Home » BIM e eficiência energética » Pontes térmicas em telhados: o que você precisa saber e como resolver

Pontes térmicas em telhados

Pontes térmicas em telhados: o que você precisa saber e como resolver

Guia completo sobre pontes térmicas em telhados inclinados e coberturas planas: causas, problemas, estratégias de isolamento e benefícios derivados do correto planejamento


O design de pontes térmicas é crucial na construção e requer atenção especial, pois dele depende o conforto habitacional, a eficiência energética e a saúde dos ocupantes. No contexto específico do telhado, as pontes térmicas podem gerar perda de calor, formação de mofo e condensação, com impactos significativos na estrutura e no bem-estar dos habitantes.

Este artigo tem como objetivo explorar em profundidade todos os aspectos relacionados às pontes térmicas em telhados inclinados e coberturas planas. Um vídeo também mostrará como lidar facilmente com o problema usando um software de cálculo de pontes térmicas específico, com solucionador FEM integrado, assistente para casos padrão e importação de esquemas DXF/DWG.

Gráfico da ponte térmica no telhado e no piso intermediário

Gráfico da ponte térmica no telhado e no piso intermediário

Causas das pontes térmicas em telhados

Compreender completamente as causas das pontes térmicas em telhados é essencial para lidar eficazmente com esse problema. Uma ponte térmica, definida como uma área localizada do invólucro da construção com resistência térmica inferior à parte restante sem pontes térmicas, representa o ponto focal das perdas de fluxo térmico entre o ambiente interno e externo de um edifício.
As diferentes incoerências que contribuem para a formação de pontes térmicas incluem:

  1. Incoerência geométrica do invólucro da construção
    Os nós parede-piso, parede-pilar e parede-esquadria representam pontos críticos onde podem ocorrer incoerências geométricas. Essas áreas, se não tratadas corretamente, podem se tornar verdadeiras “brechas” na barreira térmica do edifício.
  2. Variações na espessura do invólucro
    Elementos como vãos, espaços técnicos e chaminés podem causar variações na espessura do invólucro. Essas descontinuidades podem interromper a coesão do isolamento térmico, facilitando a perda de calor por essas áreas.
  3. Incoerência material
    A presença de materiais diferentes ou a transição de um material para outro pode contribuir para a formação de pontes térmicas. Essa incoerência material pode alterar a capacidade isolante do invólucro, criando pontos vulneráveis.
  4. Fenômenos específicos do edifício
    Outros fatores específicos do edifício, como a presença de pontes estruturais ou soluções de design não ideais, também podem contribuir para as pontes térmicas.

Problemas decorrentes das pontes térmicas em telhados

Já mencionamos que as pontes térmicas em telhados podem causar problemas significativos tanto para o conforto habitacional quanto para a eficiência energética do edifício. Vamos entrar em mais detalhes.

Impactos na perda de calor

A perda de calor resultante das pontes térmicas em telhados é responsável por consideráveis perdas de energia. Esse fenômeno compromete a eficiência geral do isolamento térmico do edifício, afetando o conforto térmico dos ocupantes e aumentando o consumo de energia.

Mofo e condensação

A formação de mofo e condensação é um risco tangível associado às pontes térmicas em telhados. Esse fenômeno ocorre quando as áreas afetadas por pontes térmicas se tornam mais frias do que o restante do edifício, criando um ambiente favorável à condensação da umidade presente no ar. Essa condição, além de comprometer a integridade estrutural do telhado, representa uma ameaça à saúde dos ocupantes.
As pontes térmicas em telhados podem comprometer a qualidade do ar interno, aumentando o risco de doenças respiratórias e alergias.

Verificação de mofo

Verificação de mofo

Pontes térmicas atacando a cobertura

Nos pisos intermediários e nas áreas de conexão com a cobertura, a continuidade estrutural entre o plano horizontal ou inclinado e o vertical pode gerar, como mencionado anteriormente, pontes térmicas, especialmente ao considerar coberturas planas. A conexão entre a parede e a cobertura pode ser influenciada pela estrutura da própria cobertura, com elementos como platibandas, linhas de beiral ou parapeitos verticais que podem interromper a continuidade geométrica.
Se a parede se estende além do piso da cobertura, com um parapeito ou outro elemento vertical, pode interromper a continuidade da camada isolante. Nesse caso, é essencial gerenciar cuidadosamente a conexão entre o parapeito e a camada isolante, prestando atenção às dimensões e aos materiais envolvidos.

No contexto de uma cobertura inclinada, a formação de pontes térmicas exige uma consideração cuidadosa da geometria diferente resultante da conexão entre a parte inclinada e a parede vertical. Isso é especialmente relevante ao considerar elementos de conexão como vigas, especialmente em casos de pisos de madeira.

Alternativamente, a cobertura pode adotar uma configuração de “cobertura ventilada”, com a parte superior voltada para fora do telhado e separada da parte inferior por uma camada de ar. Essa configuração, embora favoreça uma ventilação adequada, pode introduzir pontos críticos em termos de isolamento térmico.

Elementos como platibandas, prateleiras ou soluções arquitetônicas nas conexões entre coberturas inclinadas e paredes podem se projetar além do perfil da cobertura, gerando potenciais interrupções na continuidade da camada isolante e se tornando fontes de perda térmica se não forem projetados e executados com cuidado. Portanto, é fundamental adotar abordagens de design que garantam a continuidade da camada isolante, minimizando o impacto das pontes térmicas e garantindo desempenho térmico ideal em todo o sistema de cobertura inclinada.

Quais são os benefícios do isolamento do telhado

O isolamento do telhado representa uma solução eficaz para melhorar o desempenho energético de um edifício. Uma técnica amplamente adotada é a isolamento interno do telhado, que envolve a aplicação de materiais específicos para bloquear a passagem de calor em ambas as estações. Uma das técnicas mais comuns é o uso de painéis isolantes, embora seja importante notar que essa prática pode ser considerada invasiva esteticamente.

O insuflamento como técnica não invasiva

O insuflamento está se tornando uma alternativa conveniente e ecológica. Essa prática, sem intervenções invasivas, preserva a estética do edifício. Materiais isolantes como fibra de celulose e lã de vidro são frequentemente usados nessa metodologia, garantindo baixo impacto ambiental e contenção das perdas térmicas através do telhado.
A possibilidade de realizar o insuflamento diretamente de cima, mantendo o telhado existente, oferece uma vantagem prática com tempos e custos reduzidos em comparação com as soluções tradicionais. Esse enfoque é particularmente conveniente quando há acesso a um espaço livre, como no caso de trabalhos de manutenção na cobertura.

Materiais para eliminação de pontes térmicas em telhados

Os materiais isolantes comumente usados para isolamento e, portanto, eliminação de pontes térmicas, incluem:

  1. fibra de celulose: biodegradável e ecológica, oferece resistência ao calor e redução de resíduos;
  2. lã de vidro: amplamente usada por suas excelentes propriedades isolantes, resistência ao fogo e facilidade de instalação;
  3. espuma de poliuretano: isolante de células fechadas que adere sem juntas, eficaz no preenchimento de espaços vazios;
  4. poliestireno expandido (EPS): leve, resistente, moldável, adequado para várias formas de telhado e impermeável à água.
Composição de uma estratigrafia

Composição de uma estratigrafia

Erros comuns no isolamento do telhado

É importante estar ciente dos erros comuns que podem comprometer a eficácia dos trabalhos:

  1. Usar materiais inadequados:  a escolha de materiais isolantes é fundamental. Optar por soluções baratas ou de baixa qualidade pode reduzir a eficácia do isolamento térmico. Consultar profissionais do setor para fazer a escolha mais adequada e funcional para cada necessidade específica.
  2. Ignorar a ventilação: uma ventilação adequada é fundamental para prevenir a formação de condensação e mofo. Certificar-se de ter um sistema adequado que permita a circulação adequada do ar sob o telhado é crucial para o resultado final e contribuirá para manter o ambiente saudável.
  3. Não prestar atenção às fugas e rachaduras: mesmo as fissuras mais pequenas no telhado podem comprometer a eficácia do isolamento térmico. Realizar uma verificação cuidadosa do telhado, procurando por possíveis pontos fracos e repará-los antes de prosseguir com a instalação é um ponto essencial a favor do sucesso dos trabalhos.
  4. Ignorar a importância de uma instalação correta: mesmo se forem utilizados materiais de qualidade, a instalação inadequada do isolamento pode reduzir sua eficácia. Confiar em profissionais do setor para obter uma instalação correta é fundamental.

Portanto, seguindo cuidadosamente estas diretrizes e prestando atenção aos erros a serem evitados, é possível obter um isolamento ideal do telhado por dentro, garantindo um ambiente confortável em casa, reduzindo os custos energéticos e prevenindo problemas relacionados à umidade e à formação de mofo.

Como desenhar e calcular pontes térmicas nos telhados considerando as condições reais

No vídeo a seguir, você pode ver como um software de cálculo de pontes térmicas permite que você desenhe estruturas idênticas às condições reais e obtenha resultados altamente profissionais com um solucionador de cálculo para análise de elementos finitos.

 

 

termus-bridge
termus-bridge