Home » BIM e GIS » GIS no planejamento urbano e comunitário: usos e exemplos

GIS no planejamento urbano e comunitário: usos e exemplos

O GIS no planejamento urbano e regional fortalece por meio da análise e visualização de dados espaciais. Aqui estão funções e benefícios com tecnologias inovadoras e estudos de caso

A tecnologia GIS (Sistema de Informação Geográfica) desempenha um papel fundamental no planejamento urbano e regional, permitindo integrar informações geográficas e análises de dados para criar planos urbanos bem estruturados e sustentáveis.

O GIS fornece perspectivas detalhadas sobre território e infraestruturas, gera visualizações das condições ambientais e melhora o processo decisório dos stakeholders.

No entanto, para aproveitar os benefícios do GIS no planejamento urbano, é necessário utilizar tecnologias avançadas que ajudem os profissionais de planejamento, construção, segurança, obras públicas e engenharia a atender ou superar todas as necessidades. Nesse sentido, sugiro o software para GIS digital twin, que permite integrar modelos openBIM-IFC de edifícios e infraestruturas com dados GIS para criar modelos digitais que interagem territorialmente para conectar informações produzidas em tempo real por todos os stakeholders.

Descubra aplicações e benefícios do GIS no planejamento urbano e regional com estudos de caso.

O que é planejamento urbano e regional?

O planejamento urbano e regional é um processo pelo qual os espaços urbanos e regionais são organizados e gerenciados para atingir objetivos sociais, econômicos e ambientais específicos. Esse processo envolve o design e gestão do desenvolvimento de cidades e regiões para melhorar a qualidade de vida das pessoas que lá vivem.

Aqui estão alguns aspectos-chave do planejamento urbano e regional:

  • organização do espaço: o planejamento urbano e regional envolve a divisão do espaço em zonas e a determinação de como essas zonas serão utilizadas (por exemplo, residencial, comercial, industrial, agrícola, etc.);
  • desenvolvimento sustentável: o planejamento leva em consideração os impactos ambientais e sociais do desenvolvimento urbano e regional, buscando promover o uso sustentável dos recursos e a proteção do ambiente natural;
  • infraestruturas e serviços: o planejamento inclui o planejamento de infraestruturas públicas (como estradas, transportes públicos, parques, etc.) e serviços (como escolas, hospitais, instalações esportivas, etc.) necessários para apoiar a população e a atividade econômica;
  • mobilidade urbana: o planejamento também considera como as pessoas se deslocam dentro das cidades e regiões, buscando promover modos de transporte sustentáveis e reduzir o tráfego e a poluição;
  • participação pública: um elemento importante do planejamento urbano e regional é envolver a comunidade local no processo decisório, garantindo que suas necessidades e opiniões sejam consideradas no design do desenvolvimento urbano.

Em resumo, o planejamento urbano e regional visa criar cidades e regiões mais habitáveis, sustentáveis e equilibradas, levando em consideração as necessidades das pessoas e do ambiente circundante.

Papel da tecnologia GIS no planejamento urbano e regional

A integração do GIS no planejamento urbano permite enfrentar desafios específicos, como gestão de tráfego, planejamento de espaços verdes e avaliação de impacto ambiental.

O GIS fornece as ferramentas necessárias para projetar e mapear bairros e cidades, e a visualização, a análise espacial e a modelagem espacial permitem decisões informadas sobre o desenvolvimento urbano.

Além disso, as funções de consulta espacial e mapeamento do GIS permitem analisar a situação existente de uma determinada área, região ou cidade. Portanto, usando essas informações, é possível tomar decisões informadas sobre o estado de crescimento de uma área e planejar eficientemente seu desenvolvimento.

Com o GIS, os comitês de planejamento podem examinar dados detalhados, evitando o desenvolvimento em áreas de risco. Por exemplo, por meio da função de mapeamento em vários níveis do GIS, é possível visualizar uma variedade de elementos como terrenos agrícolas primários, águas superficiais, áreas com alta frequência de inundações e terrenos altamente erosivos. Essas informações permitem evitar o desenvolvimento urbano em áreas com alta frequência de inundações.

Por fim, o GIS facilita avaliações de viabilidade para projetos como pontes, escolas e instalações de resíduos.

Aplicações do GIS

As aplicações do (GIS) no planejamento urbano e regional são diversas e fundamentais para a gestão do território.

Alguns usos significativos incluem:

  • gestão de riscos e planejamento de emergências: os dados GIS são usados para conectar o gerenciamento de emergências com o planejamento espacial, analisando redes, cartografias temáticas e sistemas de informação territorial;
  • padronização e validação de dados urbanos: o GIS permite a coleta e análise de dados socioeconômicos e ambientais para possíveis padronizações;
  • análise das situações atuais: por meio de metodologias como a análise sobreposta, o GIS ajuda a identificar áreas onde o desenvolvimento do território entra em conflito com questões ambientais, sobrepondo o desenvolvimento atual aos mapas de adequação do solo;
  • implementação de planos urbanos: o GIS pode ser usado na implementação de planos urbanos conduzindo avaliações de impacto ambiental dos projetos propostos para avaliar e minimizar o impacto do desenvolvimento no ambiente;
  • inventário de recursos;
  • criação de mapas e planos de uso do solo.

Como o GIS é usado no planejamento urbano?

Aqui estão algumas das principais maneiras pelas quais os profissionais de planejamento urbano usam o GIS:

  • criação e atualização de mapas básicos e topográficos;
  • criação de inventários georreferenciados para várias categorias de bens: móveis urbanos históricos, áreas verdes, parques industriais, etc.;
  • monitoramento e controle da sinalização viária e pedestre;
  • estudos de mobilidade para entender os fluxos de pessoas e identificar pontos críticos;
  • preparação de relatórios de viabilidade para projetos urbanos, incluindo evitar construções em áreas sujeitas a inundações;
  • elaboração de estudos de impacto ambiental para projetos urbanos;
  • coleta de informações sobre redes de telecomunicações, elétricas e outras infraestruturas;
  • otimização de serviços públicos, como gestão de resíduos e manutenção de parques e jardins;
  • seleção das melhores localizações para centros e serviços públicos, como hospitais, centros esportivos e paragens de transportes públicos;
  • gestão do registro urbano;
  • georreferenciação de relatórios de emergência para uma resposta rápida;
  • identificação de áreas com maiores problemas de segurança pública.

Por que o GIS é importante no planejamento urbano e regional?

O GIS é uma ferramenta fundamental utilizada no planejamento urbano para análise e visualização de dados espaciais, contribuindo assim para decisões informadas sobre o uso do solo, o desenvolvimento de infraestruturas e a gestão de recursos.

Principais benefícios do GIS

Os principais benefícios do uso de dados GIS incluem:

  • melhor compreensão das necessidades urbanas atuais: graças ao GIS, os planejadores adquirem uma melhor compreensão das necessidades urbanas atuais, processando dados geoespaciais de várias fontes como imagens de satélite e fotografias aéreas. Isso fornece uma visão detalhada do solo e infraestruturas, facilitando o design para atender a essas necessidades.
  • Maior suporte para decisões mais informadas: o GIS gera visualizações das condições ambientais atuais de uma área e permite a comparação com os resultados previstos dos planos de desenvolvimento, além de permitir a análise do estado socioeconômico atual e a identificação de tendências futuras para decisões mais informadas.
  • Integração e visualização de dados: o GIS integra e visualiza grandes quantidades de dados de diferentes fontes, oferecendo uma visão abrangente da área de planejamento e seus problemas. Isso apoia o desenvolvimento de soluções alternativas e a previsão de mudanças demográficas, alterações no uso do solo e fluxos de tráfego.
  • Gerenciamento eficiente das informações: o GIS suporta a coleta, manutenção, análise e visualização de informações espacialmente relacionadas, melhorando a qualidade do planejamento e facilitando a comunicação entre as partes interessadas.
  • Gerenciamento mais eficiente dos recursos: o GIS ajuda na identificação de desastres naturais ou causados pelo homem e no monitoramento da população, contribuindo para um gerenciamento mais eficiente dos recursos.
  • Melhoria do mapeamento: uma vez que todos os mapas e dados de uma região podem ser armazenados em uma única localização central, o GIS pode melhorar a credibilidade dos mapas (quão atualizado é um mapa), aumentar a eficácia do mapeamento temático e reduzir os custos de armazenamento de dados.
  • Otimização da comunicação entre as partes interessadas: o GIS simplifica o processo de coleta, organização e recuperação de informações de uma ampla gama de fontes e permite visualizar dados de vários dispositivos. Por exemplo, usando o específico software que integra dados openBIM-GIS, você pode geolocalizar na nuvem todos os modelos openBIM em mapas temáticos GIS e esses dados são acessíveis a partir de vários dispositivos.
Modelos OpenBIM em mapas GIS temáticos -GIS no planejamento urbano

Modelos openBIM em mapas GIS temáticos- software usBIM.geotwin

Vantagens do uso do GIS para governos locais

Os governos locais obtêm muitas vantagens com o uso do GIS no planejamento urbano.

Entre os principais benefícios estão:

  • aumento da eficiência nos processos decisórios;
  • economia de tempo e dinheiro devido à facilidade de acesso às informações;
  • suporte à tomada de decisão baseada em dados precisos;
  • gestão mais eficaz dos recursos públicos;
  • maior envolvimento dos cidadãos nos processos decisórios;
  • promoção da transparência na administração pública.

Em conclusão, o GIS oferece muitas vantagens no planejamento urbano, contribuindo para uma melhor compreensão das necessidades da cidade, uma gestão mais eficaz dos recursos e uma comunicação otimizada entre as partes interessadas.

Aplicação de sensoriamento remoto

Com análises multitemporais, o sensoriamento remoto oferece uma perspectiva única sobre a evolução das cidades e a aplicação de tecnologias de sensoriamento remoto  e GIS no planejamento urbano fornece ferramentas poderosas para decisões baseadas em dados e evidências, a fim de criar cidades mais sustentáveis, resilientes e habitáveis.

Algumas aplicações-chave incluem:

  • mapeamento e monitoramento do uso do solo: dados de sensoriamento remoto e técnicas de GIS são usados para criar mapas detalhados do uso do solo, monitorar mudanças ao longo do tempo e avaliar planos futuros de uso do solo.
  • Análise do crescimento urbano e da “dispersão urbana“: o sensoriamento remoto e o GIS são empregados para avaliar e monitorar a expansão urbana, identificar padrões de urban sprawl (expansão urbana ou dispersão urbana) e apoiar decisões de planejamento urbano sustentável.
  • Planejamento de infraestruturas e serviços: a análise espacial baseada em GIS é usada para otimizar a localização e distribuição de infraestruturas urbanas, instalações públicas e serviços como redes de transporte, serviços públicos e centros de saúde.
  • Gestão ambiental e de riscos: dados de sensoriamento remoto e GIS são integrados para identificar problemas ambientais, avaliar riscos relacionados a fenômenos naturais e apoiar o planejamento de preparação para desastres e respostas de emergência em áreas urbanas.
  • Renovação urbana e requalificação: ferramentas baseadas em sensoriamento remoto e GIS permitem a visualização e análise de projetos de renovação urbana, facilitando o planejamento e implementação de iniciativas de regeneração urbana.

Portanto, o uso de sensoriamento remoto e GIS no planejamento urbano oferece vantagens significativas, incluindo:

  • informações espaciais precisas;
  • planejamento eficiente do uso do solo;
  • monitoramento do crescimento urbano;
  • gestão ambiental mais sustentável e resiliente;
  • otimização do planejamento de infraestruturas.

Exemplo de aplicação do GIS no planejamento urbano: estudos de caso

A integração de GIS e BIM permite combinar informações geográficas com dados sobre a estrutura dos edifícios, facilitando assim o planejamento, projeto, construção e gestão de edifícios e ambientes urbanos.

A seguir, são apresentados dois exemplos de aplicação do GIS em um ambiente urbanístico de duas realidades diferentes: Barcelona e El Jadida (Marrocos).

No primeiro caso, a partir da federação de modelos IFC na visualização geoespacial, são alcançados níveis avançados de consulta de propriedades de cada elemento, edifício e infraestrutura em nível arquitetônico e estrutural.

No segundo caso, a partir de nuvens de pontos e malhas texturizadas do modelo, é criado o modelo IFC para verificar dados e propriedades.

Em ambos os casos, o software de gêmeos digitais geoespaciais usBIM.geotwin ajuda a garantir uma gestão mais inteligente e proativa das infraestruturas e construções, contribuindo assim para criar ambientes urbanos mais eficientes e sustentáveis.

GIS no planejamento urbano: Barcelona

O vídeo a seguir mostra um exemplo concreto de como o GIS foi aplicado na cidade de Barcelona graças à integração de modelos openBIM-GIS.

Neste caso, foram federados 2000 modelos IFC, totalizando 120 GB de dados, demonstrando que não há limites para a complexidade ou quantidade de dados atualizáveis.

A presença de uma ampla gama de modelos IFC openBIM dentro da cidade digital inteligente permite uma gestão eficiente e inteligente de vários serviços e sistemas urbanos.

Diretamente da visualização geoespacial, é possível entrar em um nível avançado de detalhes e consultar as propriedades de cada edifício e infraestrutura em nível arquitetônico, estrutural e MEP. Isso permite uma análise detalhada dos recursos dentro do ambiente circundante.

GIS no planejamento urbano

Interrogação geoespacial dos modelos IFC: software usBIM.geotwin

Esta integração permite combinar e exibir informações detalhadas sobre as instalações de um edifício, melhorando a eficiência, segurança e sustentabilidade das infraestruturas e construções. Além disso, permite:

  • monitorar o estado e desempenho dos edifícios em tempo real;
  • otimizar as operações de manutenção e gestão;
  • prever potenciais problemas ou questões críticas antecipadamente.

GIS Planejamento Urbano e Comunitário: El Jadida, Marrocos

O vídeo a seguir demonstra como o software de gêmeos digitais geoespaciais permite o acesso e gerenciamento de grandes quantidades de dados, sem limites de complexidade, número e atualização, com representações de arquivos de várias dimensões, geolocalizados e integrados com o GIS.

Começando pela visualização geoespacial, é configurada a visualização BIM e são gerenciadas malhas texturizadas e nuvens de pontos de um edifício no centro da cidade histórica de El Jadida.

A partir da nuvem de pontos, é criado o modelo IFC para visualizar os dados estruturais e controlar as propriedades dos objetos no modelo 3D.

O uso de nuvens de pontos e malhas para criar um gêmeo digital permite uma maior eficiência, economia de tempo e redução de custos no ciclo de vida das estruturas e infraestruturas, otimizando o planejamento dos ambientes urbanos.

usBIM.geotwin
usBIM.geotwin