Home » BIM e facility management » Manutenção Run To Failure: o que é e quando executá-la

Manutenção Run To Failure: o que é e quando executá-la

A manutenção Run To Failure (RTF) é uma estratégia de manutenção que prevê intervenções planejadas após a ocorrência de falhas. Conheça mais!


Planejar e implementar a gestão e manutenção de instalações, edifícios, infraestruturas ou qualquer outro ativo pode ser um trabalho longo e complicado. Felizmente, existem para nos ajudar software de gestão de manutenção que simplificam a gestão de ativos independentemente do tipo de manutenção que decidamos adotar para o bem. Neste artigo veremos um tipo de manutenção de falha: a manutenção Run To Failure.

O que é a manutenção Run To Failure?

A manutenção Run To Failure, indicado pela sigla RTF, é aquela estratégia de manutenção corretiva planejada que atua intervindo em falhas já ocorridas. Uma abordagem de manutenção deste tipo usa recursos ao longo de sua vida útil, substituindo-os ou reparando-os apenas quando apresentam uma falha e/ou pararam de funcionar minimizando os custos totais de manutenção.

No entanto, a aplicação desta estratégia de manutenção exige alguns cuidados como:

  • conhecer os métodos de intervenção e reparação/substituição;
  • possuir equipamentos e peças de reposição disponíveis;
  • ter pessoal de manutenção;

É importante que essas medidas sejam tomadas antes da ocorrência da falha, a fim de reduzir ao mínimo os tempos de intervenção e evitar maiores danos ou mau funcionamento.

Qual é a diferença entre a manutenção Run To Failure e a manutenção reativa?

A manutenção Run To Failure e a manutenção reativa são formas de manutenção de avarias, no entanto, a diferença está no planejamento ou não da intervenção de manutenção e na criticidade da falha, nomeadamente:

  • a Run To Failure é uma estratégia corretiva planejada e projetada para minimizar os custos totais de manutenção. Isso implica num planejamento de ação corretiva a ser realizada após a falha. Este tipo de manutenção é praticável em ativos não críticos que não afetam nem a produtividade nem a segurança da organização.
  • Manutenção reativa é uma estratégia de manutenção não planejada que é executada quando um ativo falha repentinamente fazendo com que ele pare e precise ser reparado para não afetar a produtividade ou a segurança da organização.

Qual é um exemplo de manutenção Run To Failure?

Um exemplo de manutenção Run To Failure é aquela que diz respeito à substituição de partes de um ativo cuja falha, e portanto cuja solução de continuidade na operação, não cause outras falhas ao restante do recurso ou não gere desserviços aos usuários.

A troca de uma lâmpada, por exemplo, pode facilmente fazer parte de um plano de manutenção Run To Failure. Isso ocorre porque no momento em que uma lâmpada para de funcionar:

  • certamente haverá outras lâmpadas para iluminar a sala;
  • ter um estoque de lâmpadas de reposição é fácil e não envolve investimentos excessivos;
  • a falha de funcionamento por um curto período de tempo não representa um risco para a segurança do usuário.

Lembre-se que nem sempre existe uma única estratégia de manutenção adequada para um único ativo, mas é possível combinar vários tipos de manutenção com base nos recursos. É provável, portanto, que dentro do plano de manutenção, a manutenção Run To Failure seja aplicada a todos os recursos, ou partes deles, cujo não funcionamento não representa nenhum risco de segurança. Além disso pode ser reparado mais tarde aproveitando ao máximo o próprio recurso e economizando assim nos custos totais de intervenção.

A imagem ilustra um exemplo de fluxo de trabalho da run to failure

Fluxo de trabalho da Run To Failure

Quando e por que essa manutenção é útil?

A manutenção Run To Failure é útil quando a aplicação de outro tipo de manutenção é mais cara do que a substituição do próprio ativo. O exemplo da lâmpada dada acima é adequado: é mais barato, tanto economicamente como em termos de lógica de intervenção, interceder em uma lâmpada queimada do que mudá-la, como medida preventiva, quando ela ainda está funcionando.

Se, portanto, a falha tiver um impacto mínimo no desempenho geral do ativo, uma abordagem de execução até a falha é preferível a uma manutenção preventiva.

Em geral, a manutenção Run To Failure é adequada para:

  • recursos com uma vida útil curta que podem ser simplesmente substituídos no final do seu ciclo de vida;
  • bens que pela sua natureza são definidos como “descartáveis”;
  • bens, e/ou partes dos mesmos, duráveis e associados a baixo risco de avaria;
  • ativos não críticos cuja falha não afeta o uso do restante do ativo;
  • recursos sobre os quais é difícil aplicar outro tipo de manutenção.

Como implementar a manutenção Run To Failure em seu plano de manutenção?

Para implementar com sucesso este tipo de manutenção, alguns cuidados serão suficientes, incluindo:

  • um bom estoque e disponibilidade de peças de reposição a fim de remediar rapidamente a falha, substituindo integralmente ou em parte;
  • a equipe treinada e disponível interfere rapidamente para evitar maiores danos,
  • o planejamento de manutenção através do apoio de determinados software de gestão de manutenção que ajudam a planejar atividades, gerenciar ordens de serviço e tickets de forma integrada, a fim de otimizar o uso de recursos e reduzir interferências.

Quais são os benefícios dessa manutenção?

Este tipo particular de manutenção só deve ser aplicado depois de um estudo cuidadoso dos riscos associados à falha de várias partes do ativo, a fim de evitar danos mais graves. Apesar disso, quando aplicável, executar a manutenção Run To Failure tem algumas vantagens a ter em conta:

  1. planejamento mínimo: agindo depois que a falha já ocorreu, não é necessário planejar as intervenções de antemão, mas intervirá somente posteriormente em relação ao dano.
  2. Facilidade de implementação: a execução de intervenções de avaria, com peças e pessoal disponíveis, é fácil e intuitiva.
  3. Baixo custo de manutenção:- a utilização de recursos até o final de sua vida útil pode reduzir o tempo de inatividade e evitar a intervenção em peças ainda funcionais. No entanto, isso se aplica apenas a ativos que são rápidos e fáceis de substituir e, especialmente, a partes de ativos considerados “não críticos”.
A imagem ilustra um exemplo de vantagem da run to failure

Vantagem da Run To Failure

Isso é entre as fases mais delicadas de todo o ciclo de vida de um bem e, embora existam diversos tipos de manutenção aplicáveis, é imprescindível o uso de ferramentas específicas.

Por esta razão recomendamos que use um software de gestão de manutenção que ajudará você no planejamento, gerenciamento e rastreamento das atividades de manutenção para obter uma redução nos tempos e custos de manutenção.

 

usbim-maint
usbim-maint