Home » BIM e eficiência energética » Casa Sustentável: características, benefícios e exemplos

Casa Sustentável: características, benefícios e exemplos

O que são as casas sustentáveis, quais são as características, quais são as vantagens? Descubra todos os detalhes para um design verde

As casas sustentáveis estão inseridas em um contexto amplo relacionado à construção moderna cada vez mais orientada para escolhas verdes, em total respeito à natureza e ao ambiente circundante. As casas sustentáveis surgem como uma resposta concreta às ameaças globais ao meio ambiente e são o resultado de um planejamento e realização cuidadosos, focados na minimização do impacto ambiental ao longo de todo o ciclo de vida do edifício. As práticas construtivas adotadas visam integrar harmoniosamente as necessidades dos habitantes com a preservação do ambiente circundante, oferecendo soluções residenciais que se destacam por sua sustentabilidade e eficiência.

O que são casas sustentáveis?

O que se entende por casas sustentáveis? São edifícios sustentáveis que respeitam o meio ambiente, visando alcançar uma alta eficiência energética. As casas sustentáveis se destacam pelo uso de materiais e tecnologias que permitem reduzir o consumo de recursos naturais, as emissões de gases de efeito estufa e a produção de resíduos durante a fase de construção e ao longo de todo o ciclo de vida do edifício. Essas habitações integram uma série de estratégias, incluindo a seleção cuidadosa de materiais, a otimização da eficiência energética, a adoção de sistemas de gestão de resíduos e a integração de tecnologias sustentáveis.

Casa sustentável: características

Para ser definida como “sustentável”, uma habitação deve possuir uma série de características, incluindo:

  • eficiência energética: uma casa sustentável é projetada para minimizar o consumo de energia, utilizando materiais isolantes de alta qualidade, janelas de alto desempenho e sistemas de aquecimento e refrigeração eficientes. O objetivo é reduzir ao máximo a dependência de fontes de energia não renováveis e as emissões de gases de efeito estufa;
  • uso de materiais sustentáveis: os materiais utilizados na construção de uma casa sustentável são escolhidos por seu baixo impacto ambiental. Muitas vezes são materiais naturais, renováveis ou reciclados, como madeira de florestas geridas de forma sustentável, concreto celular produzido com materiais reciclados e isolantes naturais como fibra de celulose e lã de ovelha;
  • gestão de resíduos: durante a construção e a vida útil do edifício, é dada atenção especial à gestão de resíduos. São adotadas práticas de redução, reutilização e reciclagem de materiais de construção e resíduos gerados, contribuindo assim para a redução geral do impacto ambiental do edifício;
  • qualidade do ar interno: uma casa sustentável promove a qualidade do ar interno, utilizando materiais livres de substâncias nocivas e integrando sistemas de ventilação controlada. Isso garante um ambiente interno saudável e confortável para os habitantes;
  • economia de água: as casas sustentáveis integram sistemas de coleta e reutilização de águas pluviais e tecnologias de baixo consumo de água, contribuindo para a conservação dos recursos hídricos e a redução do consumo total de água;
  • integração com o ambiente: uma casa verde é projetada para se integrar harmoniosamente com o ambiente circundante, utilizando práticas de design bioclimático e promovendo a biodiversidade por meio do uso de jardins e áreas verdes.

Casas pré-fabricadas sustentáveis

Projetar uma casa pré-fabricada é uma solução cada vez mais comum que se baseia em dois elementos: os materiais pré-fabricados e o Building Information Modeling (BIM), que simplificam e melhoram o processo de design. As casas pré-fabricadas são fabricadas em fábrica, transportadas para o local de construção e montadas, diferenciando-se do método tradicional “no local”. O design envolve a criação de modelos detalhados, a produção em fábrica de componentes e o transporte para o local para montagem, seguido pelos acabamentos. O uso de materiais sustentáveis como madeira, aço e cimento contribui para a eficiência e sustentabilidade. O BIM facilita o design de construção graças a modelos digitais detalhados, melhorando a colaboração e a gestão do projeto. As casas pré-fabricadas oferecem benefícios como economia de tempo e custos, eficiência energética e personalização.

Casa sustentável: como é feito o design?

A construção de casas de madeira sustentáveis requer um planejamento cuidadoso e uma planejamento detalhado, onde cada decisão é guiada pelo objetivo de maximizar a eficiência e minimizar o impacto ambiental. A escolha dos materiais é fundamental: são preferidos materiais naturais, renováveis e de baixo impacto ambiental, como madeira, concreto celular produzido com materiais reciclados e isolantes naturais como fibra de celulose e lã de ovelha.

Além disso, as casas sustentáveis integram tecnologias avançadas para otimizar a eficiência energética do edifício. Sistemas fotovoltaicos e solares permitem gerar energia limpa e renovável, reduzindo a dependência de fontes fósseis e contribuindo para a redução das emissões de CO2. Sistemas de aquecimento e refrigeração de alto desempenho, juntamente com uma ventilação adequada e isolamento térmico, garantem um conforto habitacional ideal com um impacto ambiental mínimo.

O design começa com uma análise aprofundada do contexto ambiental em que a habitação será situada. Isso envolve a avaliação do clima local, da exposição solar, das condições de vento e das características do terreno circundante. Essas informações são essenciais para orientar o design de forma a maximizar a eficiência energética do edifício e integrar-se harmoniosamente com o ambiente circundante. Para obter um suporte válido no design de edifícios sustentáveis, é possível aplicar a metodologia BIM, usar software de cálculo energético e implementar no fluxo de trabalho plataformas de gerenciamento BIM para a gestão de todo o ciclo de vida das construções.

Definir objetivos e selecionar os materiais certos

Uma vez compreendida a complexidade do contexto, os objetivos de design são definidos. Esses objetivos podem incluir a redução do consumo de energia, a otimização do uso de recursos naturais, a promoção da biodiversidade e a criação de ambientes internos saudáveis e confortáveis. O planejamento do espaço interno e externo do edifício é uma etapa fundamental que envolve a definição do layout dos cômodos, dos fluxos de circulação e das áreas externas, levando em consideração as necessidades dos habitantes e os objetivos de sustentabilidade.

Fundamental é a seleção dos materiais de construção. São preferidos materiais naturais, renováveis e de baixo impacto ambiental. No design de uma casa sustentável, a integração de tecnologias sustentáveis também é fundamental. Estas podem incluir sistemas fotovoltaicos e solares para geração de energia renovável, sistemas de aquecimento e refrigeração de alto desempenho e sistemas de gestão de águas pluviais. O objetivo é minimizar o consumo de energia e as emissões de gases de efeito estufa, garantindo ao mesmo tempo um alto nível de conforto para os habitantes.

Durante todo o processo de design, avaliações periódicas são realizadas para verificar o cumprimento dos objetivos de sustentabilidade e identificar áreas de melhoria. O design é continuamente otimizado para garantir que o edifício atenda aos mais altos padrões de sustentabilidade e desempenho ambiental. Esse processo requer a colaboração de uma ampla gama de profissionais especializados, incluindo arquitetos, engenheiros estruturais, engenheiros de energia, designers de interiores e especialistas em sustentabilidade, que trabalham juntos para integrar as melhores práticas e tecnologias sustentáveis no projeto global do edifício.

Casas sustentáveis de madeira

As casas pré-fabricadas de madeira são uma solução moderna e muito procurada no campo da bioconstrução. Esta forma de construção visa melhorar o conforto habitacional enquanto se respeita o ambiente circundante.

Um dos principais benefícios das casas sustentáveis de madeira é a sua baixa emissão de dióxido de carbono, com uma consequente redução do volume de resíduos gerados durante a demolição, muitas vezes prejudiciais ao ambiente. A madeira é um material natural e renovável, cujo uso como componente estrutural principal ajuda a reduzir a pegada ecológica geral do edifício. Além disso, o processo de produção da madeira requer menos energia do que outros materiais de construção, contribuindo ainda mais para a redução das emissões de gases de efeito estufa.

As casas de madeira também são conhecidas pelas suas excelentes propriedades de isolamento. A madeira é um material termicamente eficiente, capaz de fornecer um isolamento natural que ajuda a manter uma temperatura interna constante e confortável durante todo o ano. Os materiais de acabamento, como tintas e colas, são naturais e não poluentes, assim como os revestimentos respiráveis. Além disso, a instalação de janelas com vidros duplos ou triplos e a eliminação de pontes térmicas contribuem para melhorar a eficiência energética, reduzindo o consumo de energia para aquecimento e refrigeração.

Casa sustentável: vantagens e desvantagens

As casas sustentáveis oferecem uma série de vantagens, mas também apresentam algumas desvantagens. Abaixo estão listadas as principais.

Vantagens

  • Redução do impacto ambiental: as casas sustentáveis utilizam materiais e tecnologias que reduzem o impacto no ambiente, contribuindo para a preservação dos recursos naturais e a redução das emissões de gases de efeito estufa.
  • Eficiência energética: graças ao isolamento térmico, ao uso de fontes de energia renovável como a energia solar e a sistemas de aquecimento e refrigeração eficientes, as casas sustentáveis consomem menos energia, reduzindo assim os custos e a poluição atmosférica.
  • Conforto habitacional: as casas sustentáveis são projetadas para maximizar o conforto dos habitantes, oferecendo uma excelente qualidade do ar interior, uma iluminação natural adequada e um controle eficiente da temperatura.
  • Economia financeira: apesar dos potenciais custos iniciais mais elevados para o design e construção de uma casa sustentável, a longo prazo podem ser obtidas economias significativas nos custos operacionais, como os relacionados com energia e manutenção.
  • Valor imobiliário: devido à sua eficiência energética e preocupação com o ambiente, podem ter um valor de mercado mais elevado e atrair potenciais compradores ou inquilinos sensíveis às questões ambientais.
  • Resistência e durabilidade: as casas em bioconstrução, especialmente aquelas feitas com madeira de alta qualidade, são resistentes às condições climáticas e intempéries. Além disso, a madeira pode ser tratada para torná-la resistente ao fogo, garantindo um alto nível de segurança.
  • Personalização e praticidade: oferecem a possibilidade de serem personalizadas de acordo com as necessidades e gostos do proprietário. Podem ser desmontadas e remontadas em outras localidades com características geográficas semelhantes, oferecendo assim uma maior flexibilidade.

Desvantagens

  • Custos iniciais mais elevados: as casas em bioconstrução podem exigir investimentos iniciais mais elevados do que as construções tradicionais, devido aos materiais e técnicas construtivas inovadoras utilizadas. Isso pode limitar o acesso a esse tipo de habitação para algumas pessoas.
  • Complexidade do design: o design de uma casa sustentável requer maior atenção e competência por parte dos arquitetos e engenheiros, pois devem considerar múltiplos fatores ambientais e tecnológicos.
  • Manutenção específica: alguns componentes e tecnologias sustentáveis podem exigir uma manutenção específica e periódica para garantir o correto funcionamento ao longo do tempo, o que pode resultar em custos adicionais.
  • Limitações de materiais e técnicas: apesar da ampla disponibilidade de materiais e técnicas para a construção sustentável, pode haver limitações na escolha de materiais e técnicas construtivas devido ao conhecimento limitado ou disponibilidade restrita no mercado local.

Casa sustentável: os 5 exemplos mais famosos

Arquitetos e designers de todo o mundo têm se dedicado à busca de soluções inovadoras para criar habitações que atendam às necessidades modernas sem comprometer o bem-estar do planeta.

Aqui estão os 5 edifícios símbolo da sustentabilidade ambiental:

  • Casa torre de água na Inglaterra;
  • Casa Vogel na Suíça;
  • Casa de bambu na França;
  • Home for Life na Dinamarca;
  • Bosco Verticale em Milão.

Casa torre de água na Inglaterra

De torre de água a uma residência de luxo! Localizada no bairro de Kennington, ao sul de Londres, a Kennington Water Tower tem uma história rica em charme. Construída em 1877 como parte do “Lambeth Workhouse and Infirmary“, esta torre também abrigou Charlie Chaplin. Abandonada por anos, foi adquirida em 2011 por Leigh Osborne e Graham Voce, que a transformaram em uma residência de luxo.

Uma extensão foi adicionada à parte traseira da torre: um cubo de vidro em três andares, chamado The Cube, que serve como espaço vital principal e inclui cozinha, sala de estar e um terraço panorâmico com vista de 360 graus de toda a cidade, com o London Eye e o Big Ben em destaque. Equipada com as maiores portas de correr do Reino Unido e janelas “inteligentes” que permitem a transição de transparente para opaco para maximizar a privacidade. O destaque da transformação é a Prospect Room, localizada no oitavo andar onde antes ficava o tanque de água original de ferro fundido.

Casa Vogel na Suíça

Esta é um exemplo de casa eco-sustentável de madeira projetada pelos arquitetos Diethelm&Spellman, caracterizada por um design que minimiza a perda de calor e maximiza o uso da energia solar. Elevada do chão em uma base não aquecida, esta casa é totalmente construída em madeira e revestida com um estuque prateado. Painéis de larício bruto adornam suas paredes, conferindo-lhe um caráter rústico e natural. Sua estrutura compacta é complementada por um telhado inclinado, totalmente isolado para manter uma temperatura interna ideal. Equipada com painéis fotovoltaicos, esta casa é projetada para minimizar a variação de temperatura e a perda de calor, permitindo um consumo de energia quase nulo.

Casa de bambu na França

O escritório de arquitetura Karawitz, localizado em Bessancourt, França, projetou uma residência que obteve a prestigiosa certificação do Instituto Passivhaus, tornando-se assim a segunda casa nacional a receber este reconhecimento. Este sucesso não se refere apenas ao conforto e sustentabilidade ambiental, mas também à excepcional qualidade arquitetônica da obra.

A arquitetura de baixo consumo energético tem raízes no Norte da Europa desde os anos 80, mas foi apenas no final da década que se começou a explorar o conceito de arquitetura “passiva”. Graças aos estudos da Universidade de Lund, na Suécia, foram desenvolvidos métodos de projeto e construção para reduzir o consumo de energia dos edifícios e garantir um conforto ambiental autônomo aos usuários.

No projeto da Karawitz, o arquétipo da casa rural com telhado de duas águas se funde com as tradicionais habitações locais. As paredes e a cobertura são completamente revestidas com um manto de bambu, visando mitigar o efeito da luz solar direta. Os painéis modulares permitem aos habitantes regular o clima interno, oferecendo frescor nas estações quentes e permitindo variações no design da casa através de aberturas e fechamentos.

As aberturas voltadas para o sul aproveitam a radiação solar durante as estações frias, enquanto as janelas com vidros triplos e gás argônio reduzem a perda de calor. Os painéis fotovoltaicos instalados no telhado fornecem energia, enquanto a estrutura de madeira maciça e fibra de madeira garante um excelente isolamento térmico.

A casa se desenvolve em duas partes distintas, separadas por uma “espinha dorsal” que funciona como elemento compositivo e funcional. Esta espinha divide as áreas funcionais da casa e oferece suporte para paredes móveis internas, adaptando o espaço a diferentes necessidades. As áreas principais voltadas para o sul são ampliadas por um jardim interno, fornecendo uma camada adicional de termorregulação e conexão com o ambiente externo.

Home for Life na Dinamarca

Localizada em Aarhus, na Dinamarca, Home for Life é uma demonstração pioneira de uma casa com zero emissões de CO2, habitada por uma família de quatro pessoas desde julho de 2009. O Home for Life incorpora 3 critérios fundamentais: eficiência energética, alta qualidade habitacional e mínimo impacto ambiental. Equipada com amplas janelas para telhados que garantem uma iluminação natural ideal, esta residência oferece um grande conforto, demonstrando que é possível construir edifícios neutros em termos de emissões de CO2 sem comprometer a qualidade arquitetônica ou o bem-estar dos habitantes. O projeto coloca o indivíduo, a inovação e a sustentabilidade no centro, oferecendo uma visão de um futuro habitacional mais ecológico e confortável.

Bosco Verticale em Milão

O Bosco Verticale de Milão representa um projeto inovador de florestação urbana que visa regenerar o ambiente urbano e a biodiversidade sem a necessidade de expandir ainda mais as cidades no território. Este modelo de densificação em altura do verde e das construções dentro da cidade está intimamente ligado às políticas de reflorestamento e renaturalização das grandes áreas urbanas, também conhecido como “Metroboschi“. O bosco verticale de Milão é composto por duas torres de 110 e 76 metros que abrigam um total de 900 árvores, algumas das quais atingem uma altura de quase 9 metros, além de numerosos arbustos e plantas florais. Equivale, portanto, a uma área florestal de cerca de 10.000 m², o que seria equivalente a 50.000 m² de terreno ocupado por casas unifamiliares.

O funcionamento do bosco verticale é baseado em um sistema que otimiza, recupera e produz energia, contribuindo para criar um microclima e filtrar as partículas finas no ambiente urbano. A diversidade das plantas e suas características permitem produzir umidade, absorver CO2 e poeira, produzir oxigênio e proteger contra agentes atmosféricos e poluição sonora, melhorando assim o conforto habitacional e reduzindo o consumo de energia. A irrigação das plantas ocorre principalmente através de um sistema centralizado de filtragem de águas cinzas, enquanto a presença de painéis solares e sistemas de uso de energia geotérmica contribui para tornar o projeto ecologicamente compatível.

Edificius
Edificius