Home » BIM e infraestrutura » Engenharia rodoviária: últimas inovações e tecnologias

Engenharia rodoviária

Engenharia rodoviária: últimas inovações e tecnologias

A engenharia rodoviária lida com o design e construção de estradas de alta velocidade. Descubra as inovações que estão revolucionando o setor


Projetar uma infraestrutura com desenvolvimento linear requer uma abordagem completamente diferente da usada na projeção de edifícios.

Neste artigo, focaremos na engenharia rodoviária para conhecer as especificidades desse setor e descobrir quais são as inovações tecnológicas que estão impulsionando sua transformação. Analisaremos também o papel fundamental, porém extremamente complexo, desempenhado pelos engenheiros rodoviários.

Se você faz parte dessa categoria, saiba que pode simplificar significativamente seu trabalho aproveitando os benefícios da metodologia BIM para infraestruturas e adotando soluções de software especializadas.

Uma delas é representada pelos softwares de monitoramento de saúde estrutural. Comece a utilizar este sistema para enriquecer os modelos BIM de suas obras com os dados coletados em tempo real por sensores IoT e garantir um monitoramento constante e intervenções rápidas que ajudarão a preservar a segurança e a integridade de suas infraestruturas ao longo do tempo.

O que é engenharia rodoviária?

A engenharia rodoviária representa um ramo da engenharia civil, mais precisamente da engenharia de transportes, dedicada ao design, construção e manutenção de redes rodoviárias de alta velocidade.

O objetivo desta disciplina é criar redes de transporte eficientes capazes de otimizar o fluxo de tráfego e garantir a segurança de todos os veículos que por elas transitam.

A engenharia rodoviária difere do design de edifícios, pois lida com o desenvolvimento de infraestruturas lineares caracterizadas por uma considerável complexidade e grande extensão territorial.

Os desafios comuns enfrentados por esse setor incluem:

  • a segurança dos usuários;
  • o impacto ambiental;
  • a congestão do tráfego;
  • a manutenção;
  • a adaptação às novas tecnologias.

Resolver esses desafios requer a intervenção de profissionais especializados, com as competências técnicas, de gestão e ambientais adequadas.

A seguir, examinaremos mais de perto o papel desempenhado pelos engenheiros rodoviários para compreender completamente a importância de todo o setor.

Autoestrada em construção -Engenharia rodoviária

Autoestrada em construção

Quem são e o que fazem os engenheiros rodoviários?

Os engenheiros rodoviários são profissionais altamente especializados que lideram os processos de design e construção de estradas e autoestradas e lidam com todos os aspectos relacionados à manutenção dessas infraestruturas, incluindo faixas de tráfego, pontes, túneis, galerias, passagens subterrâneas, viadutos, rampas de entrada e saída, áreas de descanso, barreiras de segurança, sistemas de iluminação, etc.

O papel dos engenheiros rodoviários é essencial porque garante a segurança e a eficiência das redes de transporte que utilizamos diariamente. As principais tarefas e responsabilidades desses profissionais incluem:

  • a análise de viabilidade: os engenheiros rodoviários lidam com o design de todas as estruturas que compõem uma autoestrada. Geralmente, esse processo começa com um estudo preliminar para determinar a viabilidade do projeto, no qual os engenheiros rodoviários analisam os dados existentes para prever os fluxos de tráfego futuros, coletam dados topográficos da área em questão, identificam rotas alternativas e avaliam o impacto ambiental da intervenção.
  • O design da infraestrutura: após a análise preliminar, segue-se a fase de design propriamente dita, que visa definir a configuração geométrica, os materiais, as dimensões e os aspectos estruturais das várias componentes da infraestrutura.
  • A previsão de prazos e orçamento: os engenheiros rodoviários têm a responsabilidade de quantificar os prazos e custos necessários para a conclusão do projeto. Eles devem gerenciar o orçamento para garantir que os fundos sejam utilizados de forma eficiente, além de coordenar os recursos humanos e materiais para garantir que o projeto seja entregue no prazo e conforme as especificações pré-definidas.
  • A organização do canteiro de obras: após a conclusão da fase de design, os engenheiros rodoviários precisam desenvolver um plano detalhado que defina os objetivos e recursos necessários para concluir com sucesso a fase de construção. Eles devem elaborar um layout do canteiro de obras que ilustre graficamente a localização das estruturas temporárias, como escritórios, depósitos, áreas de armazenamento e pontos de acesso, permitindo um fluxo eficiente de materiais e equipamentos.
  • A gestão da segurança: os engenheiros rodoviários devem adotar medidas necessárias para garantir a segurança dos trabalhadores durante a fase de construção e dos usuários que utilizarão a infraestrutura após sua conclusão.
  • O planejamento da manutenção: uma vez construída e aberta ao tráfego, uma autoestrada requer manutenção contínua e minuciosa. Cabe aos engenheiros rodoviários planejar e supervisionar as atividades de manutenção para garantir um tráfego seguro e preservar a integridade da infraestrutura ao longo do tempo.
Atividades dos engenheiros rodoviários -Engenharia rodoviária

Atividades dos engenheiros rodoviários

Pontos de convergência entre engenharia rodoviária e engenharia de pontes

A engenharia rodoviária tem muitos pontos em comum com a engenharia de pontes, pois ambas as disciplinas se concentram no design de estruturas complexas e de grande porte, que têm o objetivo de conectar locais distantes e garantir a segurança e eficiência dos deslocamentos.

As pontes podem ser parte integrante de uma autoestrada e devem ser projetadas, juntamente com todas as outras estruturas, para garantir um fluxo de tráfego fluido e seguro. Além dessa conexão direta, os dois campos compartilham características adicionais.

Ambos exigem habilidades avançadas em design estrutural, bem como um conhecimento aprofundado de geologia e condições do solo.

Além disso, tanto o design de pontes quanto de autoestradas devem levar em consideração as necessidades de tráfego e a capacidade de carga das estruturas, para garantir que possam suportar cargas pesadas e resistir a forças naturais como vento, chuva e eventos extremos.

Mas os aspectos que mais aproximam a engenharia de pontes da engenharia rodoviária envolvem a inspeção e a manutenção. Essas infraestruturas precisam de monitoramento constante para permitir intervenções rápidas e direcionadas, além de exigirem manutenção contínua para garantir que todos os elementos permaneçam em boas condições de funcionamento.

O processo que engloba todas as atividades necessárias para garantir uma gestão e manutenção adequadas das infraestruturas existentes (incluindo as autoestradas) é chamado de Gerenciamento de Ativos de Infraestrutura.

Design e construção de autoestradas: o que mudou em relação ao passado

Gerenciar os aspectos mencionados, relacionados à construção e manutenção de uma autoestrada, não é uma operação simples.

No entanto, nos últimos anos, testemunhamos uma forte evolução, especialmente com a introdução do Building Information Modeling (BIM), dos Digital Twins e do Internet of Things (IoT). Essas são tecnologias inovadoras que podem simplificar o trabalho dos engenheiros rodoviários e contribuir para a construção de infraestruturas mais eficientes, seguras e sustentáveis.

O BIM, por exemplo, permite que os projetistas criem modelos virtuais 3D que representam toda a infraestrutura rodoviária e oferecem uma visão completa e interconectada do projeto. Esses modelos facilitam a colaboração com as partes interessadas e promovem um design mais preciso e eficiente.

A integração entre Digital Twin e IoT é outra ferramenta poderosa na engenharia rodoviária, pois permite representar virtualmente a infraestrutura física e interagir com ela em tempo real. Os sensores distribuídos ao longo das vias de circulação permitem aos engenheiros rodoviários monitorar constantemente as condições de suas estruturas e usar os dados coletados para resolver problemas rapidamente, melhorar a segurança e planejar ações de manutenção preventiva.

Se você trabalha no campo da engenharia rodoviária e deseja aprimorar seus processos por meio da adoção dessas tecnologias, sugiro experimentar imediatamente:

  • um sistema de Refactoring & Merge para arquivos IFC, uma ferramenta que ajuda a lidar com a complexidade associada à extensão territorial das suas obras rodoviárias, permitindo a federação em um único modelo BIM de vários arquivos IFC, inclusive de grande porte;
  • um software de monitoramento da saúde estrutural, isto é, um sistema que permite coletar dados em tempo real sobre o comportamento das suas estruturas por meio do uso de sensores IoT e visualizá-los diretamente no modelo BIM para facilitar a resolução de problemas e garantir intervenções rápidas em caso de anomalias;
  • um software para gerenciamento de ativos de infraestrutura, um sistema que possibilita georreferenciar seus ativos e planejar, monitorar e gerenciar todas as atividades relacionadas à manutenção das suas infraestruturas rodoviárias a partir de uma única plataforma centralizada, facilitando a comunicação com as partes interessadas.

 

usbim
usbim