ABNT NBR ISO 19650: saiba mais sobre a norma

Lançada norma ABNT NBR ISO 19650, para ajudar a Indústria da Construção Brasileira no processo internacional, fundamental para contratação BIM

A ABNT NBR ISO 19650 acaba de chegar ao Brasil! Intitulada como “Organização e digitalização de informações sobre edifícios e obras de engenharia civil, incluindo modelagem de informações de construção (BIM) — Gerenciamento de informações usando modelagem de informações de construção”, a norma tem como principal objetivo facilitar os processo aos projetistas e profissionais do setor de AECO (Arquitetura, Engenharia, Construção e Operação).

Os dois primeiros volumes da norma, ABNT NBR ISO 19650-1 e ABNT NBR ISO 19650-2, foram traduzidos e adotados graças à ABNT/CEE 134, Comissão de Estudo Especial de Modelagem de Informação da Construção. Vamos conhecer o trabalho feito por essa comissão e a importância dessa norma para a implementação do BIM no mercado brasileiro.

ABNT/CEE 134: quem é e o que faz

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsável pela normalização técnica no Brasil e membro fundadora da Organização Internacional de Normalização (ISO), que agrega todos os órgãos de normas técnicas do mundo. Fundada em 1940, esta entidade privada e sem fins lucrativos tem como função definir e administrar normas e regras técnicas.

Já a Comissão de Estudo Especial de Modelagem de Informação da Construção (CEE 134) é o órgão técnico da estrutura da ABNT, que é constituída por especialistas representantes de Partes Interessadas, que tem por finalidade a elaboração e revisão de Documentos Técnicos ABNT.

Para a tradução da ABNT NBR ISO 19650-1  e ABNT NBR ISO 19650-2, a CEE 134 contou com uma equipe de peso composta pelos seguintes nomes: Wilton Catelani (ex-presidente do BIM Fórum Brasil), Gustavo Carezzato (Graphisoft), Regina Ruschel (UNICAMP), Ivo Mainardi (Coordenador BIM do Metrô de São Paulo), Leonardo Acquarone (AECOM), Leonardo Manzione (Coordenar), Tiago Ricotta (Trimble) e Ricardo Ferreira (Infraero).

Quer conhecer melhor o trabalho de tradução referente às partes 1 e 2 da ISO 19650 feito pela ABNT/CEE 134? Confira este vídeo do BIM Fórum Brasil:

ABNT NBR ISO 19650: conceitos, requisitos e estrutura

Esta norma, derivada da PAS 1192, visa principalmente estabelecer as responsabilidades de todos os envolvidos, incluindo o contratante. Seu maior foco é na contratação, gerenciamento e entrega das informações e dados através do BIM.

Uma vez implantada a norma ABNT NBR ISO 19650, ela servirá para quaisquer tipo de projeto, sendo ele de pequeno, médio ou grande porte de obras ou empresas: ou seja, qualquer empresa que tenha seu escritório ou construtora e esteja trabalhando num projeto de qualquer tamanho, basta estar aderente ao processo e ter toda documentação exigida. Outra grande possibilidade será a de atender a mercados não só nacionais como também internacionais.

Seu principal objetivo é:

  • estabelecer as responsabilidades de todos os envolvidos do projeto: contratante, contratada e as subcontratadas;
  • dar oportunidade de internacionalizar projetos brasileiros com mais facilidade;
  • obter a versão do plano de execução BIM entregue ainda na fase da licitação de projetos para obras públicas, facilitando o processo para o contratante e para todos os projetistas interessados na licitação.

Para saber mais sobre o que è a ISO 1950 e quais seus benefícios, leia o aprofundamento.

A norma ISO 19650 é composta de 6 partes, das quais apenas as primeiras duas foram traduzidas recentemente para o português. Vamos conhecer melhor essas partes.

ABNT NBR ISO 19650-1: Conceitos e princípios

A base nessa parte de conceitos e princípios é a informação e a importância de estar claro o papel de todos os envolvidos e qual a responsabilidade que cada um deve exercer no processo, para isso a existe uma hierarquia dos requisitos de informação.

a imagem ilusta a hierarquia de requisitos de informacao conforme ABNT NBR ISO 19650

Hierarquia dos requisitos de informação — Adaptado de ISO 19650-1

A hierarquia dos requisitos de informação está organizada, como vemos na figura acima, em três colunas: a primeira à esquerda diz respeito às exigências das partes interessadas: no nível superior, da organização e, no nível inferior, do projeto. A coluna do meio diz respeito aos requisitos de informação da tarefa, enquanto a última coluna compreende os modelos, um para a produção e outro para a administração da propriedade.

De acordo com a ISO 19650-1, há quatro tipos de requisitos de informação e dois modelos de informação de ativos:

  • OIR (Requisitos de Informação da Organização): determina o alto nível de informações exigidas por uma organização garantindo que sejam fornecidas de forma correta.
  • PIR (Requisitos de Informação do Projeto): é um requisito de informação de alto nível e necessário, assim como o OIR, para tomadas de decisão e nomeação mas, desta vez, em relação a uma ordem de trabalho específica. Para cada um dos pontos da decisão, deve ser preparada uma secção do PIR que será concluída no decurso do pedido.
  • AIR (Requisitos de Informação do Ativo): define as informações que os provedores devem entregar sobre o ativo, comunicando aos prestadores de serviços as informações que eles precisam fornecer.
  • EIR (Requisitos de troca de Informação): seu papel é especificar precisamente quais informações devem ser entregues em cada troca de informações, garantindo que as informações sejam entregues corretamente para o nomeador ou para a parte indicada pelo líder e que as atividades específicas sejam cumpridas durante um projeto ou uma etapa operacional.
  • AIM (Modelo de Informação do Ativo): modelo a partir do qual se obtém informações úteis para o uso, gerenciamento e manutenção do edifício. Ela contém informações sobre os equipamentos instalados, datas de instalação e manutenção, programação dos ciclos de manutenção.
  • PIM (Modelo de Informação do Projeto): modelo a partir do qual deriva as informações úteis para a concepção, produção e implementação da propriedade. Contém dados dimensionais, quantitativos e técnicos e são gerados tanto a partir dos processos de gestão de projeto quanto dos processos de gestão do ativo.

Na ABNT NBR ISO 19650 os requisitos, assim como a recomendação da gestão da informação, foram definidos visando principalmente estabelecer um trabalho de forma colaborativa onde todos os envolvidos terão que participar na implementação da série, sejam eles contratante, contratada e subcontratadas, podendo ser representada como uma sequência de estágios de maturidade.

A imagem ilustra os estagios estagios de maturidade da gestao da informacao analogica e digital

Estágios de maturidade da gestão da informação analógica e digital — Propriedade de ISO 19650

ABNT NBR ISO 19650-2:Fase de entrega de ativos

Esta segunda parte da norma tem como principal objetivo detalhar as principais etapas do processo de projeto e identificar as principais tarefas e pessoas envolvidas.

Destacamos a importância do ciclo de vida do ativo que é composto por três fases operacionais e de entrega, como mostra a figura abaixo:

 

A imagem mostra o ciclo de vida do ativo conforme ABNT NBR ISO 19650

A imagem mostra o ciclo de vida do ativo — Propriedade de ISO 19650

  1. Início da fase de entrega – entrega de informação relevante do Modelo de Informação do Ativo (AIM) e do Modelo de Informação do Projeto (PIM).
  2. Desenvolvimento progressivo do modelo de intenção projetual para um modelo de construção virtual.
  3. Fim da fase de entrega – transferência de informações relevantes do Modelo de Informação do Projeto (PIM) para o Modelo de Informação do Ativo (AIM).

Nas palavras de Ricardo Alexandre (Infraero), membro da CEE 134,

a publicação das duas partes da ABNT NBR ISO 19650 traz um marco importante para processos BIM, em especial o gerenciamento de informações no ciclo de vida dos ativos, com conceitos e princípios e fase de entrega de ativos. Isso promove maior interação das partes interessadas, com atribuições para contratante e contratada, inclusive subcontratadas, com definições para requisitos de informações, modelos, ambiente comum de dados, papeis e funções, competências e capacidades das equipes, o que promove o trabalho colaborativo com planejamento e responsabilidades para entregas dos contêineres de informações em níveis necessários e qualidade contratada.

A imagem mostra o processo de gestao da informacao na ABNT NBR ISO 19650

Processo de gestão da informação — Adaptado de ISO 19650-1

O processo da gestão da informação deve ser aplicado no decorrer de toda a fase de entrega para cada contratação, independentemente do seu estágio. Deve-se tomar cuidado para não confundir o processo de projeto com o processo da gestão de informação pois, apesar de parecidos, eles se diferem principalmente nos pontos 6 e 7 onde ocorrem a fase de produção como vemos na figura acima.

Lembrando que para obter sucesso no ciclo de vida BIM de maneira totalmente eficiente, é importante ter um bom Plano de Execução BIM (PEB), pois ele servirá para documentar todas as estratégias de trabalho, além de preparar os profissionais para todas as fases e desenvolvimento do projeto.

Os conceitos e os princípios mencionados na norma ABNT NBR ISO 19650-1  e ABNT NBR ISO 19650-2 alteram a forma de pensar na informação, sendo já um passo no sentido desta nova era da digitalização, e será essencial para a criação de modelos mais úteis e eficazes. A tradução dos requisitos de uma forma descomplicada, detalhada e clara, irá facilitar para que exija apenas a informação necessária em cada fase, sendo transmitida em forma de requisitos.

ABNT NBR ISO 19650: Partes 3, 4, 5 e 6

Vale lembrar que a ISO 19650 ainda consta de outras partes:

  • Parte 3 — Operacional dos ativos
  • Parte 4 —  Intercâmbio de informações
  • Parte 5 — Abordagem de segurança para o gerenciamento da informação
  • Parte 6 — Saúde e segurança

Até o momento não foram definidas datas para serem traduzidas as próximas partes.

ABNT PR 1015:2022 — Contribuição da ACCA

Considerando as diretrizes da ABNT NBR ISO 19650-1 e 19650-2, foi publicada recentemente a norma ABNT PR 1015:2022 – Ambiente Comum de Dados (CDE), elaborada pelo Comitê Brasileiro de Publicações (ABNT/DE).

Ela tem como escopo apresentar orientações para contratação e uso do Ambiente Comum de Dados (CDE) baseadas nas boas práticas de mercado e podendo ser aplicável a todos os tipos de organizações, sejam contratantes ou contratadas no setor de Arquitetura, Engenharia, Construção e Operação (AECO).

A publicação da tradução das duas primeiras partes da NBR ISO-19650 é muito importante para que as empresas possam ter acesso a conceitos de processos, tanto de organização da informação, quanto coordenação, gerenciamento e contratações de projetos em BIM. Importante salientar que nas duas partes publicadas, temos bastante referencia explicita ao uso do CDE (Ambiente Comum de Dados) e a ACCA possui uma das mais completas plataformas colaborativas, premiada e certificada pela buildingSMART International.

Alexandre Miranda, ACCA software

O CDE da ACCA software foi desenvolvido para atender aos requisitos da norma ISO 19650, permitindo gerenciar todo o ciclo de vida do edifício em um único ambiente de compartilhamento de dados. Ele adota o padrão IFC da buildingSMART, o que garante criação, gerenciamento e compartilhamento corretos de dados, documentos e modelos entre todos os atores envolvidos no projeto.

Se quiser conhecer mais sobre o nosso CDE usBIM.platform, confira mais informações clicando aqui.

 

usbim-platform
usbim-platform