Home » BIM na construção » Auditoria modelo BIM: formatos padrão, requisitos e pontos críticos

Validação modelo BIM: formatos padrão, requisitos e pontos críticos_Edificius

Auditoria modelo BIM: formatos padrão, requisitos e pontos críticos

Auditoria do modelo BIM: análise dos formatos padrão IFC e BCF, aspectos-chave e pontos críticos. A necessidade de análises prévias às atividades de verificação (Clash Detection e Code Checking)

A auditoria do modelo BIM para detecção de interferências e inconsistências é uma atividade fundamental para o desenvolvimento e a implementação de um modelo BIM federado das várias disciplinas.

Essas atividades são definidas da seguinte forma:

Clash Detection

Análise das possíveis interferências geométricas entre objetos, modelos e documentos em relação a outros.

Model e Code Checking

Análise das possíveis inconsistências de informação de objetos, modelos e documentos em relação a normas e regulamentos.

O trabalho colaborativo e o formato BCF

O projeto do setor de construção geralmente envolve a colaboração entre diferentes equipes de especialistas.

Durante a revisão do projeto, podem surgir problemas e erros que precisam ser compartilhados com os diferentes membros das várias equipes. Pode acontecer de cada equipe trabalhar com seu próprio software para criar um modelo digital contendo informações relacionadas à sua área de especialização (por exemplo, estrutural, arquitetônica, engenharia de instalações etc.).

Um formato comum para facilitar a comunicação entre as várias partes interessadas envolvidas é o formato IFC (descrito e analisado anteriormente em outros artigos do nosso blog) , que traduz perfeitamente o conceito de informações mescladas e armazenadas em uma linguagem comum. Afinal de contas, a colaboração é muito mais direta quando todos nós temos o mesmo entendimento da linguagem que estamos usando para comunicar as informações.

Clash-detection-usBIM-software-BIM

O formato IFC contém dados relacionados a entidades modeladas, mas não é um formato projetado para trocar relatórios de documentos ou fluxos de trabalho.

Pelo contrário, o formato BCF é um formato aberto que permite adicionar comentários textuais, capturas de tela e outras informações no modelo IFC, graças a um software BCF. O objetivo é garantir uma melhor comunicação entre os vários grupos envolvidos na implementação de um projeto.

O BCF é um formato proposto por várias empresas de software em 2009 e tem como objetivo ser um padrão aberto capaz de garantir fluxos de comunicação entre as várias soluções de software baseadas em BIM.

Ele permite um método de comunicação ordenado e eficaz, totalmente rastreável e separado do modelo digital no formato IFC, mas que, ao mesmo tempo, pode ser integrado a ele para permitir a coordenação das várias equipes em um processo de projeto.

O arquivo BCF é um arquivo compactado que contém uma pasta para cada interferência/inconsistência detectada. Dentro desse arquivo, há três tipos de arquivos com a tarefa de transmitir todas as informações necessárias para identificar o problema de forma unívoca.

São eles:

  • MARKUP, que é um arquivo que contém informações textuais sobre o arquivo IFC com o modelo, o autor do relatório, as entidades envolvidas e os comentários necessários para resolver o problema.
  • VIEWPOINT, pontos de vista que enquadram o problema encontrados diretamente no modelo digital. Eles podem ser múltiplos e podem ser vinculados aos comentários contidos no Markup.
  • SNAPSHOT, ou seja, imagens do problema detectado ligadas aos pontos de vista definidos no modelo digital.

Pontos críticos do formato IFC e pré-requisitos de um modelo para a criação de conjuntos de regras personalizáveis

O uso do formato IFC é muitas vezes acompanhado de dúvidas sobre sua confiabilidade.

Uma pergunta comum é: “Ao exportar para o formato IFC, há algum risco de perda de dados?”.

O que é o IFC

A pesquisa científica sobre o formato IFC geralmente é conduzida com um teste sequencial. O princípio é simples: um arquivo IFC é importado para um software baseado em BIM e, em seguida, imediatamente exportado para um novo arquivo IFC. Outro software baseado em BIM importa esse arquivo e executa a mesma sequência de operações.

Após uma série de importações e exportações entre diferentes softwares BIM, se a conversão de entidades IFC em entidades proprietárias no software for 100% funcional, o modelo resultante deverá ser idêntico ao modelo de origem inicial.

No entanto, o formato IFC não foi projetado para transmitir o conceito de parâmetros e componentes, mas para possibilitar a troca de informações (geométricas e alfanuméricas) entre os diversos profissionais que colaboram durante o desenvolvimento de um projeto.

Isso significa que é muito mais correto pensar no formato IFC como um instantâneo do projeto, que enquadra o modelo digital em um determinado momento e de um determinado ponto de vista, e a partir da disciplina que o gerou.

Portanto, é bom ter uma ferramenta que analise o modelo BIM (ou mesmo federações de modelos) e possa verificar a presença de determinadas informações ou requisitos geométricos essenciais, dependendo do uso a que o modelo se destina.

O formato BCF permite:

  1. comunicar quaisquer inconsistências encontradas;
  2. compartilhá-las na forma de relatórios para solicitar uma modificação do modelo digital (a ser realizada no software nativo BIM usado) e um novo compartilhamento do mesmo no formato IFC.

Pontos críticos e atividades prévias à verificação

Vamos supor que temos um modelo no formato IFC que precisa ser submetido a atividades de detecção de conflitos ou verificação de código BIM.

Antes de prosseguir, você deve ser capaz de verificar se o arquivo IFC está formalmente correto e não apresenta defeitos geométricos e/ou informativos.

No entanto, seria interessante ter um software que permitisse realizar as avaliações preliminares necessárias, com as seguintes funcionalidades:

  • redefinição pontual da geometria: possibilidade de redefinir a geometria de um elemento exportado no formato IFC, sem a necessidade de retrabalhar todo o modelo digital. Vamos falar de redefinições pontuais e não da possibilidade de remodelar completamente a entidade.
  • Adição/correção de informações: possibilidade de adicionar informações às entidades ou corrigir qualquer informação incorreta. Essa oportunidade garantiria a aceleração do fluxo de criação de um modelo digital federado. De fato, no momento em que um dado solicitado não está presente no modelo IFC, é impossível ter o valor numérico ou alfanumérico para ser verificado e submetido ao nosso conjunto de regras de verificação. No entanto, algumas informações (ausentes ou incorretas) podem ser deduzidas diretamente de nosso modelo digital graças a ferramentas específicas.
  • Criação de relacionamentos: a possibilidade de fazer alterações nos relacionamentos, como criar uma hierarquia entre entidades ou estabelecer correspondências entre elementos com base em seus valores de parâmetro, facilita o processo de verificação.

Aspectos e atividades críticos antes da verificação

Depois que essas avaliações preliminares forem feitas e as inconsistências encontradas forem corrigidas, podemos prosseguir com as atividades conhecidas de verificação de modelos: detecção de conflitos (Clash Detection) e verificação de código (Code Checking).

Clash Detection

Clash-usBIM-software-BIM

O fluxo de trabalho de detecção de conflitos consiste em verificar as interferências geométricas entre os objetos BIM. É o processo de identificação de elementos que colidem uns com os outros. Essas entidades podem colidir por vários motivos, obtendo diferentes tipos de erros de detecção de conflito:

  • hard clash: elementos que ocupam o mesmo espaço, por exemplo uma viga ou um pilar que atravessam uma janela. Nesse caso, é necessário voltar a modelar um ou mais modelos digitais comparados.
  • Soft clash: os elementos não são compatíveis do ponto de vista geométrico, pois invadem o respetivo espaço necessário para montagem ou manutenção. Nesse caso, é possível adiar a resolução de conflitos diretamente até à fase de construção, sem realizar novamente os modelos digitais.
  • 4D/workflow clash: elementos que são temporalmente e mutuamente inadmissíveis; por exemplo, de uma peça de mobiliário que, devido ao seu tamanho, deve ser introduzida em um ambiente antes que as divisórias sejam concluídas. Nesse caso, é apropriado resolver o problema abrindo uma marcação em correspondência com os elementos envolvidos, sem a necessidade de atualizar ou modificar os modelos digitais.

Code checking

Code-checking-usBIM-software-BIM

A verificação de código (Code Checking) consiste na verificação de inconsistências de informações e regras às quais nosso modelo digital deve atender, com a identificação de inconsistências com

  1. prescrições do EIR (Employer Information Requirement) ou do Plano de Execução BIM: casos em que alguns critérios de modelagem correta podem ser violados ou propriedades específicas solicitadas nos documentos podem estar ausentes.
  2. Regras ou regulamentos técnicos específicos: nesse caso, os requisitos técnicos regulamentares ou normativos podem ser violados (por exemplo, alturas mínimas para alcançar a acessibilidade das instalações, larguras de acesso, distâncias de segurança etc.).
  3. Critérios personalizados: nesse caso, os requisitos ou exigências definidos pelo projetista/cliente podem ser violados (por exemplo: presença de elementos necessários para o uso correto do edifício, etc.)

 

Naturalmente, eventuais dificuldades devem poder ser realçadas de forma gráfica e tabular, permitindo ao técnico responsável fazer as alterações requeridas.

A análise dos problemas detectados é compartilhada através da visualização e a descrição contextual nos vários formatos padrão BCF ou nos formatos Excel e PDF.

 

usbim
usbim