Home » BIM e segurança » Realidade aumentada e prevenção de incêndios: BIM e visores transformando o socorro em emergências

Realidade aumentada e prevenção de incêndios

Realidade aumentada e prevenção de incêndios: BIM e visores transformando o socorro em emergências

Descubra como o BIM, aliado à realidade aumentada e aos visores, revoluciona as operações de socorro em edifícios desconhecidos ou cheios de fumaça. Leia nosso aprofundamento sobre as tecnologias salva-vidas.


A inovação tecnológica da Realidade Aumentada alcança o setor da construção e encontra eficácia estratégica na combinação com o BIM. Imaginemos ter que navegar por um labirinto de corredores em um edifício envolto em fumaça, onde cada segundo conta. Em contextos como esse, BIM, realidade aumentada e visores não são apenas ferramentas tecnológicas, mas tornam-se valiosos aliados na prevenção de incêndios para realizar operações de socorro rápidas e seguras.

O BIM como base da segurança

O BIM, com seus modelos digitais detalhados, serve como base para as operações de emergência. Em um único ambiente de compartilhamento de dados (CDE), oferece uma representação precisa dos edifícios, desde estruturas até instalações, passando por rotas de fuga. Esse conhecimento prévio é crucial, especialmente ao lidar com estruturas desconhecidas ou complexas.

Realidade aumentada: enxergar além do visível

Quando a fumaça obscurece a visão, a realidade aumentada (AR) se torna os olhos dos socorristas, revelando-se essencial como técnica de prevenção de incêndios. Através de visores especializados, a AR sobrepõe dados úteis do BIM ao ambiente real, delineando rotas de fuga, posições de saídas de emergência e até mesmo a localização de equipamentos vitais como extintores e válvulas anti incêndio. Em um mundo onde a visibilidade é quase nula, a AR oferece uma visão clara e orientada para objetivos.

Visores: uma janela para a segurança

Os visores, desde os VR de alta imersão até os AR para integração com o mundo real, são o meio pelo qual os dados do BIM e da AR se tornam acessíveis. Para os socorristas, representam um guia confiável por ambientes hostis, enquanto para os ocupantes do edifício, podem fornecer indicações intuitivas para a evacuação, reduzindo o pânico e otimizando os tempos de fuga.

Realidade aumentada e prevenção de incêndios - simulação de vida de esodo

Aplicações práticas e potenciais salvadoras

Em um incêndio, a combinação de BIM, AR e visores pode literalmente apontar o caminho para a salvação. Os socorristas podem identificar rapidamente as áreas mais seguras para a intervenção, enquanto os ocupantes podem ser guiados para as saídas de maneira eficiente. Em situações de terremotos ou outros desastres, essas tecnologias podem ajudar a avaliar rapidamente a integridade estrutural e planejar evacuações ou operações de resgate.

Como criar um sistema de suporte a emergências em um edifício?

Para criar um sistema de suporte a socorros em edifícios, é necessário seguir um processo articulado que envolve a coleta de dados do edifício, a integração da tecnologia e o teste do sistema. Aqui estão os passos-chave para realizá-lo:

  1. Coleta de dados e Modelagem BIM
    • Levantamento do edifício: medir e coletar todos os dados estruturais e não estruturais do edifício, incluindo plantas, seções, detalhes construtivos, sistemas de instalação e rotas de evacuação.
    • Criação do modelo BIM: usar os dados coletados para construir um modelo digital detalhado do edifício no software BIM. O modelo deve incluir todas as informações necessárias para socorro, como rotas de fuga, posições de saídas, equipamentos anti-incêndio e pontos críticos estruturais.
  2. Integração com a Realidade Aumentada (AR)
    • Desenvolvimento da aplicação AR: criar uma aplicação que possa ler o modelo BIM e sobrepor informações relevantes ao ambiente real através dos visores AR.
    • Códigos QR e Pontos de referência: posicionar códigos QR ou outros marcadores em pontos estratégicos dentro do edifício que, quando escaneados, podem fornecer informações específicas do local ou ativar rotas de evacuação no visor AR.
  3. Tecnologia dos visores
    • Seleção dos visores: escolher dispositivos AR adequados que sejam confortáveis, robustos e ofereçam uma visualização clara das informações sobrepostas.
    • Integração com o Modelo BIM e a Aplicação AR: garantir que os visores possam executar a aplicação AR e interagir com o modelo BIM em tempo real para fornecer instruções atualizadas.
  4. Banco de dados e Ambiente de Compartilhamento de Dados (CDE)
    • Criação do CDE: estabelecer um sistema centralizado para hospedar o modelo BIM e todas as informações relacionadas, acessíveis em tempo real pelos socorristas através dos visores AR.
    • Atualização e manutenção: garantir que o CDE seja constantemente atualizado com as últimas modificações estruturais ou de layout do edifício.
  5. Treinamento e Simulações
    • Formação da equipe: treinar a equipe de socorro no uso dos visores AR e na compreensão do modelo BIM.
    • Simulações práticas: realizar simulações regulares em situações de emergência para testar a eficácia do sistema e familiarizar a equipe com os procedimentos.
  6. Feedback e melhorias
    • Coleta de feedback: após cada simulação ou evento real, coletar feedback da equipe para entender o que funcionou bem e o que pode ser melhorado.
    • Atualizações contínuas: implementar melhorias contínuas no sistema, no modelo BIM, na aplicação AR e nos dispositivos com base no feedback e nas novas tecnologias disponíveis.
  7. Colaboração com Entidades e Profissionais
    • Envolvimento das Autoridades: colaborar com as autoridades locais de segurança, bombeiros e outras entidades de socorro para garantir que o sistema esteja em conformidade com regulamentações e seja eficaz operacionalmente.
    • Suporte de especialistas em BIM e AR: trabalhar com especialistas em BIM e realidade aumentada para garantir que o sistema seja tecnologicamente avançado e funcional.

Criar um sistema de suporte para socorro em edifícios é um processo complexo que requer um planejamento detalhado, uma forte colaboração entre diversas disciplinas e um compromisso constante com a melhoria e a atualização tecnológica. No entanto, com a abordagem certa, pode se tornar uma ferramenta poderosa para melhorar a segurança e a eficácia das operações de socorro.

A integração da realidade aumentada no processo BIM na plataforma usBIM da ACCA introduz o chamado “Visual Site Construction Management”, um sistema de gestão visual do processo de construção utilizável durante todas as fases do processo de construção da obra e também como ferramenta útil para operações de socorro rápidas e seguras.

O futuro do socorro

Em um contexto que se move rapidamente em direção a uma integração tecnológica cada vez maior, o BIM, a AR e os visores se afirmam como ferramentas indispensáveis na gestão de emergências. Sua capacidade de transformar dados complexos em ações intuitivas salva não apenas tempo, mas vidas humanas. Portanto, a integração do BIM com a realidade aumentada e os visores representa um salto à frente nas práticas de prevenção de incêndios e na gestão de emergências. Oferece uma esperança tangível em situações que exigem decisões rápidas e informadas, demonstrando que a tecnologia, quando usada com habilidade, pode se tornar o mais confiável dos aliados em momentos de crise.
No vídeo a seguir, uma breve exemplificação da aplicação integrada da tecnologia AR com um modelo BIM.

 

 

usbim
usbim