Os exoesqueletos começam a entrar nos canteiros de obras: irão realizar os trabalhos mais repetitivos, perigosos e monótonos, deixando aos seres humanos as tarefas que exigem mais habilidade e garantem menos riscos para a saúde

Como os drones (veja o artigo anterior), também os exoesqueletos começam a ser utilizados em muitos canteiros de obras.

Trata-se de um vestido robótico que se adapta ao corpo de um trabalhador para melhorar a sua força e resistência.

Esta tecnologia permite, por exemplo, que o trabalhador levante objetos pesados sem se cansar e por longos períodos de tempo, reduzindo assim dores nas costas e outros problemas musculares.

Exoesqueletos: o que são?

O exoesqueleto pode ser definido como uma estrutura móvel, externa a um usuário, que aumenta as capacidades do mesmo.
Esta estrutura cobre parcialmente ou totalmente o corpo, pode ser vestida e, ainda, alimentada por corrente.
Os exoesqueletos são “ativos” quando estão equipados com motor e “passivos” quando têm função de suporte às pernas do trabalhador agachado.

Na indústria da construção os exoesqueletos podem aumentar a mobilidade humana para incrementar a força de elevação ou reduzir o estresse, melhorando os resultados de tarefas repetitivas como agachamentos, flexões ou caminhada.

Exoesqueleto-construção-1

Os exoesqueletos nos canteiros de obras

A tecnologia de robôs já está sendo utilizada nos canteiros de obras.
Por enquanto, as implementações de rotina são mínimas e altamente especializadas, por exemplo verificação e controle de qualidade, mas tudo isso está destinado a mudar.

Na verdade, o surgimento de tecnologias como a inteligência artificial e fabricação digital móvel representa a base para o desenvolvimento da próxima geração de robôs assistentes na indústria da construção (exoesqueletos).

Resta determinar se os robôs simplesmente aumentarão, mudarão na sua essência ou substituirão totalmente os trabalhos atuais. As gerações passadas de tecnologias de robôs uniam esses três elementos, dependendo da sua relação com as operações de construção.
Segundo os investigadores, “a oportunidade para o crescimento de robôs construtores na indústria da construção é gigantesca”: prevê-se que o mercado de exoesqueletos robóticos irá atingir 1,8 bilhões de dólares em 2025, em comparação com 68 milhões de dólares em 2014 (fonte: ABI Research).

Exoesqueleto-construção-2

Os canteiros do futuro… “próximo”

Os exoesqueletos estão destinados a aumentar a implementação da tecnologia em vários setores, incluindo o da construção.

São muitas as empresas que os produzem para inúmeros setores, tais como os da medicina e da construção. Essa produção inclui sistemas de exoesqueleto separados para pernas, costas e ombros, além de uma versão completa do traje robótico.

Graças aos exoesqueletos, será possível enfrentar com mais recursos os desafios existentes na indústria da construção: segurança, produtividade, planejamento e realização pontual.

Se bem já tenham sido (parcialmente) utilizados para os trabalhos de alvenaria, os robôs permanecem em grande parte tecnologias de futura geração.
Na verdade, já que ainda estão em fase de desenvolvimento e evolução, serão implementados gradualmente após terem comprovado a sua utilidade para a indústria da construção.

Clique aqui para conhecer Edificius, o programa de arquitetura BIM