Home » BIM e educação/formação » Plano de gerenciamento de riscos na construção civil: gerir riscos para planejar o sucesso

Plano de gerenciamento de riscos na construção civil: gerir riscos para planejar o sucesso

Descubra a importância do plano de gerenciamento de riscos na construção civil para garantir a segurança e o sucesso do projeto


O setor da construção civil é um campo dinâmico e desafiador, caracterizado por desafios únicos que podem influenciar o sucesso dos projetos. A gestão eficaz dos riscos é um desses desafios.

Cada projeto de construção está intrinsecamente sujeito a múltiplas variáveis e incertezas, desde as condições do local até a disponibilidade de materiais, desde a conformidade com os regulamentos até a gestão de recursos humanos. Sem uma gestão de riscos adequada, essas incertezas podem facilmente se transformar em obstáculos inesperados que prejudicam o sucesso do projeto e afetam negativamente a reputação da empresa.

Para garantir a segurança, eficácia e sucesso de um projeto, é fundamental ter um plano de gerenciamento de riscos sólido e bem estruturado. Neste artigo, exploraremos detalhadamente o plano de gerenciamento de riscos na construção civil. Vamos nos concentrar nos passos-chave e nas melhores práticas a serem seguidas para garantir o máximo resultado. Da avaliação de riscos à implementação de um plano detalhado, descobriremos como enfrentar os desafios de forma proativa e garantir o sucesso dos projetos de construção.

A gestão de riscos na construção civil

A gestão de riscos no setor da construção civil é um processo metodológico e estratégico que visa identificar, avaliar e mitigar os riscos que podem influenciar o sucesso de um projeto.
Em um ambiente caracterizado por uma complexa rede de interesses e variáveis, é essencial compreender os princípios fundamentais da gestão de riscos para garantir que os projetos de construção sejam concluídos com sucesso e segurança.

A análise e o reconhecimento de riscos requerem uma abordagem que envolve todas as partes interessadas, desde as figuras gerenciais até os trabalhadores no campo.

É importante destacar como os riscos podem variar significativamente de projeto para projeto, com base em fatores como o tamanho do canteiro, a complexidade das atividades realizadas e o ambiente circundante. Portanto, é crucial conduzir uma avaliação detalhada e personalizada para cada projeto, levando em consideração todas as variáveis específicas.

Em um ambiente complexo como o da construção civil, a implementação de um plano de gerenciamento de riscos na construção, ou plano de gerenciamento de riscos, é fundamental para evitar problemas potenciais que possam surgir ao longo do processo de construção. Este plano representa o mapa estratégico que identifica, analisa e aborda os riscos específicos relacionados ao projeto de construção.

A importância de um plano de gerenciamento de riscos na construção civil

Um plano de gerenciamento de riscos no setor da construção civil é fundamental para garantir o sucesso e a segurança dos projetos e é um elemento-chave para enfrentar de forma eficaz os desafios e riscos associados a este setor dinâmico e complexo.
Atua como uma bússola para orientar todo o processo de gerenciamento de riscos dentro de um projeto de construção. Ele fornece uma estrutura clara e detalhada sobre como identificar, avaliar e mitigar os riscos específicos que podem afetar o projeto, permitindo assim que as partes interessadas tomem decisões informadas e proativas.

Os benefícios da definição deste plano são numerosos. Primeiro, ajuda a garantir um ambiente de trabalho mais seguro para todos os trabalhadores envolvidos no projeto, reduzindo o risco de acidentes e lesões no local de trabalho. Em segundo lugar, ajuda a evitar atrasos e custos adicionais, fornecendo orientações claras sobre como lidar com os riscos de forma oportuna e eficaz.

Dada a importância da redação de um plano de gerenciamento de riscos, vamos ver juntos quais são as fases para a criação do plano de gestão de riscos.

Plano de gerenciamento de riscos na construção civil | usBIM.resolver

Plano de gerenciamento de riscos na construção civil | usBIM.resolver

Como criar um plano de gerenciamento de riscos no setor da construção civil?

Em um ambiente complexo como o da construção civil, a implementação de um plano de gerenciamento de riscos na construção, ou plano de gerenciamento de riscos, é fundamental para evitar problemas potenciais que possam surgir ao longo do processo de construção.
Para desenvolver corretamente este plano, é necessário seguir 3 passos fundamentais: identificação de riscos, avaliação de riscos e mitigação de riscos. Vamos explorá-los abaixo.

Fase 1: identificação de riscos

A identificação de riscos é o ponto de partida crucial na criação de um plano de gerenciamento de riscos eficaz no setor da construção civil. Esta fase envolve uma abordagem proativa para identificar todas as possíveis fontes de incerteza e risco que podem afetar o sucesso do projeto.

Existem vários riscos possíveis na construção civil, podemos citar como exemplos:

  • atrasos na entrega de materiais: problemas relacionados à logística dos materiais podem causar atrasos significativos no progresso do projeto, influenciando os prazos de conclusão e os custos;
  • problemas de conformidade regulatória: violações das regulamentações locais, regionais e nacionais podem resultar em multas, atrasos ou até mesmo na suspensão do projeto;
  • variações nos custos: flutuações nos preços dos materiais, mudanças nos requisitos de projeto ou imprevistos no canteiro de obras podem levar a variações nos custos do projeto, colocando em risco o orçamento previsto.

É importante destacar que os riscos podem variar de projeto para projeto. Portanto, é crucial analisar cuidadosamente o contexto específico em que o projeto será realizado, já na fase de planejamento do projeto, para identificar riscos potenciais específicos.
A identificação de riscos pode ser realizada através de:

  • sessões de brainstorming que envolvem a equipe do projeto (arquitetos, engenheiros, gerentes de projeto, etc.). Durante essas sessões, os participantes compartilham suas experiências e perspectivas para identificar uma ampla gama de riscos potenciais. O objetivo é promover uma discussão aberta e criativa que revele também riscos menos óbvios, mas igualmente significativos;
  • análise de experiências passadas: a análise de experiências passadas é outro método eficaz para identificar riscos no setor da construção civil. Examinando projetos anteriores, é possível identificar os pontos críticos típicos que causaram problemas ou atrasos. Isso permite que a equipe aprenda com os erros do passado e adote medidas preventivas para mitigar riscos semelhantes em projetos futuros.

Fase 2: avaliação de riscos para trabalhos de construção

Uma vez identificados os riscos, é essencial avaliá-los com precisão. Este passo envolve a definição de riscos no setor da construção através da atribuição de probabilidades e impactos. Avaliar os riscos permite priorizá-los com base em sua gravidade e probabilidade de ocorrência, concentrando os recursos onde são mais necessários. Alguns dos riscos mais comuns podem ser:

  • atrasos na entrega de materiais;
  • condições meteorológicas adversas;
  • segurança do canteiro de obras;
  • variações no preço dos materiais;
  • e outros.

No último caso, por exemplo, devemos proceder da seguinte forma:

  • identificação do risco: reconhece-se que os preços dos materiais de construção podem flutuar durante o período de construção;
  • probabilidade: estima-se que haja uma probabilidade moderada de variações no preço dos materiais, influenciada por fatores como a demanda de mercado e a oferta de matérias-primas;
  • impacto: compreende-se que as variações nos preços dos materiais podem aumentar os custos totais do projeto e afetar o orçamento previsto;
  • cálculo do risco: multiplica-se a probabilidade de variações no preço dos materiais (por exemplo, 3 em 5) pela magnitude do impacto (por exemplo, 3 em 5), obtendo um valor de risco de 9;
  • estratégias de mitigação: podem ser desenvolvidas estratégias, como a celebração de contratos com cláusulas que tratam das variações no preço dos materiais, monitoramento regular dos mercados de matérias-primas e busca de fontes alternativas de suprimento.

Fase 3: mitigação de riscos

Uma vez avaliados os riscos no contexto do projeto de construção, é fundamental desenvolver e implementar estratégias eficazes para mitigá-los. A mitigação de riscos é um processo que visa reduzir a probabilidade de ocorrência ou o impacto dos riscos identificados, a fim de proteger o sucesso do projeto e os interesses da empresa.

A implementação de procedimentos de segurança, como treinamento de pessoal, uso de equipamentos de proteção individual, vigilância contínua e adesão rigorosa às regulamentações de segurança, pode contribuir significativamente para mitigar os riscos relacionados à saúde e segurança no canteiro de obras.

Exemplo de um plano de gerenciamento de riscos na construção civil: os componentes fundamentais

Com os riscos identificados e avaliados, é hora de criar um plano de gerenciamento de riscos na construção civil detalhado. Este plano deve incluir:

  • estratégias específicas para lidar com cada risco;
  • ações preventivas a serem tomadas;
  • medidas corretivas caso ocorram problemas.

Aqui estão alguns exemplos de componentes que podem ser incluídos em um plano de gerenciamento de riscos na construção civil:

  • introdução e contexto:
    • descrição do projeto de construção;
    • contexto e motivações para a criação do plano de gerenciamento de riscos;
  • identificação de riscos:
    • lista detalhada dos riscos potenciais relacionados ao projeto;
    • descrição de cada risco e suas possíveis causas;
  • avaliação de riscos:
    • avaliação da probabilidade e magnitude do impacto de cada risco;
    • cálculo do valor do risco para cada risco;
  • análise de causas e efeitos:
    • análise aprofundada das causas subjacentes de cada risco;
    • descrição dos efeitos colaterais e consequências se um risco se materializar;
  • estratégias de mitigação:
    • descrição detalhada das estratégias específicas para cada risco;
    • planos de ação com etapas-chave para implementar as estratégias de mitigação;
  • planejamento e cronograma:
    • planejamento dos prazos para a implementação das estratégias de mitigação;
    • indicação dos responsáveis por cada ação;
  • monitoramento e controle:
    • indicação dos KPIs para avaliar a eficácia das estratégias de mitigação;
    • frequência e método de monitoramento dos riscos ao longo do projeto;
  • comunicação e envolvimento:
    • indicação de como a comunicação entre as partes interessadas sobre os riscos e estratégias de mitigação será gerenciada;
  • planos de contingência:
    • planejamento de ações a serem tomadas caso um risco ocorra apesar das estratégias de mitigação;
  • responsabilidades e papéis:
    • atribuição de tarefas e responsabilidades aos membros da equipe para implementar as estratégias de mitigação;
  • recursos necessários:
    • indicação dos recursos financeiros, humanos e materiais necessários para implementar o plano;
  • revisão e atualização:
    • indicação dos momentos em que o plano será revisado e atualizado, por exemplo, com base em eventos significativos ou mudanças nas circunstâncias.

Lembre-se de que cada plano de gerenciamento de riscos deve ser personalizado de acordo com o projeto específico e as necessidades das partes interessadas.

Tecnologias e ferramentas inovadoras para uma melhor gestão de riscos na construção

O uso de tecnologias e ferramentas inovadoras representa um avanço significativo nas estratégias de avaliação e gerenciamento de riscos.
Existem softwares BIM para gestão de riscos na construção que permitem aos profissionais do setor criar modelos 3D detalhados e precisos dos projetos de construção. Esses modelos não apenas fornecem uma representação visual realista dos locais de construção, mas também integram informações detalhadas sobre materiais, recursos e atividades planejadas.

Ao integrar a RV, é possível mergulhar completamente no modelo 3D do local de construção e experimentar as condições do canteiro de obras de forma totalmente imersiva. Isso permite que os operadores avaliem os riscos de forma mais detalhada e realista, identificando problemas potenciais.

Essas simulações também podem ser usadas para treinamento e formação de trabalhadores no local. Através do modelo 3D do canteiro de obras e da realidade virtual imersiva, é possível antecipar a situação que pode ocorrer no local em um determinado momento, com evidentes benefícios em termos de prevenção de riscos.

A elaboração e implementação do plano de gerenciamento de riscos pode ser apoiada por específico construction management software. Nesse processo, é fundamental monitorar constantemente a evolução do projeto e os riscos potenciais que possam surgir, e o uso dessa ferramenta permite identificar rapidamente quaisquer desvios do plano e fazer as correções necessárias para manter o projeto na trajetória correta!

usbim-resolver
usbim-resolver