Home » BIM e Arquitetura » Três casos de uso de realidade virtual na arquitetura

Três casos de uso de realidade virtual na arquitetura

A Realidade Virtual na arquitetura é a tecnologia que permite interagir com um modelo arquitetônico virtual. Descubra três casos em que usá-la

Modelos tridimensionais, animações e renders sempre foram ferramentas utilizadas por arquitetos e projetistas para expressar o desenvolvimento de um espaço, seja interno ou externo.

Hoje, isso não é mais suficiente: por mais detalhados que sejam, modelos 3D ou renders não podem igualar as sensações e a atmosfera de um ambiente.

A aplicação da Realidade Virtual à arquitetura é uma das maiores inovações dos últimos anos: com ele é possível criar uma experiência 3D envolvente e imersiva, capaz de apresentar melhor suas ideias. É necessário que todos os arquitetos a introduzam em seu processo de projeto para não ficar para trás e aproveitar os muitos benefícios que ele pode oferecer ao seu fluxo de trabalho.

Se você pretende começar a usar a Realidade Virtual, recomendamos experimentar gratuitamente usBIM.reality, uma plataforma de RV totalmente online que permite navegar em seus projetos 3D diretamente do navegador, sem precisar comprar nenhum software.

O que é a Realidade Virtual na arquitetura?

A Realidade Virtual aplicada à arquitetura é uma tecnologia imersiva que projeta o usuário em qualquer arquitetura 3D interativa, usando qualquer dispositivo conectado a um computador ou smartphone.

Essa tecnologia tem a capacidade de imergir o usuário em um novo ambiente, espaço ou edifício específico.

Desta forma poderá explorar o edifício como um todo ou analisar todos os seus pormenores construtivos, arquitetônicos ou de mobiliário, aproveitando uma apresentação em tempo real dos profissionais que criaram aquele cenário.

A imagem mostra o interior de uma sala em um escritório de arquitetura. À esquerda, uma mulher está segurando uma relatório e olhando para um quadro de gráficos. No fundo, alguns homens estão conversando. Em primeiro plano, uma mulher usa óculos de realidade virtual. A mulher está de mãos juntas diante o modelo digital de uma edificação apoiado na mesa perto dela.

Realidade Virtual na arquitetura

Criar um modelo 3D e poder navegar nele dá aos profissionais e clientes uma sensação muito mais precisa e representativa, dando-lhes um verdadeiro senso de escala, profundidade e consciência espacial.

Como a Realidade Virtual é usada na arquitetura? Confira 3 casos de uso!

A Realidade Virtual pode ser usada em várias etapas do projeto arquitetônico:

  1. Fase de projeto e análise de projeto
  2. Fase de revisão do projeto
  3. Fase de apresentação do projeto

Vamos ver em detalhes como e quais vantagens ele oferece.

1. Fase de projeto e análise do projeto

Nos estágios iniciais do projeto, o uso da RV permite que os engenheiros expressem sua criatividade de um jeito bem mais simples e inovador.

Basta mergulhar no seu modelo para:

  • conceber a forma geral do edifício;
  • traçar a organização dos espaços;
  • explorar as relações entre os espaços;
  • analisar as vistas dos pisos acima do solo;
  • comparar os elementos técnicos;
  • escolher o mobiliário;
  • comparar materiais, revestimentos, cores;
  • etc.

Desta forma, é possível ter um percepção realista espaços que serão criados, e lançar-se de vez em vez na concepção de espaços mais ousados e menos convencionais.

A imagem mostra um homem sentado em uma mesa. O homem usa óculos de realidade virtual e está segurando alguns controladores de mão para movimentar-se na cena de realidade virtual que está diante de seus olhos.

Projeto de arquitetura com Realidade Virtual

A Realidade Virtual ainda pode ser utilizada para a análise posterior do projeto, para detectar problemas e riscos muito antes do processo de construção, poupando preocupações e mal-entendidos que possam surgir ao longo do caminho.

2. Fase de revisão do projeto

A revisão de um projeto antes da fase executiva por meio do uso de dispositivos de RV torna essa delicada fase mais rápida e fácil .

Imagine ter que rever plantas, elevações ou cortes para identificar prováveis erros e escolhas erradas: começa a ficar um pouco ansioso, né?

Agora imagine poder analisar todos os detalhes e características estéticas, poder dar uma volta em sua construção virtual e expor as criticidades à sua equipe em tempo real.

A imagem mostra o interior de uma sala. Três homens estão usando óculos de realidade virtual e estão interagindo com o modelo digital de uma edificação que está apoiado na mesa.

Equipe de arquitetura colaborando em um modelo de Realidade Virtual

Tudo isso oferece a possibilidade de ter um feedback imediato das escolhas de projeto, garantindo o desenvolvimento de um fluxo de trabalho mais consciente, colaborativo e “realista”.

3. Fase de apresentação do projeto

Apresentar e comunicar suas ideias de design nunca foi tão fácil: uma tal experiência não apenas surpreende os clientes, mas oferece uma melhor compreensão do design, envolvendo-os emocionalmente no projeto.

Mediante os óculos de Realidade Virtual, um cliente pode ser facilmente transportado em uma representação 3D do projeto, olhar ao redor e se mover nele. A sua visão daquele mundo corresponde, quase que completamente, àquela que teria se movendo na realidade circundante.

Ao proporcionar a sensação imersiva de estar realmente dentro de um edifício, é mais fácil para o projetista comunicar claramente a intenção do projeto e para o cliente compreendê-lo e validá-lo.

Com essas ferramentas, o cliente identificará imediatamente os elementos de sua preferência e os que devem ser modificados, aprimorados ou eliminados e, por outro lado, o técnico fará a edição imediatamente evitando futuros mal-entendidos.

A imagem mostra um homem e uma mulher usando óculos de realidade virtual. As duas pessoas estão sentadas face à camêra e veem-se de meio busto. A mulher está apontando para algum detalhe do modelo digital de uma cidade que se vê apoiado na mesa.

Apresentação do projeto com RV

Como o uso da Realidade Virtual está mudando a arquitetura

A Realidade Virtual na arquitetura está fazendo um tremendo progresso no setor de arquitetura, permitindo que os projetistas experimentem suas visões na vida real por meio de um modelo 3D criado com softwares BIM .

Existem muitos benefícios associados ao uso da Realidade Virtual no processo de projeto arquitetônico:

  • baixos custos de inicialização: um conjunto de ferramentas de RV (óculos, controladores, fones) tem custos relativamente baixos com rápidos benefícios.
  • Aumento da clientela: o uso da RV garante uma melhor valorização dos clientes.
  • Maior comunicação e colaboração: a RV permite que a equipe interaja nos projetos arquitetônicos, até remotamente, evitando mal-entendidos e desperdícios de tempo.
  • Menor número de revisões: as revisões do projeto serão menores e mais rápidas.
  • Identificação de problemas críticos já na fase de projeto: a possibilidade de observar os detalhes do projeto antes da fase de construção é fundamental, porque permite identificar e evitar interferências que causariam atrasos e maiores custos.
  • Tornar-se líder do setor: graças à RV, você acompanha a curva tecnológica tornando-se muito mais competitivo. Ao escolher entre dois projetos do mesmo nível, um potencial cliente ficará fascinado por uma representação virtual do edifício, na qual caminhar e interagir. De olhos fechados, ele considerará uma experiência imersiva de realidade virtual mais cativante do que uma visão redirecionada para o PC e certamente isso será um diferencial na hora de escolher entre duas propostas.

Alguns softwares, como Edificius, permitem integrar a Realidade Virtual com a modelagem arquitetônica.

Através desta integração, é possível ter sempre uma percepção clara dos seus projetos à medida que avançar com a modelagem. É possível experimentar a versão de teste do software de Realidade Aumentada para arquitetura e experimentar imediatamente todas as vantagens que esta tecnologia oferece!

usbim-reality
usbim-reality