Home » BIM e Projeto de construção » Telhado de duas águas: o que é, vantagens, inclinações e materiais

Telhado de duas águas

Telhado de duas águas: o que é, vantagens, inclinações e materiais

O telhado de duas águas representa uma tipologia de cobertura que vai além da mera proteção contra as intempéries. Vamos examinar suas características distintivas, analisando sua evolução ao longo do tempo e como criá-lo com um software BIM.


O telhado de duas águas vai além de sua função estrutural; representa a evolução de uma ideia simples e primordial ligada ao conceito de “casa”.

Neste artigo, exploraremos tudo o que você precisa saber sobre o telhado de duas águas, desde a definição desse elemento arquitetônico até as vantagens que o distinguem.

Por fim, você poderá visualizar um vídeo que mostra como criar de maneira simples e detalhada um telhado com um software de design arquitetônico.

Telhado de duas águas de um edifício moderno

Telhado de duas águas de um edifício moderno

Tipos de telhado: configurações geométricas

As coberturas de telhado apresentam diversas configurações geométricas, cada uma com características únicas. Vamos examinar atentamente algumas dessas tipologias.

Telhado de uma água ou mansarda

Os telhados de mansarda, dentro das soluções de inclinação, caracterizam-se pelo escoamento da água ao longo de uma única superfície. Essa configuração, com uma única inclinação apoiada em paredes de alturas diferenciadas, representa a matriz básica de todos os telhados inclinados. Esta seção ilustra a forma simples e a soma complexa de mansardas, estabelecendo as bases para a compreensão das tipologias mais intricadas.

Telhado de duas águas ou capela

O telhado de duas águas representa o arquétipo por excelência do fechamento arquitetônico. Duas águas convergem no topo ao longo da linha de cumeeira, definindo uma porção triangular de parede chamada frontão. Esta seção fornece uma visão detalhada das geometrias envolvidas, originando o telhado de duas águas a partir da soma de duas mansardas regulares opostas. Analisam-se os objetivos de simplificação construtiva e a divisão das águas para um eficaz escoamento da água.

Telhado de duas águas com inclinação diferente

O telhado de duas águas com inclinação diferente oferece uma perspectiva única. As águas convergem no topo ao longo da cumeeira, criando uma imagem icônica de fechamento arquitetônico. Esta seção aprofunda a geometria dessa tipologia de telhado, destacando como a inclinação diferente contribui para a estética e eficiência no escoamento da água.

Telhado de pavilhão regular

O telhado de pavilhão regular é uma opção em que o escoamento da água ocorre em todos os lados do retângulo de base. A seção destaca a presença de uma linha de beiral ao longo de todo o perímetro, e as águas visíveis que terminam cada fachada do edifício. Explora-se também a projeção em planta da linha de cumeeira inclinada e sua relação com o comprimento do beiral.

Telhado de pavilhão irregular

O telhado de pavilhão irregular também permite o escoamento da água em todos os lados do polígono de base. Esta seção foca nas interseções entre as águas, dando origem a escoamentos ou contra-escoamentos. Destacam-se as diferenças entre telhados regulares e irregulares, com atenção especial à geometria planimétrica e configurações volumétricas.

Telhados planos e coberturas de terraço

Os telhados planos ou coberturas de terraço representam uma escolha difundida em países mediterrâneos, caracterizados por chuvas limitadas e pouca neve. No entanto, a realização de um telhado plano de qualidade requer atenção específica aos detalhes das obras que permitem o correto escoamento da água para pontos preestabelecidos, garantindo impermeabilização e isolamento térmico. Uma implementação precisa dessas obras pode reduzir significativamente os custos associados a esses telhados em comparação com os de águas.
Recomendo, por fim, a leitura do artigo de aprofundamento “Como projetar um telhado” para obter mais informações sobre os diferentes sistemas de cobertura.

Como desenhar um telhado-Terminologia-PT

Nomenclatura dos componentes de um telhado

Evolução histórica sobre o telhado de duas águas

A evolução histórica sobre o telhado de duas águas traçou um caminho fascinante, levando a benefícios significativos tanto do ponto de vista formal quanto tecnológico. Vamos ver juntos os progressos desde a simples forma de cobertura da “capela” até os telhados modernos, destacando as transformações significativas e as razões por trás dessas mudanças.
As primeiras coberturas, essencialmente capelas, eram inicialmente feitas com elementos vegetais e posteriormente evoluíram com a introdução de artefatos de argila. Inicialmente apoiados no solo, esses telhados serviam principalmente como abrigo contra os elementos. No entanto, a evolução tecnológica e as mutáveis necessidades sociais transformaram essas capelas em telhados apoiados por paredes, abrindo caminho para novas possibilidades arquitetônicas.

Os telhados de duas águas modernos são caracterizados por uma notável flexibilidade e possibilidade de personalização. Chaminés, mansardas, janelas no telhado, respiradouros e escotilhas de inspeção podem ser integrados sem comprometer a resistência e a função do telhado. A escolha de materiais, que vai desde tijolos tradicionais, telhas ou até painéis, chapas ou outros acabamentos, oferece uma ampla gama de opções estéticas e funcionais.

Uma seção-chave no design dos telhados de duas águas diz respeito à ventilação. A forma inclinada e linear das águas facilita o rápido escoamento da água da chuva e favorece a ventilação, aproveitando o efeito chaminé do ar intersticial. Isso não apenas contribui para o bom funcionamento do telhado, mas também é crucial para sua manutenção ao longo do tempo.

Os telhados de duas águas, quando utilizados em contextos de construção, devem obedecer às regulamentações vigentes em termos de construção e desempenho. A microventilação surge como um requisito fundamental, representando um valor agregado para o funcionamento correto e a conservação a longo prazo do telhado. Um telhado adequadamente ventilado deve incorporar seções de entrada e saída de ar, garantindo uma circulação regular e prevenindo estagnação que possa comprometer o desempenho térmico.

Contrariamente à ideia obsoleta, o telhado de duas águas está longe de ser antiquado. Arquiteturas contemporâneas, especialmente em países do norte, abraçam o uso de telhados de duas águas revisitados em termos de materiais e dimensões. Esses telhados não apenas respeitam a forma funcional original, mas reinterpretam seu significado alegórico, encontrando espaço não apenas em edifícios residenciais, mas também em museus, indústrias e edifícios icônicos.

Características de um telhado de duas águas

O telhado de duas águas se destaca por sua forma clássica de duas águas, com uma inclinação uniforme variando de 15% a 50%. Esta estrutura está ancorada na alvenaria do edifício, assumindo a forma tradicional de “casa”.
As águas, geralmente, descansam no lado mais longo do edifício, delineando as fachadas e contribuindo para a volumetria do sótão. Esta seção oferece uma descrição detalhada das principais características dessa tipologia de telhado, enfatizando sua forma tradicional e inclinação uniforme.

Outro aspecto fundamental nas características da composição de um telhado de duas águas é fornecido pela estratigrafia. Esta é a combinação de diferentes elementos, cada um projetado com um propósito específico. Antes de examinar detalhadamente esses componentes, é essencial compreender as técnicas de cálculo utilizadas nesta fase de projeto.

Técnicas de cálculo para a precisão do telhado

Para determinar com precisão a espessura do telhado, recorre-se a várias técnicas de cálculo baseadas na análise térmica e higrométrica do edifício. Essas metodologias consideram fatores como a condutividade térmica dos materiais isolantes, as condições climáticas locais e as necessidades energéticas do edifício.
A aplicação dessas técnicas permite avaliar cuidadosamente a quantidade de isolamento térmico necessário para garantir um conforto interno adequado. Isso é particularmente crucial em regiões com climas extremos, onde um telhado bem isolado contribui para manter temperaturas internas confortáveis e reduzir os consumos energéticos.

Laje plana - Estratigrafia

Laje plana – Estratigrafia

Componentes típicos da estratigrafia do telhado

Agora vamos examinar os componentes-chave da estratigrafia de um telhado de mansarda:

  1. Camada de cobertura: esta camada externa visível, composta por materiais como telhas, chapas metálicas ou coberturas betuminosas, tem a função principal de proteger o edifício contra os elementos atmosféricos.
  2. Camada isolante: responsável pelo isolamento térmico, esta camada ajuda a manter uma temperatura confortável no interior do edifício. A escolha do material isolante e sua espessura é crucial para a regulação térmica.
  3. Camada de suporte: fornece suporte estrutural ao telhado, geralmente composta por vigas ou painéis de madeira, concreto armado ou aço, de acordo com as necessidades estruturais do edifício.
  4. Camada de impermeabilização: evita infiltrações de água e protege as camadas subjacentes. É feita com membranas betuminosas, membranas sintéticas ou materiais semelhantes.
  5. Camada de ventilação: favorece a circulação adequada de ar sob o telhado, prevenindo a formação de condensação e decomposição. Um fluxo de ar eficaz contribui para a saúde do telhado.
  6. Camada de acabamento: o nível mais interno, frequentemente composto por painéis de revestimento ou gesso, tem uma função estética e contribui para a aparência interna do telhado.

A combinação sinérgica dessas camadas, cuidadosamente projetadas e calculadas, cria um telhado de mansarda que não apenas oferece proteção contra os elementos atmosféricos, mas também contribui para o conforto térmico e eficiência energética do edifício.

Vídeo de modelagem de telhado

Neste vídeo, você pode ver como projetar um telhado com um software de design arquitetônico 3D.

 

edificius
edificius