Home » IFC e openBIM » A diferença entre as normas IDS, IFC e MVD

A diferença entre as normas IDS, IFC e MVD

Normas IDS, IFC e MVD: descubra qual é a diferença entre elas, o que são e para que servem lendo esse artigo.

Se você lida com BIM certamente já ouviu falar em IDS, IFC e MVD.

Neste artigo veremos em detalhes o que é e qual o fio condutor que os liga. Lembramos que você pode usar um aplicativo IDS BIM para aproveitar ao máximo esse poderoso padrão e trabalhar com muito mais rapidez e inteligência.

A diferença entre os padrões IDS, IFC e MVD

O propósito do IDS, IFC e MVD é semelhante: ter uma linguagem comum para todos os operadores envolvidos em todo o ciclo de vida da obra para melhorar a comunicação, evitar erros e facilitar a colaboração.

O padrão IDS trabalha lado a lado com o IFC para definir requisitos de intercâmbio interpretáveis por computador para cada caso de uso. Na prática, o IDS estabelece a forma como a informação deve ser trocada e o IFC é o container de toda a informação a ser trocada em um processo totalmente openBIM.

Já o MVD representa uma parcela de todas as informações contidas no IFC, filtradas de acordo com as necessidades estabelecidas naquela troca específica.

Portanto, todos os três permitem o gerenciamento ideal da troca de informações em projetos BIM e, de forma mais geral, em processos openBIM.

A imagem ilustra um exemplo de fluxograma de trabalho com validação IDS - diferença IDS IFC MVD

Fluxograma de trabalho com validação IDS

Vamos ver em detalhes o que são.

O que é IDS?

A extensão IDS (Information Delivery Specification) é um documento legível por computador que define os Requisitos de Informação (Exchange Requirements) dentro de uma troca de informações baseada no uso de um modelo BIM.

Na prática, ele define como os objetos, classificações, materiais, propriedades e até mesmo valores devem ser entregues e trocados. Muitas vezes é baseado no formato IFC (Industry Foundation Classes) e em classificações, materiais e propriedades adicionais (acordos nacionais ou específicos da empresa, armazenados em bSDD ou em outro lugar).

O IDS é um componente crítico que também pode ser usado como um contrato para entregar as informações corretas. Resolve também um dos aspectos mais importantes para a correta configuração de uma encomenda BIM, ou seja, a necessidade de os clientes terem modelos alinhados com os objetivos pretendidos.

O IDS foi criado para responder à necessidade de definir e otimizar a gestão de requisitos de informação dinâmicos e complexos, relativos a qualquer fase do ciclo de vida de uma obra e a qualquer vertente do mundo da construção (planejamento estratégico, projeto, engenharia, gestão e manutenção, reestruturação, restauração, alienação do ativo, etc.).

Para mais informações, sugerimos que leia o artigo “IDS: o que é e para que serve“.

O que é IFC?

A extensão IFC (Industry Foundation Classes) diz respeito a um formato de arquivo aberto e não proprietário da norma internacional ISO 16739. É usado para trocar e compartilhar dados entre todas as pessoas envolvidas no projeto, construção, gerenciamento e manutenção de um ativo, mesmo que usem software e aplicativos desenvolvidos por diferentes software houses.

No entanto, o IFC não é apenas um formato de troca, mas um esquema, ou seja, uma estrutura de dados organizada de acordo com regras precisas: o esquema IFC pode ser pensado como um “sistema de arquivamento” para organizar e transportar dados digitais.

Para mais informações, indicamos o artigo “Arquivo IFC: o que é e como abri-lo“.

O que é MVD

O arquivo MVD (Model View Definition) é um subconjunto do esquema IFC geral que é útil para descrever a troca de dados para um uso ou fluxo de trabalho específico, estreitando o escopo de acordo com as necessidades do destinatário.

Essas “vistas filtradas” são muito úteis, pois permitem simplificar o processo de troca de dados e evitar o compartilhamento de noções inúteis ou redundantes, seguindo procedimentos padronizados.

O MVD é uma visão filtrada que inclui uma parte das informações de todo o esquema.

A imagem ilustra um exemplo de definição da visão do modelo

Definição da visão do modelo

Portanto, o uso da MVD não depende dos muitos softwares existentes no mercado, mas sim das informações que você deseja compartilhar.

Isso resulta de uma necessidade específica, ou seja, transferir as informações necessárias para uma determinada situação, facilitando a troca entre softwares presentes a nível internacional.

Leia o artigo “Model View Definition (MVD) e intercâmbio de dados BIM” e saiba mais sobre este tema.

 

usbim-ids
usbim-ids