A imagem ilustra o conceito de City Information Modeling

City Information Modeling: do BIM ao CIM

Do Building Information Modeling ao City Information Modeling: como gerenciar edifícios, infraestruturas e inteiras cidades graças a modelos 3D virtuais e interativos

CIM é um termo já em uso há muitos anos, mas não tão conhecido como o BIM (Building Information Modeling).

Vamos descobrir o que é o CIM, quais são suas características e por que você vai ouvir cada vez mais sobre ele.

CIM: o que é?

CIM, acrônimo de City Information Modeling, é um processo baseado no gerenciamento do modelo 3D de grandes áreas ou sistemas complexos compostos por vários modelos BIM. Por isso, ele também é conhecido como super BIM.

Para saber tudo sobre o BIM, leia nosso aprofundamento “Para que serve o BIM?“.

O modelo CIM é um conjunto de modelos BIM que reconstrói um pedaço de cidade ou infraestrutura estendida no espaço. Na prática, falamos do mesmo conceito do BIM, mas aplicado à escala urbana e ao setor das infraestruturas.

A imagem ilustra o conceito do CIM na industria da construcao

O que é o CIM

Podemos, portanto, dizer que o BIM está para o setor de construção assim como o CIM está para o setor das infraestruturas.

Assim como no BIM, também no CIM o modelo 3D representa o fulcro de todo o processo: o elemento de ligação entre os usuários (projetistas, empresas, clientes, técnicos de manutenção, etc.) e as informações (geométricas e não geométricas) referentes à obra a realizar.

Em particular, no caso do City Information Modeling, o modelo contém informações relativas a edifícios, estradas, espaços públicos, sistemas de iluminação pública (também graças à tecnologia IoT), incluindo os dados sobre os usuários dessas áreas específicas.

Os projetistas envolvidos no processo têm acesso às informações armazenadas e implementadas ao longo do tempo.

City Information Modeling: para que serve?

A colaboração é um dos elementos-chave do BIM, e esse grande potencial de colaboração também se aplica ao CIM.

O CIM, de fato, permite que os projetistas trabalhem em equipe em uma série de modelos 3D virtuais, de forma interativa e em tempo real. Essa forma de trabalhar, comparada aos métodos tradicionais, oferece ótimos resultados a baixo custo, principalmente em áreas multidisciplinares, por meio de projetos interativos e em tempo real.

Graças ao City Information Modeling, é muito mais fácil analisar diferentes cenários de projeto, avaliar riscos, soluções e tomar decisões planejadas e compartilhadas, limitando erros e imprevistos. É, ainda, possível realizar projetos em qualquer escala, desde uma estrutura de pequeno porte até uma cidade inteira, e explorar sistemas de inteligência artificial e Internet das Coisas (IoT).

Para saber mais sobre IoT no BIM, confira nossa matéria “O que é o IoT aplicado ao BIM: saiba mais“.

Praticamente, os usuários envolvidos integram, diretamente em seus navegadores, os modelos de projeto BIM em ambientes de modelos de cidade 3D interativos e repletos de conteúdos. Os modelos CIM viram assim ricos contentores de informações a aproveitar para trocar, analisar e conferir todo dado crucial do projeto e colaborar com qualquer membro da equipe, em qualquer lugar do mundo e em tempo real.

O City Information Modeling também possibilita avaliações complexas, como análise de irradiação solar, microclima, tecnologia de iluminação, tráfego e o impacto de desastres naturais (terremotos, furacões, inundações, etc.).

Os modelos CIM são usados principalmente por arquitetos, engenheiros, urbanistas e profissionais envolvidos no projeto em qualquer escala.

Do Building Information Modeling ao City Information Modeling

O BIM é um processo que combina projeto, construção, manutenção e desmissão de um edifício, bem como o gerenciamento de seus custos. O CIM surgiu da extensão da própria metodologia BIM para as infraestruturas e a indústria civil.

Querendo fazer uma distinção imediata entre o BIM e o CIM, poderíamos dizer que o BIM se refere a “construções verticais” (edifícios, estruturas, etc.), enquanto o CIM é usado para “construções horizontais” (estradas, túneis, infraestruturas, etc.). O conceito por trás deles, porém, é exatamente o mesmo: em ambos os casos existe um modelo virtual 3D, que é o gêmeo digital daquele a ser construído e possui detalhes e informações úteis para todo o ciclo de vida da construção. Essas informações são inseridas diretamente no modelo 3D, graças a um software específico, e analisadas antes do início das obras.

No modelo BIM, ao modificar qualquer elemento (ou objeto paramétrico), todas as vistas que mostram esse elemento são atualizadas em tempo real e de forma automática, permitindo que projetistas e empreiteiros tenham acesso contínuo a informações atualizadas. Isso também ocorre em modelos CIM, representando uma grande vantagem principalmente no caso de modelos complexos.

O projeto de modelos 3D, tanto para BIM quanto para CIM, sempre implicou seus desafios, incluindo comunicação e colaboração entre todos os atores envolvidos no processo.

Porém, os avanços tecnológicos ao longo dos anos trouxeram melhorias significativas e o uso do BIM se tornou prática comum para empresas e profissionais do setor AECO, graças a BIM management systems e ferramentas colaborativas que facilitam o trabalho em equipe.

O City Information Modeling também estará cada vez mais presente no dia a dia dos profissionais e é, portanto, fundamental acompanhar as contínuas evoluções tecnológicas e metodológicas do mundo da construção.

Assim como o BIM, mais do que um software o CIM é um processo: ele envolve o planejamento do projeto até a construção, operação e manutenção, levando em conta o gerenciamento de custos e operações, bem como do projeto como um todo.

BIM e CIM são processos utilizados para melhorar fluxos de trabalho, compartilhamento de informações e gerenciamento do ciclo de vida da construção.

Em particular, o CIM permite projetar e gerenciar dinamicamente o modelo 3D de uma inteira área para melhorar a colaboração e o resultado do projeto, incluindo a rentabilidade da intervenção.

BIM, CIM e GIS

Para planejar cidades inteligentes, seria muito útil combinar informações e vantagens resultantes da aplicação de tecnologias BIM, GIS e CIM.

Para saber mais sobre a relação entre BIM e GIS, confira nossa matéria sobre a integração entre BIM e GIS.

Como vimos, o conceito de City Information Modeling envolve a modelagem de informações de modelos urbanos e infraestruturas, utilizando uma grande quantidade de dados multidisciplinares.

Ao integrar esses dados com os resultantes do BIM (Building Information Modeling) e do GIS ( Geographic Information System, em português Sistema de Informação Geográfica) — que colocam modelos e dados em um mapa georreferenciado, é possível criar um sistema estruturado que vai conectar a infraestrutura ao seu contexto urbano.

Isso gera um processo de tomada de decisão informado para todas as partes interessadas e facilita as escolhas a serem planejadas. É o sistema ideal para, por exemplo, escolher a localização melhor para um determinado edifício, com base na sua finalidade e na potencial alteração da paisagem urbana ao seu redor (proximidade de escolas, transportes públicos, etc.).

Além disso, é possível realizar simulações para gerenciar emergências, como em caso de incêndio, ataque terrorista ou desastre natural, fornecendo rotas de fuga, planos de evacuação, áreas seguras, etc.

Em outras palavras, é possível integrar muitos dados que levam a processos harmonizados concebidos para evitar erros e promover um planejamento virtuoso de decisões.

Está è procura de uma ferramenta online para trabalhar com o GIS? Comece agora a usar gratuitamente usBIM.gis.

usbim
usbim