Curva PF: o que é e como utilizá-la na manutenção

A curva PF é um gráfico que representa o comportamento de um ativo antes que ele atinja uma condição de falha. Descubra sua importância!

As instalações e as máquinas industriais não são projetadas para durar indefinidamente, mas certamente podem operar por mais tempo se forem adotadas as estratégias de manutenção corretas.

Neste artigo trataremos da curva PF, uma representação gráfica que visa caracterizar o comportamento dos ativos ao longo do tempo, e que auxilia os profissionais do setor a desenvolver programas de manutenção focados em confiabilidade visando prolongar a vida útil do equipamento.

Antes de começar, lembramos que para monitorar as condições de operação de seus ativos e obter informações atualizadas e confiáveis para montar seus planos de manutenção personalizados, você pode contar com o potencial de um software de gestão de manutenção.

O que é a curva PF em manutenção

A curva PF é um gráfico cartesiano que é usado no campo de Facility Management para descrever o comportamento de um ativo ao longo do tempo e avaliar o aproveitamento máximo que pode ser obtido do equipamento em questão.

O gráfico PF é um componente essencial das estratégias de manutenção baseadas em confiabilidade. A manutenção centrada na confiabilidade (RCM) permite que os vários departamentos de um sistema de produção identifiquem quais são os ativos mais críticos e estabeleçam o programa de manutenção mais adequado e eficaz para cada um deles.

Aproveitando as informações fornecidas pelas curvas PF, os gerentes de manutenção podem obter uma compreensão mais profunda de cada equipamento e identificar possíveis causas de falha. Isso permite determinar o momento ideal para realizar as operações de manutenção e definir as estratégias mais adequadas a adotar para maximizar a confiabilidade dos sistemas, minimizando os custos de gestão.

Como ler uma curva PF

A curva PF mostra a variável no eixo das abcissas tempo e no eixo de ordenadas do estado de saúde do imóvel. A curva representa o comportamento do equipamento desde o instante em que entra em operação até o momento em que atinge seu limite útil e não está mais operando.

Os elementos essenciais a considerar dentro do gráfico são basicamente:

  • o ponto P, que representa a falha potencial e refere-se à condição em que são detectados os primeiros sinais de deterioração que levarão à falha efetiva do ativo no tempo F.
  • O ponto F, que representa a falha funcional e refere-se ao momento em que o equipamento está realmente danificado e não consegue mais atingir padrões de desempenho satisfatórios.
  • O intervalo PF, que mede a diferença de tempo entre falha potencial e falha funcional, ou seja, entre o momento em que o problema começa a ser percebido (e é, portanto, tecnicamente detectável) e o momento em que o equipamento para definitivamente de funcionar. Quanto maior o intervalo de PF, maior a margem disponível para planejar e implementar intervenções de manutenção.
A imagem ilustra um exemplo de curva PF

Curva PF

Como o alcance do PF pode ser maximizado

Dependendo do tipo de equipamento e seus modos de falha, existem diferentes técnicas que podem ser utilizadas para detectar antecipadamente qualquer sinal de deterioração e retardar ao máximo a interrupção operacional do ativo.

Técnicas comuns usadas para maximizar o tempo entre falha potencial e falha funcional incluem, por exemplo:

  • inspeções visuais;
  • termografia;
  • rastreamento de temperatura, pressão, velocidade, fluxo, etc. parâmetros;
  • monitoramento de corrosão;
  • amostragem e análise de lubrificantes;
  • a detecção de emissões acústicas, como ultrassom;
  • medição e análise de vibração.

Essas técnicas são extremamente complexas e requerem habilidades específicas para implementá-las. No entanto, as organizações que desenvolvem estratégias de manutenção baseadas na confiabilidade e no uso de curvas PF são capazes de reduzir significativamente os custos de manutenção e, ao mesmo tempo, otimizar a funcionalidade e a produtividade de seus recursos.

Como usar um gráfico PF para melhorar a manutenção

As equipes de manutenção contam com as curvas PF para monitorar a deterioração dos ativos e implementar estratégias de manutenção mais eficazes. Graças ao uso desses gráficos é possível, de fato:

  • planejar intervenções de manutenção preventiva: a curva PF permite que os profissionais do setor planejem as atividades de manutenção antes mesmo da ocorrência de uma falha. Ao entender os possíveis modos de falha e identificar quando é provável que o equipamento falhe, você pode adquirir peças de reposição e organizar recursos para resolver o problema com bastante antecedência. Os operadores também podem determinar quais atividades exigirão conhecimentos especializados e negociar previamente acordos com terceiros contratados. No geral, essa estratégia evita a manutenção excessiva do equipamento, reduz os custos operacionais, aumenta o tempo de atividade do ativo e prolonga sua vida útil.
  • Avaliar a gravidade dos riscos: dados históricos e conhecimento profundo de como uma instalação opera ajudam as organizações a avaliar níveis crescentes de risco ao longo do ciclo de vida do equipamento. Ao estudar a tendência das curvas de PF, as equipes de manutenção podem prever quando ocorrerão falhas potenciais e falhas funcionais e estabelecer a gravidade dos riscos associados aos diferentes problemas. Isto permite-lhe escolher a melhor estratégia de manutenção a seguir para minimizar paragens não programadas e garantir a máxima segurança, eficiência e produtividade ao longo do tempo.
  • Maximizar o ciclo de vida dos ativos: usando as informações contidas nos gráficos de PF, as organizações são capazes de maximizar e estender a vida útil de seus ativos, substituindo peças antes que a instalação atinja um estado de falha funcional. Além de determinar quando é o melhor momento para substituir um ativo ou componente, as curvas PF ajudam a definir os indicadores de controle necessários para alertar técnicos e operadores sobre falhas iminentes e permitir que eles planejem reparos com antecedência.
  • Combinar diferentes estratégias de manutenção: na maioria dos casos, usar uma única abordagem não é suficiente para garantir uma manutenção eficaz. As curvas PF permitem que organizações e gerentes de facilities encontrem o equilíbrio certo entre diferentes estratégias e determinem quando a manutenção preditiva e monitoramento de condições ou, inversamente, quando é apropriado proceder a uma manutenção corretiva.
A imagem ilustra um exemplo de aplicação do uso da curva PF

Aplicação do uso da curva PF na manutenção

Quais são os fatores que influenciam a curva PF

A curva PF é parte integrante da manutenção focada em confiabilidade. Existem, no entanto, vários fatores que podem fazer com que os modos de falha identificados variem e, consequentemente, alterem a tendência do intervalo PF. Esses fatores referem-se a:

  • ao projeto de equipamento: diferentes tipos de equipamentos são projetados com diferentes níveis de segurança que podem causar variações nos modos de falha (alguns equipamentos, por exemplo, são projetados para suportar sobrecargas enquanto outros não são capazes de fazê-lo e isso inevitavelmente afeta o tipo de solicitação de manutenção).
  • Na frequência de uso: a alta frequência dos ciclos de partida/parada e o uso excessivo de um equipamento podem causar uma redução do intervalo de PF em relação às condições normais de operação do ativo.
  • Aos erros acidentais: durante a instalação, operação e manutenção dos equipamentos, podem ocorrer erros acidentais que inevitavelmente afetam a eficiência, funcionalidade e vida útil de todo o ativo ou de um de seus componentes.
  • Nas características das peças de reposição: ao realizar reparos, muitas vezes é preferível substituir os componentes originais por peças de reposição de menor qualidade e mais baratas, o que pode causar uma redução geral na qualidade do bem. Isto traduz-se num aumento da probabilidade de falha e numa variação do intervalo PF menos extensa do que as condições originalmente estimadas.

Para que a curva PF seja eficaz, as organizações e os gerentes de instalações precisam coletar e analisar dados históricos sobre a operação do equipamento e os modos de falha. Para monitorar a condição operacional de seus ativos, recomendamos usar um software de gestão de manutenção, uma ferramenta poderosa e confiável que permite gerenciar todas as atividades, processos e informações relacionadas à manutenção de ativos a partir de uma única plataforma centralizada.

Experimente agora a versão gratuita para testar o potencial desta ferramenta!

 

usbim-maint
usbim-maint