PAS 1192-3: eis os “códigos de práticas” emanados através de procedimentos simplificados para atender às necessidades de gestão dos bens imobiliários graças ao BIM (parte 3)

Os documentos emitidos pela British Standards Institutions (BSI), denominados Publicly Available Specification (PAS) da série 1192, tornaram-se progressivamente na referência internacional para a implementação de um processo BIM na indústria da construção civil.

Para a BSI, contudo, as PAS não são verdadeiras normas, mas códigos de práticas ou linhas de endereço emanadas como forma de procedimento de urgência a fim de atender às exigências emergentes do mercado. Nomeadamente, isso aconteceu na sequência da decisão do governo do Reino Unido de introduzir o BIM nas obras públicas nacionais.

Como já analisado nos artigos anteriores:

a PAS 1192 parte 2 trata das fases de desenho e realização de um edifício, pelo contrário a PAS 1192 parte 3 foca-se na sua gestão e manutenção. É preciso realçar que estes dois documentos foram concebidos como interligados, pois do ponto de vista do fluxo das informações são um a continuação do outro.

Em relação às partes interessadas, a PAS 1192-3 trata da gestão do bem realizado e, portanto, é destinada às organizações (instituições, empresas, etc.) que desenvolvem o próprio papel ao longo do ciclo de vida útil do edifício.
Neste respeito, a norma explicitamente afirma que o seu propósito é ajudar estas organizações a realizar o modelo específico de informação digital do bem imóvel, o AIM (Asset Information Model, ou seja, o Modelo de Informação do Bem).

Mas, em primeiro lugar, o que é o Asset Information Model?

Modelo de informação do bem (AIM)

Eis a definição fornecida pela PAS:

Dados e informações relacionados a bens num nível necessário para suportar o sistema de gerenciamento do património de uma organização.
Um AIM pode se relacionar a um bem individual, um sistema de bens ou ao portfólio completo de uma organização.
O AIM consiste em componentes gráficos, não gráficos e documentais, bem como em metadados. 

O AIM é, portanto, um “arquivo” controlado de dados relativos ao edifício, a partir do qual podem ser adquiridas informações corretas e atualizadas, necessárias para que sejam tomadas as adequadas decisões de gestão.

Isso significa que organizações distintas, de acordo com a própria atividade específica, irão precisar de Modelos de Informação distintos do ponto de vista do conteúdo: atividades diferentes, modelos diferentes.

Enfim, outro aspeto essencial para ter em conta é identificação dos benefícios esperados em relação aos custos a serem incorridos para a realização do sistema.

 

Descobre como o BIM pode gerir os patrimónios imobiliários com usBIM