Home » BIM e Arquitetura » Guia para telhado plano: do design à manutenção

telhado plano

Guia para telhado plano: do design à manutenção

Telhado plano: impermeabilização, isolamento, drenagem e muitas dicas úteis para uma escolha de design contemporâneo

O telhado plano é uma das soluções mais comuns na construção moderna. Sua versatilidade e design contemporâneo, limpo e minimalista, o tornam uma escolha popular para uma ampla gama de edifícios, desde condomínios até estruturas comerciais.

O design, a construção e a manutenção de um telhado plano requerem atenção aos detalhes e um profundo conhecimento das melhores práticas da indústria da construção. A metodologia BIM e o software de design de construção podem ser de grande apoio em todas as fases da vida útil do telhado, desde escolhas de design (formas, materiais, desempenho, etc.) até sua manutenção. A seguir, examinamos detalhadamente cada fase deste processo e fornecemos uma série de dicas úteis para o design.

Estratigrafia de telhado plano

A estratigrafia de um telhado plano é uma parte crucial do processo de design e construção para garantir que o telhado permaneça durável e eficiente ao longo do tempo. Uma estratigrafia bem estudada deve conter:

  • elemento estrutural ou suporte de cobertura que pode ser:
    • em concreto (concreto moldado no local ou concreto celular autoclavado, painéis de concreto pré-fabricados, etc.), revestido com uma camada de concreto leve de espessura variável, necessária para criar a inclinação mínima necessária para o escoamento da água da chuva em telhados planos;
    • madeira;
    • aço, em chapa perfilada;
  • Barreira de vapor geralmente composta por uma membrana de polímero de betume destilado que está presente na estratigrafia se houver isolamento térmico e tem a função de protegê-lo da umidade que vem do ambiente interno. É usada em climas onde a temperatura interna pode ser maior do que a externa e deve ser posicionada sempre na face “quente” do isolamento. Obviamente, em coberturas não isoladas, não é necessário instalar a barreira de vapor.
  • Isolamento térmico o isolamento térmico é essencial para o controle térmico do edifício, para reduzir a perda de calor, limitar as expansões da estrutura e evitar a condensação nas paredes frias. Os materiais isolantes comuns incluem lã de vidro, lã de rocha, poliuretano expandido e poliestireno extrudido, aglomerados de perlita e fibras celulósicas, etc.
  • Manto impermeável composto por uma membrana contínua (betuminosa, polimérica, etc.) que protege o telhado da água e impede infiltrações.
  • Manto de cobertura: a primeira camada, a externa, é a membrana de cobertura, que desempenha um papel fundamental na prevenção de infiltrações de água. Materiais comuns incluem membranas betuminosas, membranas de PVC ou TPO (termoplástico de poliolefina), ou membranas elastoméricas como EPDM (etileno-propileno-dieno monômero). Esta membrana deve ser resistente à água, aos raios UV e às condições climáticas.
  • Camada de proteção: acima do manto de cobertura, especialmente se o telhado for transitável ou utilizado como terraço, é aconselhável adicionar uma camada de proteção. Isso pode consistir em placas de cobertura, cascalho, pedras decorativas ou telhas. A camada de proteção reduz o risco de danos mecânicos à membrana e fornece uma camada adicional de impermeabilização. Em caso de problemas de carga, se a membrana estiver exposta, ela pode ser pintada com tintas protetoras ou é aconselhável escolher membranas com proteção superficial em lascas de ardósia, chamada “autoprotação”.
  • Trabalhos complementares para completar o projeto, como muros perimetrais, clarabóias, calhas, rufos, etc., que são essenciais para o bom funcionamento do telhado e devem ser projetados, executados e mantidos com cuidado.
Laje plana - Estratigrafia

Laje plana – Estratigrafia

A instalação correta de cada camada, juntamente com a manutenção regular, é essencial para garantir que o telhado plano permaneça durável e livre de problemas ao longo do tempo. O isolamento térmico, o gerenciamento de drenagem e a escolha de materiais de cobertura de alta qualidade são particularmente importantes para garantir o sucesso a longo prazo de um telhado plano.

Com um software de design arquitetônico BIM, você pode modelar em 3D todo o edifício e atribuir uma estratigrafia ao telhado plano simplesmente escolhendo entre as estratigrafias do catálogo online. Você também pode personalizar a estratigrafia (espessuras, materiais, características, etc.) de acordo com suas escolhas de projeto.

Catálogo online | Como atribuir uma estratigrafia a um telhado plano com um software BIM

Catálogo online | Como atribuir uma estratigrafia a um telhado plano com um software BIM

O modelo 3D também pode ser usado para verificar as características energéticas de cada objeto individual (envoltórias verticais, lajes, coberturas, etc.), usando um software BIM para análise energética.

Inclinação mínima do telhado plano

A inclinação de um “telhado plano” é um aspecto crítico para garantir o correto escoamento das águas pluviais e prevenir acúmulos de água que possam causar danos estruturais e infiltrações. Embora possa parecer contra intuitivo, os telhados “planos” não são completamente planos, mas devem ter uma inclinação mínima para facilitar o escoamento. A inclinação recomendada para um “telhado plano” varia, mas geralmente está entre 1% e 2%. Isso significa que o telhado deve inclinar-se 1-2 centímetros a cada metro de largura para permitir um escoamento adequado. Essa inclinação é suficiente para direcionar a água para os pontos de drenagem, como calhas ou tubos de águas pluviais.

Aqui está como criar a inclinação em um “telhado plano”:

  • Projeto preciso: a inclinação deve ser considerada na fase de projeto do “telhado plano”. Arquitetos e engenheiros devem determinar a direção do fluxo da água e os pontos de saída para o drenagem.
  • Uso de placas de drenagem: uma das metodologias mais comuns para criar a inclinação em um “telhado plano” é o uso de placas de drenagem. Essas placas são feitas com uma inclinação integrada e são colocadas sobre o isolamento térmico, mas sob a membrana impermeável. As placas de drenagem podem ser feitas em vários materiais, incluindo poliestireno expandido ou XPS (poliestireno extrudido), poliuretano e outros. Elas são projetadas com um perfil inclinado que favorece o fluxo da água em direção aos sistemas de drenagem.
  • Inclinação autonivelante: outra abordagem envolve a aplicação de uma argamassa autonivelante com inclinação integrada. Esse material é aplicado sobre o isolamento térmico e moldado para criar a inclinação desejada. Uma vez endurecida, a argamassa autonivelante forma uma superfície uniforme com a inclinação necessária.
  • Sistemas de drenagem: calhas e tubos de águas pluviais devem ser posicionados ao longo do perímetro do “telhado plano” ou em outros pontos estratégicos para coletar a água e direcioná-la para o sistema de descarte de águas. É importante dimensionar adequadamente esses sistemas para lidar com o volume de água pluvial esperado.
  • Controle de qualidade: durante a construção, é essencial verificar a inclinação e a instalação correta de todas as camadas, especialmente das placas de drenagem ou da argamassa autonivelante, para garantir que a inclinação seja uniforme e adequada em todo o “telhado”.

A criação de uma inclinação adequada em um “telhado plano” é uma parte fundamental de seu projeto e construção. Uma inclinação corretamente executada contribuirá para evitar problemas de drenagem e manter o “telhado” em boas condições ao longo do tempo, prolongando sua vida útil e reduzindo os riscos de danos.

Como desenhar um telhado-Gráfico-inclinação

Como desenhar um telhado-Gráfico-inclinação

Impermeabilização de telhado plano

A impermeabilização de um telhado plano é outro aspecto importante de sua construção para prevenir infiltrações de água e proteger a estrutura subjacente.
Aqui estão os principais tipos de impermeabilização:

  • Membranas bituminosas (aplicadas quente ou a frio): as membranas bituminosas são comumente usadas na impermeabilização de “telhados planos”. Podem ser aplicadas a quente ou a frio. As membranas bituminosas aplicadas a quente requerem um maçarico ou um queimador para serem fundidas e aderidas ao substrato. As membranas aplicadas a frio têm adesivo autoadesivo ou são coladas com mastique. São compostas por várias camadas de betume, fibra de vidro e grânulos minerais e oferecem uma boa durabilidade.
  • Membranas de PVC ou TPO: as membranas de PVC (cloreto de polivinila) ou TPO (termoplástico de poliolefina) são uma escolha popular para a impermeabilização de “telhados planos”. Essas membranas são leves, resistentes às condições climáticas e aos raios UV e podem ser soldadas a quente para garantir uma vedação durável. Também são resistentes ao crescimento de raízes, tornando-as adequadas para “telhados verdes”.
  • Membranas de EPDM: as membranas de EPDM (etileno-propileno-dieno monômero) são feitas de borracha sintética elastomérica. São altamente flexíveis, duráveis e resistentes às condições climáticas. Geralmente são fixadas ao substrato com adesivos ou mecanicamente com parafusos e arruelas.
  • Membranas líquidas: membranas líquidas, como poliuretano ou acrílico, são aplicadas na forma líquida e depois endurecem para criar um revestimento impermeável contínuo. São adequadas para “telhados” complexos ou irregulares e podem ser usadas como revestimento protetor sobre outras membranas.

Aqui estão as etapas e dicas a serem seguidas para impermeabilizar um “telhado plano”:

  • Preparação da superfície: a superfície do telhado deve estar limpa, lisa e livre de detritos ou contaminantes que possam comprometer a aderência do material impermeabilizante.
  • Camadas de proteção: para proteger a membrana impermeável contra danos mecânicos, é aconselhável usar camadas de proteção, como placas de cobertura ou cascalho sobre a membrana.
  • Camadas de isolamento térmico: o isolamento térmico deve ser instalado sob a membrana impermeável para evitar a formação de condensação e melhorar a eficiência energética.
  • Instalação adequada das membranas: siga cuidadosamente as instruções do fabricante para a instalação das membranas. Certifique-se de que elas estejam bem soldadas, coladas ou fixadas de forma segura ao substrato.
  • Detalhes críticos: preste atenção especial aos detalhes críticos, como juntas, coletores e calhas. Essas áreas são mais vulneráveis a infiltrações de água e requerem uma vedação precisa.
  • Manutenção periódica: faça inspeções regulares e programe a manutenção preventiva. As membranas podem exigir reparos de danos ou a substituição de áreas comprometidas.
  • Sistema de drenagem: certifique-se de que o sistema de drenagem esteja funcionando e livre de obstruções para garantir o correto escoamento das águas pluviais.

Teto quente e teto frio

No contexto de coberturas com uma camada impermeável contínua, o “teto quente” é amplamente utilizado, especialmente na construção industrial, enquanto o “teto frio”, também conhecido como “teto ventilado”, é predominantemente usado em coberturas de madeira e em edifícios residenciais.
Enquanto o “teto quente” é caracterizado por uma estrutura compacta em que todas as camadas são adjacentes e se apoiam umas nas outras, na estratigrafia do “teto frio”, é inserido um espaço de ventilação entre as camadas. Este espaço é colocado entre o isolamento térmico e a camada de cobertura se o “teto” estiver isolado, ou abaixo da camada de cobertura que suporta a camada impermeável se o “teto” não estiver isolado.

No caso do “teto quente”, a camada impermeável é geralmente aplicada diretamente sobre o isolamento térmico, que serve como suporte. No “teto frio”, a camada impermeável é colocada sobre a camada de cobertura, que geralmente é feita de madeira.

Quanto ao isolamento térmico no “teto quente”, é importante considerar que os materiais isolantes devem ser selecionados com base em suas capacidades de isolamento térmico e devem atender a requisitos de estabilidade dimensional, resistência à compressão e à umidade. Também é fundamental avaliar a compatibilidade com as camadas adjacentes e a capacidade de resistir a adesivos usados durante a instalação da camada impermeável. O isolamento não deve deformar-se ou inchar devido às variações de temperatura e umidade. Além disso, as dimensões devem ser adequadas para evitar movimentos da camada superior ao longo das linhas de junção das placas e garantir uma boa aderência da camada contra a força do vento.

A escolha do tipo de isolamento para um “telhado de estacionamento isolado” será influenciada pela necessidade de resistência ao esmagamento, enquanto, para um “telhado à vista”, essa característica pode ser menos crucial. Existem vários tipos de isolantes usados em coberturas, e a escolha específica deve ser baseada nas necessidades do projeto.

Aqui está um breve vídeo que mostra como modelar corretamente um telhado com um software de projeto de construção.

Projeto de um telhado plano

Vamos fazer uma breve recapitulação das fases de projeto de um “telhado plano”:

  • Planejamento inicial: determinar o uso previsto do edifício e os requisitos específicos do “telhado plano”, como acessibilidade para manutenção ou instalação de equipamentos.
    • Considerar as condições climáticas locais, cargas de neve, ventos e chuvas torrenciais para determinar a resistência estrutural necessária;
    • Identificar a inclinação mínima necessária para garantir o correto escoamento da água da chuva;
  • Seleção de materiais: escolher os materiais de cobertura e isolamento térmico com base nas necessidades específicas do projeto. Por exemplo, membranas de PVC, TPO ou EPDM são comuns para cobertura, enquanto lã de rocha ou poliestireno extrudido podem ser usados para isolamento térmico. Considere materiais e camadas de proteção que aumentem a vida útil do “telhado” e reduzam o risco de danos mecânicos;
  • Sistema de drenagem: planejar um sistema de drenagem eficaz, incluindo calhas, condutores e inclinações adequadas para direcionar a água da chuva para longe do “telhado”.

Para obter mais informações, recomendo também o artigo “Como projetar um “telhado”, diretrizes“.

Construção de um telhado plano

A fase de construção do “telhado plano” é a mais delicada. Basta, de fato, uma pequena falta de atenção para invalidar o correto funcionamento do sistema de cobertura. Eis como proceder:

  • Preparação do substrato: a superfície do “telhado” deve ser cuidadosamente preparada, garantindo que esteja limpa, lisa e livre de detritos ou contaminantes;
  • Isolamento térmico: o isolamento térmico deve ser instalado sobre a estrutura portante ou sobre a membrana impermeável, dependendo do projeto. O isolamento deve ser colocado sem espaços vazios para evitar a formação de condensação;
  • Membrana impermeável: a membrana impermeável deve ser instalada com cuidado, seguindo as especificações do fabricante. Esta membrana é responsável por manter o “telhado” impermeável e deve ser soldada, colada ou fixada de forma segura;
  • Camadas de proteção: camadas de proteção, como placas de cobertura ou cascalho, devem ser aplicadas sobre a membrana impermeável para protegê-la contra danos mecânicos e raios UV;
  • Sistema de drenagem: calhas, condutores e um sistema de drenagem bem projetado devem ser instalados para direcionar a água para os pontos de descarga;
  • Controle de qualidade: durante a construção, é essencial realizar verificações de qualidade para garantir que cada componente seja instalado corretamente.
Maquete arquitetônica criada com Edificius

Maquete arquitetônica criada com Edificius

Manutenção de um telhado plano

Manter as características técnicas previstas na fase de projeto é essencial para a eficiência do “telhado plano”. Aqui estão as medidas a seguir para evitar problemas ao longo do tempo:

  • Inspeções regulares: agendar inspeções regulares para detectar danos ou sinais de deterioração. Essas inspeções devem se concentrar em juntas e sistemas de drenagem;
  • Reparos oportunos: quaisquer danos devem ser reparados prontamente para evitar que se espalhem e causem danos maiores. Os reparos podem incluir a substituição de partes da membrana impermeável ou a correção das inclinações de drenagem;
  • Limpeza de drenagem: manter os sistemas de drenagem limpos e livres de detritos para garantir um escoamento eficaz;
  • Manutenção preventiva: programar a manutenção preventiva, que pode incluir a substituição periódica da membrana impermeável ou a atualização do isolamento térmico;
  • Monitoramento das condições climáticas: estar ciente das condições climáticas locais, especialmente precipitações intensas ou condições climáticas extremas, que podem exigir ações preventivas.

Em resumo, o projeto, construção e manutenção de um “telhado plano” requerem atenção aos detalhes, o uso de materiais de alta qualidade e a programação de intervenções periódicas de manutenção. Um “telhado plano” bem projetado e bem cuidado pode oferecer uma longa vida útil e proteger o edifício contra infiltrações de água e danos causados pela água.

As vantagens do BIM na projeção e manutenção

O uso da metodologia BIM (Modelagem de Informações de Construção) na projeção e manutenção de um telhado plano oferece várias vantagens significativas. O BIM é uma abordagem avançada para a gestão de dados e informações durante todo o ciclo de vida de um edifício, incluindo projeto, construção e manutenção. Eis como o BIM pode ser aplicado de forma eficaz:

  • Visualização 3D: o BIM permite a criação de modelos tridimensionais detalhados do “telhado plano”. Esses modelos permitem que todos os profissionais envolvidos visualizem o projeto de forma mais precisa, identificando potenciais problemas de projeto ou incompatibilidades entre os diferentes sistemas antes da construção;
  • Análises e simulações: com o BIM, é possível realizar análises e simulações avançadas para avaliar o desempenho do “telhado plano”. Por exemplo, é possível avaliar o isolamento térmico, realizar análises de carga para o cálculo da laje ou prever o comportamento do “telhado” em diversas condições climáticas;
  • Documentação precisa: o BIM produz documentação detalhada, incluindo desenhos (seções, gráficos detalhados, etc.), especificações e listas de materiais. Essa documentação é essencial para garantir que a construção do “telhado” seja realizada conforme as especificações e também pode ser usada para fins de conformidade regulatória;
  • Manutenção preventiva: após a construção, o BIM pode continuar a ser usado para gerenciar a manutenção. Dados sobre as condições do “telhado”, programas de manutenção e registros de intervenções passadas podem ser integrados ao modelo BIM, simplificando o planejamento e a execução de atividades de manutenção preventiva;
  • Redução de custos e prazos: o BIM contribui para a redução de custos e prazos de projeto e construção, otimizando processos e melhorando a gestão de recursos;
  • Sustentabilidade: o BIM pode ser usado para avaliar o impacto ambiental do “telhado plano”, contribuindo assim para a concepção de soluções mais sustentáveis em termos de energia e meio ambiente.

Em resumo, o uso do BIM na projeção e manutenção de um telhado plano permite uma gestão mais eficaz do projeto, reduz o risco de erros ou problemas ao longo do ciclo de vida do edifício e oferece maior transparência e controle em todos os aspectos, desde o design inicial até a manutenção a longo prazo.

 

 

edificius
edificius