Corte arquitetônico: o que é e quais os tipos?

Como realizar um corte arquitetônico de forma correta e rápida com a ajuda do software BIM. Conheça os tipos e suas vantagens

Na arquitetura, os cortes são desenhos gráficos 2D essenciais para a representação de uma obra ou projeto existente.

Para criar o corte de uma edificação com um software CAD é necessário partir da planta, escolher o plano de corte e construi-lo manualmente. Usando um software BIM para projetos arquitetônicos, no entanto, esse procedimento se torna automático e não deixa espaço para erros.

Vamos ver em detalhes o que é um corte e como gerá-lo com a ajuda de um software BIM.

O que é um corte arquitetônico?

Em referência ao projeto arquitetônico, o termo corte indica uma projeção ortogonal de um edifício interceptado com um plano vertical, ou seja, perpendicular à linha do horizonte.

Este tipo de representação bidimensional permite verificar a distribuição dos espaços nos diferentes pisos, elementos de ligação vertical (escadas, elevadores, rampas, etc.), estruturas (sótãos, paredes, pilares), diferenças de cotas, etc., mostrando o interior e o exterior do edifício.

Conceitualmente, não há diferença entre planta e corte, sendo ambas projeções ortogonais feitas em um plano de corte ortogonal ao objeto. Mesmo a planta de um edifício é de fato um corte, mas obtida a partir de um plano horizontal.

Em geral, o plano de corte costuma ser escolhido para fornecer o máximo de informações úteis para a compreensão da obra e deve ser devidamente indicado na planta (convencionalmente com uma linha misturada com ponto e traço, setas e letras).

Para diferenciar as peças corta das em projeção, tal como na representação em planta, utilizam-se linhas de diferentes espessuras (mais grossas para as peças cortas, mais finas para as em projeção e pontilhadas para objetos não visíveis mas que se pensa terem de relatório no gráfico) e hachuras (tracejadas ou preenchidas).

 

A imagem ilustra um modelo de corte longitudinal realizada com o Edificius

Corte longitudinal realizado com Edificius

Para a compreensão do desenho, é sempre aconselhável informar também a escala métrica de representação, escolhida em função do grau de detalhe e da finalidade que se deseja comunicar com o gráfico.

Por exemplo, você precisa usar a escala:

  • 1:25.000, 1:50.000 para representações topográficas;
  • 1:10.000, 1:5.000 para representações à escala territorial/municipal;
  • 1:2.000, 1:1.000 para agregados urbanos;
  • 1:500 para a transição da escala urbana para a arquitetônica;
  • 1:200 para o esboço do projeto;
  • 1:100 para o projeto arquitetônico;
  • 1:50 para o projeto executivo;
  • 1:20, 1:10, 1:5 para detalhes de construção;
  • 1:1 para detalhes que precisam de uma representação em tamanho real.

Mesmo que seja declarada a escala métrica de representação, é uma boa regra citar os gráficos para acrescentar mais informações e ter uma leitura imediata do desenho.

Quais são os tipos de cortes arquitetônicos?

Existem três tipos de corte:

  • Horizontal
  • Vertical
  • Oblíquo

Esta distinção refere-se ao tipo de inclinação do plano em relação à base do sólido seccionado. Os mais comuns usados na arquitetura são cortes horizontais, mais conhecidas como plantas, e cortes verticais.

Além disso, existem:

  • cortes em desvio: quando a linha de corte não segue um curso reto, mas em determinado ponto de seu percurso é deslizada para frente ou para trás, cortando uma área diferente da inicial. Este tipo de corte é muito utilizado no campo da arquitetura principalmente quando se deseja mostrar várias áreas do projeto com um único corte.
  • Longitudinal: quando o plano de corte é paralelo ao lado comprido do edifício.
  • Transversal: quando o plano de corte é paralelo ao lado menor do edifício.
  • Cortes de construção: quando o grau de detalhamento é útil para representar os detalhes construtivos de uma edificação.

Os cortes não são usados apenas em projeções ortogonais, mas também existem seções axonométricas ou perspectivas.

A imagem ilustra um modelo de vistas em cortes esométricas realizada com Edificius-cortes na arquitetura

Vistas em cortes esométricas realizada com Edificius

Como desenhar um corte: as vantagens de usar um software BIM

O objetivo é tornar suas partes internas visíveis.

Para desenhar o corte arquitetônico de um edifício, deve-se imaginar literalmente cortá-lo em dois com um plano imaginário, retirando uma peça e desenhando tudo o que é cortado do plano e tudo o que pode ser visto usando o método de projeção ortogonal. O objetivo é tornar visíveis suas partes internas.

Com um software BIM já não é necessário desenhar os cortes manualmente, mas apenas indicar a linha do corte, através de uma função específica do software, para gerar automaticamente a vista pretendida. O que você obtém não é um design estático, mas uma visualização dinâmica conectada ao modelo 3D BIM que é atualizado automaticamente em caso de alterações.

Isto significa que se eu já tiver gerado os cortes mas decidir, por exemplo, modificar as alturas dos tetos falsos com placa de gesso ou a disposição das divisórias internas, não tenho de refazer todos os gráficos porque quando modifico o modelo 3D eles atualizam automaticamente e com o tempo todas as visualizações que criei também são reais.

Na prática, tendo disponível o modelo 3D de um edifício, é possível gerar infinitos cortes (mas também plantas e elevações) e fazer alterações contínuas no projeto sem ter que voltar aos gráficos já criados.

Além disso, também poderá customizar o estilo do desenho (preto e branco, colorido, tons de cinza, etc.), espessuras de linhas, telas, representação de móveis, etc. de acordo com as necessidades e criar tabelas gráficas executivas completas com gráficos, renderizações fotorrealistas e visualizações 3D.

A imagem ilustra uma prancha executiva realizada com a Edificius -cortes na arquitetura

Prancha executiva realizada com Edificius

Tudo isso constitui uma grande vantagem para o profissional e resulta em economia de tempo e redução significativa de erros de representação e projeto. De facto, ter a possibilidade de gerar em tempo real todos os cortes de que preciso permite um maior controlo e uma verificação mais criteriosa e crítica das escolhas de projeto.

Para obter mais informações sobre como criar desenhos gráficos a partir do modelo 3D, leia o artigo detalhado.

 

edificius
edificius