Home » BIM e Arquitetura » Projeto de iluminação de jardim

Projeto de iluminação de jardim

Projeto de iluminação de jardim

Técnicas e dicas para valorizar áreas verdes e elementos arquitetônicos. Como projetar espaços seguros e funcionais com o projeto de iluminação de jardim


Na arquitetura, a luz é conforto, segurança e funcionalidade. Quando pensada com sabedoria, adiciona um toque extra ao projeto, enfatizando formas e texturas de maneira sugestiva e impactante. Vejamos então como estudar da melhor forma o projeto de iluminação de um jardim e obter um bom resultado com soluções inovadoras, de baixo impacto ambiental, criativas e funcionais, que tornam o espaço atraente e utilizável também durante a noite. Apresento muitas dicas úteis e exemplos a seguir, realizados com um software de design de jardins. Leia este artigo e tente você mesmo criar o modelo do jardim em 3D completo com iluminação e produzir renderizações fotorrealistas ou vídeos em tempo real do modelo para experimentar todos os efeitos de luzes e sombras que podem realçar suas escolhas de projeto.

Projeto de iluminação de jardim - Render feito com Edificius

Projeto de iluminação de jardim – Render feito com Edificius

Como iluminar um jardim

A iluminação do jardim não se trata apenas de visibilidade noturna: é uma arte que valoriza a beleza natural, cria atmosferas sugestivas e transforma os espaços externos em ambientes acolhedores e funcionais. Para os projetistas que lidam com o projeto de iluminação para jardins, o processo vai além do simples projeto do sistema elétrico. Requer uma visão criativa, imaginativa, um conhecimento técnico aprofundado e uma compreensão da interação entre luz, natureza e arquitetura. Veja como proceder.

Render feito com Edificius -Projeto de iluminação de jardim

Render feito com Edificius

Análise do jardim

Antes de iniciar qualquer projeto de iluminação para jardins, é fundamental realizar uma análise detalhada da área. Considere as características da paisagem, a disposição das plantas, os elementos arquitetônicos e o fluxo de pessoas. Identifique os pontos focais e as áreas que necessitam de iluminação especial. A dica é pensar em planta e dividir o jardim em áreas temáticas, identificando elementos e espaços para iluminar, como:

  • caminhos – vias de pedestres que conectam as várias áreas do jardim e também ligam o acesso ao lote com a residência, a garagem, etc. É importante garantir que não haja áreas escuras, especialmente próximas a degraus, soleiras, etc., mas também evitar luzes muito fortes ou mal direcionadas que possam ofuscar e consumir muita energia, garantindo o conforto necessário para caminhar. As soluções mais utilizadas envolvem spots embutidos, se estivermos próximos a paredes ou muros, pisoteáveis, com feixe de luz rasante (a ser previsto antes do pavimento), ou com postes.
  • Áreas de convívio, jantar, relaxamento – áreas mais frequentadas onde se aproveita ao máximo o jardim e onde se passa a maior parte do tempo. Essas áreas precisam ser iluminadas tanto no plano horizontal quanto no vertical. Por exemplo, é necessário iluminar a área da mesa para jantar também à noite de maneira discreta, mas funcional. Podem ser imaginadas luminárias suspensas se houver um pergolado, ou um poste de chão, ou, por que não, soluções mais originais. Se houver uma cozinha ao ar livre ou uma churrasqueira, é necessário pensar em pontos de luz que tornem a área de cozimento bem visível, sem interromper a harmonia do ambiente. Nas áreas de relaxamento, é possível experimentar muitas soluções de design, de luminárias de chão a formas mais particulares, luminárias de parede, de mesa, fitas de LED, móveis luminosos (assentos ou vasos), etc.
  • Vegetação – é necessário prever o tamanho das plantas em fase de crescimento e considerar a forma, postura, cor das folhas, flores, etc. Por exemplo, árvores de porte alto devem ser iluminadas de baixo para cima, talvez com um spot orientável, para destacar as formas esbeltas e a textura dos galhos. Arbustos com altura de até 80 cm podem ser iluminados, ao contrário, de cima para baixo com pequenas luminárias capazes de realçar formas e cores. Outra solução é utilizar spots embutidos ou refletores que iluminem de baixo para cima, espalhando a luz entre as folhas.
Como projetar um jardim: render feito com Edificius

Como projetar um jardim: render feito com Edificius

Escolha das luzes

A escolha das luzes corretas é crucial. Além da estética, leve em consideração a funcionalidade e a eficiência energética. Lembre-se de que são luzes que permanecem acesas por várias horas, então não ignore o fator consumo.
O uso de luzes LED oferece flexibilidade e economia de energia. Escolha temperaturas de cor que se adaptem à atmosfera desejada: tons quentes para um ambiente acolhedor, tons neutros para destacar detalhes e cores naturais, e tons frios para um estilo mais moderno. Por exemplo, áreas de churrasqueira, lareiras e cozinhas requerem tons mais neutros, em torno de 4000 K. Em geral, tonalidades mais quentes são mais adequadas para iluminar áreas verdes e de relaxamento, abaixo de 2700/3000 K. Acima de 4000 K, encontramos luminárias normalmente reservadas a elementos mais arquitetônicos, como fontes, paredes, muros.

Temperatura da luz LED

Temperatura da luz LED

Com um software de design de jardins, após criar o modelo 3D do jardim, é possível inserir os corpos de iluminação, ajustar a intensidade e a temperatura das luzes e experimentar o efeito desejado. Você pode simular vários efeitos luminosos (luz difusa, foco direto, fitas de LED, etc.) em diferentes horas do dia e avaliar o impacto da luz artificial na paisagem e nas estruturas do jardim em várias condições de iluminação, permitindo a otimização da disposição dos pontos de luz para criar efeitos estéticos impressionantes. Além disso, através do uso de um modelo 3D BIM, é possível realizar análises aprofundadas sobre a eficiência energética da iluminação. Isso inclui simulações de consumo de energia, avaliações do uso de luzes LED ou outras tecnologias de baixo consumo e a otimização da iluminação para reduzir o desperdício de energia. Por fim, você pode usar o modelo BIM como ferramenta de controle do modelo real e utilizar plataformas IoT para gerenciar a iluminação (horários de ligar/desligar, intensidade luminosa, etc.), mas também o sistema de água, o sistema de vigilância por vídeo, o alarme, etc.

Render feito com Edificius -Projeto de iluminação de jardim

Render feito com Edificius

Onde não for possível intervir para criar um novo sistema elétrico, existem soluções no mercado que não requerem conexão à corrente elétrica, como as energias solares ou recarregáveis a bateria, que permitem chegar até mesmo às áreas mais distantes do jardim, oferecendo a possibilidade de iluminar sem a necessidade de escavações ou conexões. Além disso, têm a vantagem de poder ser movidas conforme necessário.

Além da luz, é importante escolher cuidadosamente o tipo de suporte. Existem postes e luminárias de várias alturas, marcadores de passagem, spots direcionais, luminárias de parede e muitas outras variantes com formas e materiais clássicos ou modernos, minimalistas ou mais ornamentais. A distância entre os corpos de iluminação também deve ser bem calculada para evitar excesso de dispersão de luz desnecessária ou deixar áreas completamente escuras.

Efeitos e técnicas de iluminação

No projeto de iluminação para jardins, a manipulação da luz é uma forma de arte que transforma os espaços externos em cenários sugestivos. Utilizar efetivamente os efeitos e técnicas de iluminação pode realçar a beleza natural e arquitetônica, criando atmosferas envolventes. Aqui estão algumas informações detalhadas sobre técnicas e efeitos de iluminação:

  • uplighting e downlighting – o uplighting consiste em iluminar para cima para destacar elementos verticais como árvores, esculturas ou arquitetura. Essa técnica cria um impacto visual significativo e adiciona dramaticidade à paisagem noturna. Por outro lado, o downlighting envolve a iluminação de cima para baixo, fornecendo uma luz suave e difusa que pode ser usada para iluminar caminhos, áreas de estar ou canteiros sem criar reflexos irritantes ou ofuscantes.
  • Backlighting e silhouette lighting – o backlighting envolve a colocação de fontes luminosas atrás do objeto que se deseja destacar. Esta técnica pode criar um efeito de contorno, delineando plantas ou estruturas, produzindo uma atmosfera mágica e enfatizando a profundidade do jardim. Já o silhouette lighting cria silhuetas de objetos ou plantas, posicionando a fonte luminosa entre o observador e o elemento, destacando o contorno de forma sugestiva.
  • Washing e grazing – o washing envolve a difusão uniforme da luz numa parede ou numa superfície ampla, criando uma atmosfera suave e uniforme. Esta técnica é frequentemente utilizada para destacar paredes, sebes ou muros decorativos. Por outro lado, o grazing prevê a iluminação de uma superfície de cima ou de baixo para realçar texturas ou detalhes, evidenciando os contornos e as características específicas dos elementos.
  • Efeitos dinâmicos e coloridos – além das técnicas básicas, o uso de efeitos dinâmicos e coloridos pode adicionar profundidade e personalidade ao jardim. A utilização de luzes dinâmicas, como projetores com efeitos de movimento, pode criar ambientes emocionantes e mutáveis. O uso de luzes coloridas, através de filtros ou luzes RGB, permite alterar a atmosfera e adaptá-la a eventos ou estações específicas.
  • Mistura de luz – outro aspecto chave é a mistura de diferentes temperaturas de cor e intensidades luminosas. A utilização de luzes com diferentes tonalidades e direções pode criar contrastes interessantes e modelar o espaço de forma dinâmica, permitindo brincar com a ilusão e a profundidade.
  • Tons e luz pontual – a luz pode ser utilizada para criar tons através do uso de difusores ou materiais semitransparentes. Esta técnica pode ser particularmente eficaz para criar uma atmosfera suave e romântica. A utilização de luz pontual, como holofotes direcionais ou luzes embutidas, permite enfatizar detalhes específicos sem dispersão excessiva de luz.
Render feito com Edificius

Render feito com Edificius

A combinação destas técnicas e efeitos pode transformar um jardim numa obra de arte viva, criando uma experiência envolvente e dinâmica. No entanto, é fundamental equilibrar o uso destas técnicas para garantir um resultado harmonioso e não excessivamente elaborado, mantendo sempre a natureza como protagonista principal do panorama noturno.

Para aprofundar, pode ler também “Como projetar um jardim: esquemas, imagens e exemplos para baixar“.

Como realizar o projeto de iluminação do jardim

Para a realização de um sistema de iluminação de um jardim, é essencial seguir uma série de passos metodológicos. Em primeiro lugar, é necessário proceder à escavação das valas para alojar os corrugados elétricos que servirão como ligação entre as fontes de alimentação e as várias luminárias exteriores. Este processo requer uma planificação precisa, em conformidade com o projeto de iluminação do jardim, para garantir uma instalação eficaz e segura.

Posteriormente, é fundamental implantar os poços e as caixas de derivação. Estes elementos constituem os pontos de conexão fundamentais onde os cabos elétricos se cruzarão. A correta colocação dessas estruturas é crucial para o funcionamento regular de todo o sistema de iluminação.

Durante o processo de escavação e instalação, um aspecto a ser considerado é a relação entre o sistema elétrico do jardim e o sistema de irrigação. É essencial evitar sobreposições ou interferências entre os dois sistemas, a fim de prevenir potenciais mau funcionamento ou danos a ambos. Esta consideração requer uma planificação precisa e a correta posição dos cabos e tubulações, assegurando uma coexistência harmoniosa entre os dois sistemas.

Uma vez concluídas estas fases preliminares, procede-se à instalação e posicionamento das fontes de iluminação LED e à ligação dos cabos elétricos. Uma instalação linear e de acordo com o projeto permite um funcionamento eficaz e ideal de todo o sistema de iluminação exterior.

Render feito com Edificius

Render feito com Edificius

Eficiência energética e sustentabilidade no projeto de iluminação do jardim

A eficiência energética e a sustentabilidade são aspectos importantes no projeto de iluminação do jardim. As luzes permanecem acesas por muitas horas e a quantidade de pontos de luz, especialmente em espaços amplos, pode ser considerável. Portanto, otimizar os recursos energéticos não só reduz os custos a longo prazo, mas também contribui para a redução do impacto ambiental. Aqui estão algumas técnicas para garantir a eficiência energética no projeto de iluminação do jardim:

  • utilização de luzes LED – as luzes LED são uma das opções mais eficientes em termos energéticos. Consomem significativamente menos energia do que as lâmpadas tradicionais e têm uma vida útil muito mais longa. Além disso, os LEDs oferecem uma ampla gama de opções em termos de temperatura de cor e podem ser facilmente ajustados para se adaptar às necessidades específicas do jardim.
  • Instalação de sensores de movimento e luzes inteligentes – a instalação de sensores de movimento pode ajudar a reduzir o consumo de energia, acendendo as luzes apenas quando é detetado movimento. As luzes inteligentes, controláveis através de dispositivos móveis, e plataformas IoT permitem regular a intensidade luminosa ou desligar as luzes quando não são necessárias, otimizando o uso de energia.
  • Utilização de temporizadores ou programadores – a utilização de temporizadores ou programadores permite planificar com precisão o horário de ligar e desligar das luzes. Desta forma, é possível garantir a iluminação apenas durante as horas necessárias, reduzindo o desperdício de energia.
  • Reflexão e direcionamento da luz – o design das luminárias para refletir ou direcionar a luz de forma eficiente é essencial. Orientar as luzes para minimizar dispersões e maximizar a iluminação nas áreas desejadas é fundamental para reduzir o desperdício de energia e a poluição luminosa.
  • Utilização de iluminação solar – a iluminação solar aproveita a energia solar para alimentar as luzes. Esta abordagem sustentável não só reduz o impacto ambiental, mas também elimina a necessidade de cabos elétricos, tornando a instalação mais simples, econômica e flexível.
  • Luzes de alto desempenho – escolher equipamentos luminosos de alta qualidade e eficiência ajuda a maximizar a eficácia da iluminação. Investir em luminárias de boa qualidade pode garantir um desempenho ótimo a longo prazo e reduzir a necessidade de substituições frequentes.
  • Otimização do design e do layout das luzes – um design cuidadoso do sistema de iluminação, considerando atentamente as necessidades de iluminação e as características do jardim, permite reduzir o número de luzes necessárias e maximizar a eficiência global.
  • Redução da poluição luminosa – a poluição luminosa é um problema ambiental significativo. Limitar a luz que se dispersa em áreas não desejadas ou na atmosfera circundante através do uso de telas ou da orientação direcionada das luzes é essencial para reduzir o impacto negativo na fauna e no céu noturno.
  • Manutenção e monitorização constante – uma manutenção regular do sistema de iluminação é fundamental para garantir um funcionamento ideal. Monitorizar constantemente as luzes com a ajuda de uma plataforma de manutenção, limpá-las e substituir lâmpadas defeituosas são ações que contribuem para a eficiência energética a longo prazo.

Integrando estas técnicas no projeto de iluminação do jardim, é possível criar um projeto de iluminação de jardim sustentável e eficiente que valorize a beleza da paisagem noturna sem desperdícios energéticos.

As 5 regras a lembrar

Para concluir, recapitulamos as 5 coisas a lembrar no projeto de iluminação de um jardim:

  1. Iluminar sebes e fronteiras – para garantir a visibilidade da fronteira, existem duas abordagens possíveis:
    • se houver canteiros em frente à sebe, é aconselhável instalar refletores orientáveis que projetem a luz frontalmente na sebe. Isso cria uma barreira luminosa que define uma fronteira distintiva. Na presença de muros em vez de sebes, as fitas de LED posicionadas na base desenharão uma fronteira luminosa ao longo do perímetro. No entanto, é essencial evitar projetar a luz para o interior, pois pode ofuscar as pessoas no jardim;
    • no caso de não haver canteiros, é possível inserir postes de luz dentro da sebe, direcionando a luz para baixo para delinear a fronteira por meio de manchas luminosas entre as folhas. Se houver uma área externa com uma mesa para refeições ao ar livre, é crucial evitar obstruir a visão com luzes incomodativas. Além disso, iluminar em direção à casa pode representar um risco para a segurança.
  2. Iluminar os caminhos com luzes embutidas – a segurança é a prioridade na iluminação do jardim. É fundamental iluminar os caminhos para pedestres e as entradas de garagem com refletores embutidos, a serem instalados antes de realizar o pavimento. Esse tipo de solução garante a segurança dos caminhos para pedestres e das rampas de acesso às garagens, reduzindo o risco de acidentes devido à visibilidade reduzida. As fontes luminosas devem sempre ser protegidas por filtros antiofuscamento para evitar desconforto durante o caminho.
  3. Iluminar as árvores de acordo com a altura e as características das folhas – as árvores do jardim representam uma oportunidade para criar uma atmosfera sugestiva. No entanto, nem todas as árvores requerem o mesmo tipo de iluminação. Para árvores altas, é aconselhável iluminá-las de baixo para cima com um refletor externo orientável. No entanto, árvores com folhas largas e densas não são adequadas para esse tipo de iluminação, pois anulam o jogo de luz e sombra.
  4. Iluminar as plantas baixas de cima para baixo – as plantas com altura entre 30 e 80 centímetros devem ser iluminadas de cima para baixo.
  5. Integrar as luzes na vegetação para um efeito discreto – para tornar a iluminação do jardim mais cativante, é aconselhável esconder as fontes de luz entre a vegetação. Dessa forma, a atenção será focada nas plantas em vez das fontes luminosas, criando um efeito mais natural e envolvente.

 

 

edificius-land
edificius-land