Home » BIM e Projeto de construção » IA na conservação arquitetônica: 4 aplicações de uso

IA na conservação arquitetônica: 4 aplicações de uso

A aplicação da IA na conservação arquitetônica ajuda a preservar o patrimônio cultural. Descubra 4 casos de uso interessantes!

A inteligência artificial (IA) está se tornando cada vez mais indispensável na recuperação, restauro e conservação do patrimonio edificado existente, oferecendo estratégias inovadoras para avaliação de degradação, gerenciamento de riscos e outras aplicações que descobriremos juntos neste artigo.

Antes de se aprofundar no assunto, você precisa saber que a IA na conservação arquitetônica pode ser implementada de forma eficaz nesse contexto apenas a partir de um modelo Heritagem BIM.

Isso é uma representação digital 3D da obra, extremamente rica em informações, que visa reproduzir fielmente as características do edifício em termos de geometria, materiais, arquitetura, física e assim por diante.

Realizar o modelo HBIM de um edifício de interesse histórico é realmente muito simples, basta usar a ferramenta certa!

Nosso conselho é confiar em um software de modelagem 3D para a recuperação de edifícios históricos poderoso e profissional, mas, ao mesmo tempo, fácil e intuitivo. Assim, você pode modelar uma estrutura em apenas alguns passos a partir de um levantamento com uma nuvem de pontos ou de desenhos em qualquer formato (DXF, DWG, etc.).

 

A imagem ilustra um modelo-HBIM-realizado-com-Edificius - IA na conservação arquitetônica

Modelo HBIM realizado com Edificius

O que é conservação arquitetônica

A conservação arquitetônica refere-se ao processo de proteção do patrimônio cultural tangível e, em particular, dos edifícios e construções do passado, com o objetivo de preservar suas evidências históricas e transmitir seu valor às gerações futuras.

A prática da conservação pode ser bastante controversa, pois existem duas escolas de pensamento diferentes:

  • aqueles que pensam em preservar integralmente o material original e as características arquitetônicas de uma obra;
  • aqueles que argumentam que as intervenções de conservação não devem ser muito restritivas.

Em geral, a conservação do património cultural pode ser assegurada através de uma atividade coerente, coordenada e planeada de estudo, prevenção, manutenção e restauro, que tem por objetivo:

  • limitar as situações de risco ligadas ao bem cultural no seu contexto;
  • verificar e manter a identidade, as condições físicas e a eficiência funcional do bem e de todas as suas partes ao longo do tempo;
  • recuperar, quando necessário, a integridade material e os valores culturais do próprio bem.

Para alcançar com sucesso os objetivos da conservação arquitetônica, a solução vencedora pode se obter ajuda de ferramentas e tecnologias inovadoras, baseadas na integração entre Inteligência Artificial e HBIM.

O que é Inteligência Artificial

A inteligência artificial (IA) representa a capacidade de uma máquina ou sistema de computador de imitar as funções cognitivas e comportamentais típicas de um ser humano, como raciocínio, aprendizado, planejamento e criatividade.

Os sistemas dotados de inteligência artificial são capazes, por exemplo, de se relacionar com o meio envolvente, interpretar a realidade percebida, resolver problemas de natureza complexa e atuar no sentido da concretização de um objetivo específico.

Exemplos comuns de sistemas inteligentes, com os quais interagimos diariamente, incluem assistentes virtuais, buscadores, tradutores, navegadores e assim por diante.

A IA também pode ser incorporada a sistemas mais sofisticados, como robôs, dispositivos IoT, drones e veículos autônomos, que têm a capacidade de substituir o ser humano na realização de atividades chatas e repetitivas, ou particularmente complexas, arriscadas ou perigosas.

A tecnologia IA já está trazendo muitos benefícios em diferentes setores, incluindo a engenharia civil, onde é usada para melhorar os processos de projeto, construção e gerenciamento de obras de AECO (saiba mais lendo o artigo sobre IA na engenharia civil).

Abaixo, descobriremos as possíveis aplicações da IA no campo da arquitetura, restauração e conservação.

Como a IA afetará a conservação arquitetônica

A introdução da IA na conservação arquitetônica está abrindo gradualmente caminho a novas e encorajadoras formas de conhecimento, proteção e valorização do patrimonio edificado existente.

Prova disso são os inúmeros projetos de pesquisa lançados recentemente para o desenvolvimento de metodologias inovadoras voltadas para a conservação do patrimônio cultural, que envolvem a combinação de técnicas de inteligência artificial (como aprendizado de máquina e visão computacional) com soluções tecnológicas como drones, robôs, scanners 3D, etc.

A implementação da IA pode ser direcionada para atingir vários objetivos. Entre os casos de uso mais importantes e promissores para o futuro certamente encontramos as seguintes aplicações:

  • levantamento e mapeamento de pontos inacessíveis: drones equipados com sensores inteligentes permitem alcançar as partes mais inacessíveis de um edifício e realizar tomadas aéreas e aquisições de nuvens de pontos 3D, a serem importadas para o software de modelagem para a construção de modelos HBIM. A inteligência artificial também permite que alguns sistemas analisem os dados e as imagens recolhidas para avaliar o estado de degradação do bem e identificar automaticamente as áreas que necessitam de intervenção ou restauro.
  • Diagnóstico e monitoramento: a partir de um modelo HBIM é possível desenvolver um sistema inteligente capaz de comunicar com o edifício em tempo real, com o objetivo de monitorizar o estado de saúde do edifício e propor soluções adequadas à sua correta gestão e conservação. Os sensores inteligentes posicionados em pontos estratégicos do edifício permitem manter sob controle todos os parâmetros significativos (físicos, estruturais, ambientais, funcionais, etc.) e implementar estratégias de intervenção orientadas para a resolução de problemas específicos;
  • Recomposição de artefatos fragmentados: a tecnologia IA pode ser explorada para a reconstrução de artefatos antigos, graças ao uso de robôs inteligentes capazes de processar, combinar e montar fisicamente, de forma autônoma e em pouco tempo, artefatos fragmentados que são difíceis de serem remontados por um ser humano. Recentemente, foi realizado um experimento no Parque Arqueológico de Pompéia, no qual foi desenvolvida uma infraestrutura robótica combinada com tecnologias de digitalização 3D e técnicas de aprendizado de máquina e visão computacional, visando a restauração e recomposição dos afrescos do teto da Casa dei Pittori al Lavoro e da Schola Armaturarum.
  • Conservação preventiva: a inteligência artificial permite desenvolver modelos preditivos capazes de identificar fatores de risco e vulnerabilidade para edifícios de interesse histórico (mas também para construções mais recentes), com base em estudos multicenários que avaliam os riscos ambientais, as alterações climáticas, o nível de uso dos edifícios, os aspectos estruturais, e assim por diante. Estes modelos permitem melhorar os processos de tomada de decisão e minimizar a perda de bens de interesse histórico e artístico. Com efeito, o seu objetivo é gerir os riscos, a vulnerabilidade e a vida funcional dos edifícios, contribuindo para a conservação do património cultural construído e ajudando as partes interessadas a tomar decisões mais informadas.

Se trabalha na área da conservação arquitetônica e procura uma ferramenta simples e intuitiva para construir a maquete digital do seu edifício, conte com um software de modelagem 3D para a recuperação de edifícios históricos. Com esta poderosa ferramenta, você pode modelar a construção diretamente da nuvem de pontos 3D ou de desenhos em qualquer formato, obtendo uma representação realista e confiável do estado real da estrutura.

 

edificius
edificius