Home » BIM e eficiência energética » Umidade ascendente: o que é e como resolver o problema

Umidade ascendente: o que é e como resolver o problema

A umidade ascendente ocorre quando a água presente no subsolo sobe penetrando nas paredes. Descubra as causas, efeitos e soluções para evitar danos estruturais

Esse fenômeno pode ser agravado por outras formas de umidade, como condensação ou cálculos inadequados de pontes térmicos, que favorecem a formação de mofo. Para identificar os pontes térmicos que podem agravar o fenômeno ascendente, pode ser útil usar um software de cálculo de pontes térmicos que lhe guiará em um planejamento cuidadoso, visando minimizar a incidência de pontes térmicos já na fase de projetação.

Descubra em detalhes o que é a umidade ascendente, suas causas, efeitos e métodos para prevenir o problema.

O que é umidade ascendente?

A umidade ascendente, também conhecida como umidade capilar, é um fenômeno no qual a água do solo sobe pelas paredes do edifício, transportando sais solúveis que podem se depositar na superfície das paredes, causando eflorescências salinas, manchas, halos e outros danos.
Esse fenômeno é possível devido à capilaridade, que permite que a água atravesse os poros de materiais como concreto, tijolo e reboco.

Sua origem muitas vezes está nas fundações do edifício e pode ser causada pela falta ou ineficácia do sistema de impermeabilização das estruturas em contato com o solo.

Quais são as áreas afetadas pela umidade ascendente?

O problema da umidade ascendente tem origem nas fundações e, geralmente, afeta a parede externa dos pisos térreos e dos subsolos, mas também pode afetar outras partes do edifício, como lajes horizontais, causando problemas nos revestimentos de piso.
A altura alcançada pela umidade ascendente depende do material das paredes, por exemplo, o concreto, que geralmente é menos poroso do que os tijolos, absorve menos umidade.

Os casos mais comuns de umidade ocorrem em banheiros, porões e garagens.

Em porões e garagens, por exemplo, a umidade pode se concentrar pela falta de luz e ventilação: essas áreas, muitas vezes sem janelas ou localizadas em subsolos, estão sujeitas ao surgimento de umidade ao longo do tempo, também por diferentes causas.

Para mais detalhes, leia projeto de garagem para download

Causas da umidade ascendente

A verdadeira causa do dano não é tanto a água em si, mas os sais minerais nela contidos, que cristalizam durante a evaporação e aumentam de volume, provocando a ascensão capilar dentro das paredes.
Os fatores que podem atuar individualmente ou em combinação, criando condições ideais para a formação de umidade ascendente nas paredes dos edifícios, são:

  • ausência ou inadequada impermeabilização das fundações do edifício: a impermeabilização das fundações é fundamental para proteger a estrutura da água naturalmente presente no solo e de fenômenos de ascensão;
  • uso de materiais de construção extremamente porosos: materiais como concreto, tijolos, pedra e tijolos tendem a absorver água, contribuindo assim para a ascensão capilar;
  • edifícios baixos ou sem ventilação adequada no térreo: edifícios que não são elevados do solo ou que carecem de ventilação adequada no térreo são mais suscetíveis à formação de umidade ascendente;
  • problemas de umidade ou presença de água no vão ventilado: qualquer problema de umidade ou acúmulo de água no vão ventilado pode contribuir para a umidade ascendente. Para não correr esse risco, é essencial projetar e integrar o vão ventilado a partir de gráficos 2D (seções, detalhes construtivos, etc.) e modelos 3D complementados com instruções específicas sobre os métodos de execução e as características técnicas dos componentes a serem usados. Para fazer tudo isso, pode ser de grande ajuda usar um software de projeto arquitetônico 3D para obter os gráficos executivos diretamente do modelo BIM do edifício.

Efeitos da umidade ascendente

Os efeitos da umidade ascendente são frequentemente evidentes e representam os elementos-chaves para reconhecer esse fenômeno:

  • rebocos que se descolam ou se desintegram;
  • umidade evidente nas juntas entre as telhas dos pisos e revestimentos;
  • argamassas que se desintegram;
  • pintura que amarela ou apresente áreas de descolamento;
  • danos ou descolamentos de rodapés de madeira;
  • aparecimento de mofo e depósitos de pó salino;
  • presença de manchas nas paredes;
  • odores desagradáveis de fechado, mofo e estagnação;
  • danos aos móveis e estofados.

Como reconhecer a umidade ascendente nas paredes

A umidade ascendente aparece nas partes da parede que estão em contato direto com o solo.
Outros fenômenos podem se manifestar de forma semelhante e podem ser facilmente confundidos com ela, incluindo:

  • umidade por infiltração lateral, causada pela chuva que atinge as paredes externas do edifício ou respingos de água causados por poças geradas por veículos;
  • vazamentos de tubulações hidráulicas;
  • danos às calhas internas das paredes;
  • umidade do lençol freático, semelhante à ascensão capilar, mas influenciada por fenômenos atmosféricos específicos, como o derretimento da neve em montanhas ou chuvas intensas.

Existem características únicas que permitem identificar a umidade ascendente em comparação com outras formas de umidade nas paredes, como condensação. Esses aspectos distintivos incluem:

  • a presença de uma mancha uniforme que se desenvolve do chão para cima;
  • a definição clara da borda da mancha, geralmente limitada a uma altura inferior a um metro;
  • a persistência da mancha apesar das variações climáticas e da umidade relativa;
  • a presença de sais durante os períodos de alta evaporação ambiental.

Entre os métodos de diagnóstico contrastantes desse fenômeno estão as inspeções termográficas, capazes de determinar a temperatura de uma superfície por meio da medição da radiação infravermelha emitida, diagnosticando problemas de umidade ascendente. A termografia também é um meio válido para investigar e identificar os pontes térmicos que podem agravar o fenômeno de ascensão. O uso de um software de cálculo de pontes térmicos pode ser útil para um planejamento cuidadoso, visando minimizar a incidência de térmicos já na fase de projetação.

Consequências da umidade ascendente

A umidade ascendente traz consigo uma série de problemas que podem ter um impacto significativo na habitabilidade e estabilidade estrutural.
Em geral, as principais consequências causadas pelo fenômeno são:

  • danos estruturais a longo prazo: a infiltração de água pode causar danos significativos às fundações das estruturas e pode comprometer a resistência dos materiais de construção ao longo do tempo, causando rachaduras, deformações e, nos casos mais graves, perda de integridade estrutural. Para verificar a estabilidade das estruturas, é útil usar e confiar em um software adequado para verificações de edifícios existentes;
  • dano estético: presença de manchas, halos, descamação e inchaços de reboco, tinta ou papel de parede, eflorescências salinas e aparecimento de mofo;
  • problemas higrotérmicos: os choques térmicos causados pela umidade podem afetar o conforto térmico dos ambientes internos. Esses problemas higrotérmicos, causados principalmente por variações de temperatura devido à umidade, podem tornar os ambientes menos confortáveis e contribuir para o deterioramento das condições habitacionais.

A presença de umidade nas fundações não representa apenas uma ameaça para a estabilidade estrutural e térmica do edifício, mas também traz uma série de riscos e problemas relacionados à saúde e à economia, incluindo:

  • insalubridade: a umidade favorece a formação de mofo e fungos, criando um ambiente insalubre que pode causar uma série de problemas de saúde (resfriados, sinusites, dor de garganta, artrite, reumatismo, alergias) e o agravamento de condições pré-existentes;
  • aumento dos custos e perda de valor imobiliário: as propriedades isolantes das paredes úmidas diminuem, tornando mais caro tanto o aquecimento quanto o resfriamento da casa. Além disso, móveis, estofados, acessórios e revestimentos estão sujeitos a danos, e muitas vezes são necessários trabalhos de manutenção contínua para tentar ocultar o problema.

Como eliminar a umidade ascendente: soluções

O campo da recuperação de edifícios oferece várias soluções para resolver a umidade ascendente de forma eficaz, incluindo:

  • intervenções mecânicas;
  • intervenções químicas;
  • intervenções eletrosmóticas;
  • rebocos evaporativos.

Uma das técnicas mais comuns é o uso de barreiras químicas, obtidas utilizando resinas especiais dentro da alvenaria. Esse processo envolve a perfuração contínua da parede na direção horizontal para criar uma barreira contra a umidade. No entanto, essa solução pode não ser sempre eficaz se a alvenaria estiver excessivamente úmida ou se o líquido utilizado se disperde, comprometendo a formação de uma barreira uniforme.
Outra estratégia envolve o uso de sistemas de ventilação e drenagem para promover o escoamento completo da água da área afetada. Posteriormente, uma vez que a parede começa a secar, é possível aplicar um reboco especial para prevenir futuros problemas de umidade.

Entre as soluções mais acessíveis está o utilizo de substâncias à base de silicone dentro da alvenaria, que obstruem os capilares impedindo a subida da umidade.

Outra alternativa envolve o uso de eletrosmose e inversão de polaridade, que requer a instalação de dispositivos específicos para redirecionar a água do solo através a aplicação de um campo elétrico oposto ao natural. Esse método requer a instalação de eletrodos ao longo da parede e pode exigir tempo para a completa secagem da parede.

Em geral, é aconselhável combinar o trabalho de manutenção com a aplicação de um reboco macro-poroso, capaz de promover a evaporação da umidade dentro da alvenaria. No entanto, é importante observar que esse trabalho por si só pode não resolver completamente o problema da umidade ascendente.

Como prevenir a umidade ascendente

Para prevenir a umidade ascendente, é essencial intervir sob o piso com a aplicação de uma argamassa e a instalação de mantas específicas, juntamente com o uso de bombas para garantir uma drenagem adequada do excesso de água sob o edifício. No entanto, essa intervenção por si só pode não ser suficiente e é importante integrá-la com um adequado isolamento térmico.
Além disso, uma manutenção adequada do edifício é sempre benéfica, portanto, é indicado o uso de ferramentas de gerenciamento de manutenção para otimizar o tempo e reduzir os custos que podem surgir de eventos indesejados.

Diferença entre umidade de condensação e umidade ascendente

Ao lidar com o tema da umidade ascendente, é essencial distingui-lo do fenômeno da condensação, que representa uma questão diferente com soluções específicas.
A umidade por condensação se forma principalmente em ambientes internos com altas quantidades de vapor de água, como cozinhas e banheiros. Esse fenômeno ocorre quando a umidade do ar se condensa nas superfícies, causando acumulação de umidade principalmente durante os meses mais frios. Em casos mais graves, pode ser necessário identificar e resolver os pontes térmicos no edifício com a ajuda de ferramentas de gerenciamento de manutenção que permitem analisar os elementos finitos e avaliar o risco de formação de mofo.

Além disso, para verificar o risco de condensação intersticial, é fundamental calcular com precisão a transmitância térmica. Portanto, certifique-se de usar ferramentas específicas para o cálculo da transmitância térmica, permitindo determinar em tempo real a transmitância térmica e verificando o risco de condensação intersticial por meio do diagrama de Glaser.

Por outro lado, a umidade ascendente é distinta da condensação porque se manifesta com manchas uniformes ao longo das paredes, que se deslocam de baixo para cima. As manchas causadas pela umidade capilar são bem visíveis e geralmente não ultrapassam um metro de altura. Essas manchas não desaparecem ao longo do tempo, pois derivam da presença de água dentro das paredes e não secam facilmente.

termus-bridge
termus-bridge