ISO 16739: o que é?

ISO 16739, o padrão internacional que define as características do formato IFC para compartilhamento de dados em um processo BIM

A ISO 16739 define o IFC: o formato aberto, não proprietário, indispensável para troca de dados entre usuários que utilizam softwares diferentes dentro de um mesmo processo BIM.

Vamos ver o que a ISO 16739 estabelece e para que serve o formato IFC.

Entretanto, se você trabalha com BIM ou deseja visualizar e gerenciar um arquivo no formato IFC, adote um BIM Management System simples, rápido e gratuito.

O que é a ISO 16739?

A ISO 16739: 2013, “Industry Foundation Classes (IFC) para compartilhamento de dados nos setores da construção e do gerenciamento de ativos”, é um padrão internacional aberto para dados BIM que são trocados e compartilhados entre softwares usados por diferentes profissionais em um projeto de construção ou gerenciamento de ativos.

Na prática, a norma define:

  • um esquema de dados conceitual;
  • um formato de arquivo de troca para os dados que entram em jogo no processo BIM.

Ela estabelece uma linguagem informática EXPRESS-G e XML de cada domínio e atributo de referência, definindo em particular descrição, uso e vínculos com outros domínios. Também é possível usar formatos de arquivo alternativos, mas somente se estiverem de acordo com o esquema conceitual.

É evidente que o conteúdo do padrão é destinado principalmente a programadores e desenvolvedores. No entanto, entender a origem dos dados e suas características também pode ser útil para os projetistas, a fim de gerenciar corretamente a exportação de dados em formato IFC de seu software de autoria BIM.

De fato, a norma descreve todas as relações que um objeto BIM deve ter tanto na concepção de suas propriedades quanto nas relações que cria na associação com outros objetos ou sistemas por meio de parâmetros (PropertySet).

Cada tipo de objeto é identificado por PropertySet e QuantitySet, divididos por Tipos e Entidades. Os softwares BIM baseiam-se nestes conceitos para distinguir os parâmetros específicos de cada objeto daqueles que identificam um tipo de elemento comum a vários objetos.

Os objetos são definidos por um domínio de identificação específico e hierárquico, que caracteriza com precisão cada objeto (por exemplo, o domínio IfcDoor contém atributos específicos para o elemento “porta”) e, de forma mais geral, identifica uma categoria de elemento (por exemplo, o domínio IfcElement pode caracterizar um objeto em sua concepção mais genérica).

O escopo da norma ISO 16739: 2013 abrange:

  • definições do formato de troca BIM necessárias durante as etapas do ciclo de vida da construção:
    • demonstrar a necessidade;
    • concepção de necessidade;
    • delinear a viabilidade;
    • estudo de viabilidade substancial e definição de autoridade financeira;
    • delinear o projeto conceitual;
    • projeto conceitual completo;
    • projeto coordenado;
    • comissionamentos e plena autoridade financeira;
    • informações de produção;
    • construção;
    • operação e manutenção;
  • definições do formato de troca BIM exigidas pelas várias disciplinas envolvidas nas fases do ciclo de vida:
    • arquitetura;
    • serviço de construção;
    • engenharia estrutural;
    • fornecimento de materiais;
    • planejamento da construção;
    • gerenciamento das instalações;
    • gerenciamento do projeto;
    • gerenciamento das necessidades dos clientes;
    • autoridade de construção para autorizações e aprovações;
  • definições do formato de troca BIM, incluindo:
    • estrutura do projeto;
    • componentes físicos;
    • componentes espaciais;
    • elementos de análise;
    • processos;
    • recursos;
    • controles;
    • atores envolvidos;
    • definição do contexto.

O que é o IFC?

Falamos sobre o arquivo IFC, mas o que exatamente é isso? Para que serve? Realmente ajuda o trabalho dos projetistas?

O arquivo IFC é um formato de arquivo aberto, não proprietário, usado para trocar e compartilhar dados durante as fases de projeto, construção, gerenciamento e manutenção entre todos os profissionais e os vários aplicativos desenvolvidos por diferentes software houses, sem a necessidade delas suportarem arquivos nativos (proprietários).

Projetado pela buildingSMART International para apoiar a interoperabilidade entre os profissionais do setor AECO, o formato IFC permite produzir arquivos que incluem:

  • informações geométricas das várias entidades de componentes “simples” do edifício (paredes, portas, pavimentos, etc.) e seus respectivos dados;
  • informações alfanuméricas (propriedades, quantidade, classificação, etc.) que especificam parâmetros, propriedades físicas, informações para construção, informações para manutenção, etc.

Para saber mais, leia o artigo “Arquivo IFC: tudo o que você precisa saber“.

Esquema IFC

O esquema IFC é um sistema de arquivamento para a organização e transferência de dados digitais, a fim de facilitar a interoperabilidade entre diferentes atores.

O IFC define um modelo integrado com centenas de entidades organizadas hierarquicamente.

Existem 3 conceitos fundamentais em que se baseia a lógica IFC e que representam a sua estrutura:

Arquitetura arquivo IFC: IfcObjectDefinition, conforme ISO 16739

Estrutura do esquema de dados IFC

O esquema IFC é um modelo de dados padronizado que codifica logicamente:

  • a identidade e a semântica (nome, identificador único legível automaticamente, tipo de objeto ou função);
  • recursos ou atributos (como material, cor e propriedades térmicas);
  • relações (incluindo locais, conexões e propriedades) entre:
    •  objetos;
    • conceitos abstratos;
    •  processos;
    • pessoas.

Um subconjunto do esquema de dados é chamado de Model View Definition (MVD). As MVDs representam subconjuntos do esquema IFC, definidos pela buildingSMART International, que agrupam informações úteis para fluxos de trabalho específicos ou usos no setor da construção e do gerenciamento de ativos.

A imagem mostra o esquema da Model View Definition no openBIM, conforme ISO 16739

Model View Definition

Basicamente, trata-se de uma exibição filtrada que contém apenas uma parte de todas as informações presentes em todo o esquema.

Cada fluxo de trabalho identifica os requisitos de troca de dados para softwares. Os softwares compatíveis devem identificar a Model View Definition a que se conformam.

Essas visualizações são muito úteis, pois permitem simplificar o processo de troca de dados e evitar o compartilhamento de noções inúteis ou redundantes, seguindo procedimentos padronizados.

 

usbim
usbim