma retangular com orientação norte-sul e era atravessado longitudinalmente, do Sul para o Norte, pela antiga rota da Via Domitiana.

Cercado quase inteiramente por um pórtico com colunas, acomodava uma série de Tabernas (lojas) e os edifícios civis e religiosos mais importantes da colônia:

  • a Basílica
  • o Capitólio
  • o Teatro

Hoje, desses edifícios permanecem apenas algumas paredes para testemunhar a estrutura planimétrica.

A Basílica

A Sudoeste do Fórum ficava a Basílica, o tribunal onde os magistrados da colônia administravam a lei. O edifício, de aproximadamente 32 m x 23 m, possuía apenas uma ala central decorada com meias colunas encostadas nas paredes.

Da Basílica, remontante ao final do período republicano, resta só o perímetro, realizado com a técnica do opus reticulatum (estrutura com blocos de tufos colocados em losango).

O Capitólio

No Norte da Basílica, em uma posição central e cenográfica no Fórum, ficava o Capitólio da cidade, do 194 A.C., com frente de 17 m e lado de 23 m.

O templo principal da cidade, dedicado à Tríade Capitolina (Júpiter, Juno, Minerva), possuía uma cela com três nichos para as estátuas de culto. Essa cela era precedida por um pórtico com 4 colunas frontais (pronao tetrastilo) de ordem coríntia.

Do templo ainda sobrevive a base alta (pódio) em opus incertum (alvenaria com blocos de tufo de tamanho diferente), com costuras em opus reticulatum (blocos de tufo dispostos em losango) e opus latericium (alvenaria com tijolos de terracota), além de uma única coluna restaurada, um segundo capitel e alguns blocos de mármore.

O Teatro

No lado norte do Capitólio ficava o Teatro, da era imperial. Sua cávea (escada para espectadores) tinha um diâmetro de 40 m e podia hospedar para cerca de 1.000 pessoas.

A cávea apoiava em uma base de tufo e era acessível externamente através de três lances de escada (vomitoria). De toda a cávea, permanecem apenas vestígios dos dois degraus baixos (proedria), acessíveis diretamente da orquestra do teatro e cujos assentos de madeira (bisellia) eram reservados às pessoas importantes da cidade.

Da cena monumental do teatro (scenae frons) restam apenas fragmentos de alvenaria em opus vittatum (alvenaria regular em blocos de tufo) com níveis em opus latericium (alvenaria de tijolos de terracota).

As Tabernas

Ao lado do Fórum ficavam uma série de Tabernas (lojas), muitas vezes constituídas por um ambiente que servia como habitação do lojista.

Nas antigas cidades romanas, as atividades comerciais representavam um dos aspectos mais animados e importantes para a subsistência dos cidadãos. Artesãos e comerciantes costumavam se organizar em verdadeiras corporações, capazes de exercer sua influência mesmo nas eleições dos magistrados da colônia: fullones (lavadeiros), coactiliarii (trabalhadores de lã), pistores (moleiros e padeiros), pomarii (verdureiros) eram alguns dos exemplos mais comuns.

Hoje, algumas dessas estruturas se encontram no lado Norte, onde existem fragmentos de alvenaria na base do opus reticulatum.

Túmulo de Cipião

Do Fórum, o único monumento que chegou em boas condições é o chamado Túmulo de Cipião, de pedra vulcânica.

O pequeno monumento constitui uma espécie de cenotáfio (túmulo monumental simbólico), dedicado ao famoso comandante que derrotou os cartagineses na Segunda Guerra Púnica: Publius Cornelius Scipio, conhecido como “O africano”.

A Via Domitiana

O Fórum de Liternum era atravessado de Norte a Sul pela Via Domitiana.

Esta grande estrada, levando o nome do imperador romano Domiciano que promoveu sua construção em 95 d.C., melhorou a conexão entre o porto de Puteoli (Pozzuoli) e o resto do Império.

A Via Domitiana, que começava em Sinuessa (Mondragone), continuou sendo usada até sua destruição por Alaric em 420 d.C., para depois ser reconstruída no século 16 sob o Reino de Nápoles.

Atualmente, a moderna estrada estadual segue parcialmente essa rota antiga.

Levantamento e digitalização da situação inicial

A situação atual foi digitalizada com um drone comercial, que permitiu realizar uma série de fotos e vídeos. As fotos foram tiradas seguindo as regras clássicas da fotogrametria e não foi necessário integrar o levantamento com um scanner a laser.

A imagem mostra o levantamento con drone do parque arqueológico

Levantamento com drone do parque arqueológico

As fotos foram, em seguida, processadas com um software de fotogrametria específico, obtendo uma nuvem de pontos e mesh com texturas. O modelo OBJ (mesh com texturas) foi adequadamente dimensionado.

O modelo OBJ foi, então, dividido em 7 componentes principais:

  1. Fórum
  2. Basílica
  3. Capitólio
  4. Teatro
  5. Tabernas
  6. Túmulo de Scipião
  7. Via Domitiana

Enfim, o modelo foi carregado na plataforma colaborativa BIM usBIM.platoform.

A imagem mostra o modelo com mesh carregado na usBIM.platform

O modelo com mesh carregado em usBIM.platform

A cada um dos 7 componentes do modelo foi associada uma ficha PDF com as informações relacionadas.

Desta forma, é possível navegar no modelo 3D diretamente a partir de um comum navegador (Google Chrome).

A imagem mostra associação de informações para cada componente

Modelo dividido em componentes e associação de informações (PDF) a cada componente

Navegação VR do modelo reconstruído

Graças à inovadora tecnologia usBIM.VR, todo o modelo pode ser navegado na realidade virtual imersiva. Para mergulhar no Parque e dar um passeio, basta dispor de um comum visor VR (por exemplo, Oculus Rift S ou HTC Vive)

Mesmo que o visualizador de VR não esteja disponível, é possível ativar a navegação do modelo renderizado em tempo real graças à nova tecnologia usBIM.reality, que permite alterar as condições de iluminação e sombreamento, bem como definir a data e a hora a fim de estudar a posição real do sol e a projeção das sombras ao longo do dia.

Além disso, é possível definir a nebulosidade e até ativar a chuva, que “molhará” as texturas existentes em tempo real, sem recarregá-las.

O resultado estético é garantido!

http://biblus.accasoftware.com/ptb/wp-content/uploads/sites/5/2019/11/associacao-de-informacoes-para-cada-componente.jpg

Reconstrução do Fórum romano de Liternum

Reconstrução do modelo BIM e federação dos modelos

O levantamento permitiu recriar com Edificius, o programa BIM de arquitetura 3D, o modelo BIM (suposto), incluindo uma série de informações específicas e reconstruindo as antigas Tabernas, o Fórum, a Basílica, e assim por diante.

Uma vez criado o modelo, o arquivo foi carregado na plataforma, obtendo:

  • situação atual – levantamento.OBJ
  • modelo BIM reconstruído.EDF
A imagem mostra o modelo federato da situação atual com uma reconstrução

Visualização do modelo federado: situação inicial com reconstrução

Além disso, graças aos recursos da plataforma, foi possível “federar” os 2 modelos. O modelo federado resultante é realmente impressionante, especialmente ao usar transparências específicas no modelo existente.

Mais uma vez, podemos visualizar os modelos, de forma individual ou federada, na realidade virtual imersiva.

Vídeo digitalização parque arqueológico Liternum

Aqui está um vídeo de apresentação do projeto de reconstrução do sítio arqueológico de Liternum.

 

usbim-platform
usbim-platform