A renderizacao mostra um parque urbano

Parque urbano: guia técnico e exemplo BIM

Projeto de um parque urbano: tipos, funções, características. Aproveite um exemplo prático em um contexto real, com arquivos e modelo 3D para baixar

Projetar um parque urbano é uma experiência criativa, que precisa de ferramentas técnicas de análise conhecimento do âmbito ambiental, urbano, arquitetônico e social.

No aprofundamento técnico de hoje, vamos focar no projeto de um parque partindo da análise histórica até o desenvolvimento dos espaços verdes urbanos e suas tipologias.

Finalizaremos com exemplo prático, realizado em um contexto existente, bem como um modelo 3D em formato EDF para baixar gratuitamente.

A renderizacao mostra a area para criancas

Projeto | Parque infantil para crianças e parque de skate ao fundo

As cidades antigas estavam integradas perfeitamente ao contexto circundante. Os processos de urbanização alteraram essa relação, configurando a oposição entre cidade e campo.

Somente no final do século XVIII, muitas cidades europeias deram importância aos espaços verdes, gerando o chamado parque público. Isso deixou a vegetação ornamental assumir um papel estético e de lazer, além de saúde pública.

Hoje, os espaços verdes urbanos contribuem de forma decisiva para a melhoria do microclima, atenuando os problemas ambientais e integrando-se com os edifícios.

A fotografia mostra os jardins de boboli em florenca

Jardins de Boboli – Florença (XVI – XIX século)

Tipos de espaços verdes urbanas

Vamos apresentar as diferentes tipologias de espaços verdes dos espaços urbanos e periféricos das nossas cidades.

Jardins históricos

São espaços verdes antigos e ligados à evolução da cidade. Esses jardins têm como objetivo guardar a planta original e, ao mesmo tempo, garantir segurança e boa conservação.

Se forem presentes árvores seculares, é preciso avaliar com cuidado as condições fitossanitárias dos exemplares, também para garantir a segurança dos usuários e a integridade do próprio jardim. Dentro dos jardins, encontram-se elementos arquitetônicos e artísticos – estátuas, fontes, bancos, pequenas construções – e artefatos de interesse histórico.

Espaços verdes no bairro

Os espaços verdes de cada bairro são utilizados pelos moradores e cumprem funções de lazer, diversão e encontro. Os critérios de projeto, devido ao tamanho reduzido, têm que ser bem simples: as árvores e as relvas servem para alternar espaços sombreados com espaços ao sol e zonas pavimentadas para lazer e descanso.

Parques urbanos

São espaços verdes de tamanho variável, presentes nas áreas urbanas ou nas periferias, com importante papel ambiental, cultural e de diversão.

Podem estar divididos em zonas com funções específicas (descanso, jogo, esporte, centros culturais) e preveem a presença de espécies nativas de arbustos ou árvores e relvas de grande tamanho.

Nas áreas suburbanas, os espaços verdes dos parques também podem integrar e substituir o sistema agrícola e florestal, se tornando um elemento de caracterização ambiental e atenuando o clima da cidade.

Espaços verdes em residenciais e privados

A indústria da construção também leva a problemas com respeito à urbanização. Em contextos altamente urbanizados, os espaços verdes em áreas residenciais devem ser acompanhados por normas adequadas. Na Itália, seguindo o que já ocorre no estrangeiro há algum tempo, muitos munícipios estão adotando normas de referência sobre as áreas urbanas, para os cidadãos cumprirem critérios adequados para a realização de espaços verdes ornamentais.

O desenho mostra o esquema da organizacao funcional do parque urbano

Projeto | Esquema da organização funcional

O parque urbano: tópicos, elementos e materiais de projeto

Tópicos de projeto

Ao projetar um parque urbano, é indispensável avaliar suas funcionalidades:

  • a brincadeira, ponto de convergência fundamental para as crianças. Acha-se fundamental colocar jogos e estruturas esportivas também para as pessoas com necessidades especiais, bem como para adultos e idosos;
  • a didática e a formação de um sentido cívico cumprem um papel crucial. O parque urbano até serve de lugar de aprendizagem para as diferentes tipologias de árvores, as tabelas informativas sobre as características naturais do lugar (vegetação, flora, fauna, história e cultura), os jardins compartilhados e as hortas sociais;
  • o esporte tem que ser incentivado em cada nível, quando tiver as possibilidades de projeto e de espaço, pelos seus efeitos positivos para saúde física e mental;
  • os animais podem conviver quanto tiver propostas adequadas para áreas reservadas. É aconselhável prever lixeiras e equipamentos específicos, bem como áreas sombreadas e água potável;
  • descanso também é uma função básica, tanto como área para a leitura como para o lazer, o encontro e a conversação. É aconselhável que as áreas sejam tranquilas e fiquem longe das ruas com tráfego:
  • os caminhos pedestres no verde têm que ser projetados levando em conta também as exigências de pessoas com necessidades especiais, possuindo largura mínima de 2 metros e sendo iluminados adequadamente. Eles vão servir de ligação entre as várias áreas do parque, sendo acessíveis das ruas vizinhas e incluindo árvores, mandris, coretos;
  • as superfícies pavimentadas (caminhos pedestres, áreas de descanso, ladeiras) têm que ser projetadas e realizadas garantindo estabilidade ao longo do tempo e acessibilidade para carrinhos de bebé e cadeiras de rotas.

Elementos do projeto

Na fase de projeto, é aconselhável levar em conta os seguintes elementos para fornecer identidade ao espaço verde:

  • o solo não é apenas uma superfície horizontal. As variações topográficas de nível – assim como a criação de taludes, eclusas no terreno, morros ou escadas – faz com que o parque possuas várias finalidades;
  • a vegetação possibilita uma variação cromática entre os diferentes verdes e as várias flores, até com base em princípios de cromoterapia. Também é necessário levarmos em conta o caráter sazonal e os ritmos naturais;
  • a água leva à percepção de variáveis cromáticas e sonoras. O projeto deve também atingir utilidade para o microclima, contribuindo a mitigá-lo e umidificá-lo;
  • a sombra é adicionada conforme as variações da luz e as modalidades de utilização do parque.
A renderizacao mostra a praca central do parque entre o parque de skate e a biblioteca

Projeto | A praça central entre o parque de skate e a biblioteca

Materiais de projeto

Os materiais para o projeto de um parque urbano terão que ser escolhidos com base na funcionalidadeduração e estilo do próprio projeto.

Vale salientar que :

  • o estilo dos diferentes materiais a serem utilizados para realizar estruturas e mobiliário deve estar conforme à natureza do parque;
  • a irrigação deve ser automatizada, para atender as necessidades de arbustos, árvores e flores nas fases juvenis ou em períodos de seca;
  • pode-se prever luzes de ambiente para as horas noturnas;
  • o mobiliário pode prever elementos fixos ou móveis. É preciso levar em conta até a criação de áreas sombreadas com mandris ou coretos, até as copas das árvores conseguirem fornecer sombra;
  • o mobiliário deve prever as diferentes faixas etárias dos usuários, bem como utilizar recursos fáceis a serem encontrados e mantidos – de preferência em madeira;
  • a presença de quiosques ou áreas de jantar gera socialização, enquanto é indispensável prever instalações sanitárias e torneiras.
A renderizacao mostra a area de descanso e o parque infantil

Projeto | Vista da área de descanso abrangendo o parque infantil e o parque de skate

Se quiser aprofundar o tópico de hoje, confira nosso artigo sobre mobiliário urbano.

Download | projeto parque urbano

Baixe o modelo 3D BIM (arquivo .edf) do projeto

Vídeo | como projetar um parque urbano

edificius
edificius