Smart windows, o revestimento ultrafino de dióxido de vanádio capaz de reagir de forma automática à radiação solar, bloqueando o calor no verão e mantendo-o no inverno

O setor europeu de aquecimento e refrigeração é um dos mais promissores para o crescimento das energias renováveis (fonte IRENA – agência internacional de energia renovável).

De acordo com os estudos, 34% da necessidade térmica do continente europeu, até 2030, poderia vir de energia limpa. Esse percentual poderia ser ainda maior adotando, simultaneamente, novas medidas de economia energética.

Uma das oportunidades mais interessantes neste setor é oferecida pelas chamadas smart windows, soluções de construção capazes de atender de forma inovadora a necessidades de tipo qualitativo-ambientais.
Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Melbourne (Austrália), que tem trabalhado para tornar esta tecnologia cada vez mais responsiva aos estímulos externos, desenvolveu um revestimento ultrafino e leve a ser aplicado às janelas e capaz de reagir de forma automática ao calor e ao frio.
É aqui que nascem as janelas inteligentes de VO2 (dióxido de vanádio), dispositivos capazes de ajustar de forma natural as temperaturas dentro de um edifício.

Essas janelas conseguem bloquear o calor no verão e mantê-lo no inverno, alterando a própria transparência aos raios infravermelhos.

smart-windows

Smart windows: como funcionam?

O dióxido de vanádio é usado como folha de revestimento de vidro: o estrado aplicado é mil vezes mais fino do que um cabelo (50-150 nanômetros), totalmente transparente ao olho humano e equipado com propriedades optoeletrônicas (a capacidade de transformar sinais elétricos em sinais ópticos e vice-versa). Além disso, reage à luz e pode ser monitorado.

Se bem transparente ao olho humano, este revestimento torna-se opaco ao reagir a radiações solares infravermelhas.

Portanto, não requer energia e responde diretamente às mudanças de temperatura.

Além disso, estas reações podem ser ‘guiadas’ graças a um interruptor, muito semelhante a um dimmer, que pode ser usado para controlar o nível de transparência da janela e, então, a intensidade da iluminação num quarto.

Os testes realizados pelos pesquisadores mostram que as janelas inteligentes de VO2 são, do ponto de vista energético, 70% mais eficientes no verão e 45% no inverno em comparação aos comuns vidros duplos.

Descobre mais sobre TerMus BRIDGE, o software para o cálculo das pontes térmicas