O que é a análise do local em arquitetura?

A análise do local antecede o projeto arquitetônico e é essencial para planejar a inserção de novos edifícios. Veja como auxiliar o técnico

Na arquitetura, a análise do local é o processo de avaliação das características físicas, sociais, arquitetônicas, paisagísticas, etc. do local que irá acolher uma obra, de forma a desenvolver uma solução arquitetônica em harmonia com seu contexto.

A imagem mostra um mapa territorial do programa usBIM.gis, útil para realizar uma análise do local em arquitetura.

Análise de um local com usBIM.gis

Neste artigo vemos como analisar corretamente o site, os passos para fazê-lo, quais aspectos considerar antes de iniciar o projeto e quais software podem apoiar a atividade do profissional.

Como fazer um plano de análise do local

Cada local é único e são muitos os elementos e fatores que intervêm na sua caracterização: topografia, elementos naturalistas (cursos de água, vegetação, fauna, etc.), história (presença de monumentos, edifícios característicos ou tradicionais, fatos históricos, etc.), edifícios e infraestruturas existentes, aspetos sociais, clima, constrangimentos (urbanismo, paisagem, etc.), etc.

A análise dessas características, em conjunto com os objetivos definidos por projetistas e clientes, são a base para tomar decisões informadas ao longo de todo o processo de projeto: desde a escolha das formas, aos materiais, dos tipos de construção, ao tipo de sistemas.

Normalmente para sistematizar todas as características do local que encontramos na fase de pesquisa, pensamos em diagramas, gráficos e esquemas que descrevem os caminhos do sol e das sombras, acessos à área, circulação, uso do solo, espaços, pontos de referência, etc.

A imagem mostra o esquema resultante de uma análise do local, com as curvas de nível do terreno, uma régua e, no lado direito, alguns lápis coloridos.

Esquema de análise do site na arquitetura

A representação gráfica desses elementos também significa analisá-los para entender como eles podem influenciar as escolhas do projeto. A análise do local em arquitetura consiste em 3 fases específicas: pesquisa, análise, síntese.

Pesquisa

A fase de pesquisa é a primeira abordagem para estudar um lugar e deve considerar todos os aspectos presentes, mas também os passados que mudaram ou evoluíram ao longo do tempo.

Geralmente esta informação pode ser adquirida através da combinação de diferentes fontes:

  • mapas históricos e mapas atualizados;
  • órgãos públicos;
  • associações de moradores;
  • bibliografia local;
  • arquivos;
  • sites;
  • visitas técnicas ao local.

Durante as visita técnica, é necessário coletar toda a informação, até as primeiras impressões pessoais, dados sensoriais, pontos de acesso à área, levando em conta também o tipo de moradores.

Também é necessário fazer um levantamento geométrico da área, caso não possua plantas baixas detalhadas.

Por fim, é sempre útil tirar muitas fotos, esboços e vídeos que serão certamente úteis nas fases sucessivas.

Análises

Depois de coletar as informações, você precisa revisar os resultados da pesquisa.

Nesta fase, deveremos estudar todas as conexões entre as várias informações, criando material gráfico (diagramas, esquemas, etc.) e, sobretudo, colocando questões e perguntas. Ou seja, é necessário se perguntar: o que aprendi do local e como utilizar esse conhecimento para meu projeto?

Síntese

Vale lembrar que, se for um fim em si mesmo, a coleta de dados acaba sendo inútil. Pelo contrário, os dados coletados devem subsidiar as decisões. Ao combinar os resultados da pesquisa, observações, referências normativas, você estará pronto para aplicar os resultados e iniciar a fase de projeto.

O que deve ser incluído na análise arquitetônica do local?

A análise do local deve incluir o contexto climático, geográfico, histórico, social, legal e de infraestrutura.

Não existe uma forma única de representar esta informação, mas certamente não devem faltar:

  • fotografias anotadas;
  • esboços;
  • mapeamentos de sites;
  • diagramas de análise;
  • esquemas.

Os diagramas e esquemas do local são as ferramentas que começam a ilustrar as origens do processo de projeto: devem representar o que pode ser feito e quais são as condições essenciais que influenciam o processo decisório.

A imagem mostra uma sobreposição de vários mapas territoriais, com imagens do satélite.

Integração BIM e GIS

Para criar mapas SIG ligados a modelos BIM, bases de dados partilhadas, esquemas com indicadores territoriais (condições climáticas, vulnerabilidade sísmica, risco hidrogeológico, infraestruturas e serviços logísticos, qualidade de construção, etc.), recomendamos o uso de um software BIM-GIS grátis e totalmente online.

Com usBIM.gis, todas as informações que em papel tornam-se digitais, sempre disponíveis online, compartilháveis com seus colaboradores, armazenadas de forma segura e editáveis ou implementáveis quando necessário. Além disso, a possibilidade de associar modelos BIM no mapa será muito útil na fase de projeto.

Quais são as etapas?

Vamos ver em detalhes quais são os aspectos que você precisa considerar na fase de análise do site, aqui está um checklist:

  • Análise geral
    • Localização geográfica
    • Limites do site
    • Acesso à área
    • Segurança do site
    • Edifícios existentes
  • Prédios vizinhos
    • Distâncias
    • Alturas
    • Uso pretendido
    • Estilos e características arquitetônicas
    • Exposição solar dos imóveis
    • Legislação
    • Acústica
  • Requisitos regulatórios
    • Paisagem, restrições hidrogeológicas, etc.
    • Servidões administrativas e direitos de passagem
    • Planos municipais, estaduais e regulamentos nacionais
  • Acessibilidade
      • Estradas públicas e privadas
      • Calçadas
    • Acesso de pedestres
    • Sistema rodoviário existente
  • Topografia
    • Curvas de nível
    • Características do solo
    • Exposição
  • Exposição solar
    • Exposição solar ao longo do dia e do ano
    • Sombreamento
  • Exposição ao vento
    • Direção predominante
    • Exposição
    • Barreiras existentes
  • Transporte público
    • Paradas de ônibus, trens, metrôs, etc.
  • Árvores e vegetação
    • Espécies de vegetação existentes
    • Sistemas radiculares das plantas
    • Vegetação a ser preservada / removida
    • Finalidades da vegetação existente (barreira de vento e ruído, privacidade, sombreamento, etc.)
  • Ecologia
    • Espécies e áreas protegidas
    • Avaliação de impacto ambiental
  • Restrições do site
    • Visibilidade
    • Atividades vizinhas
    • Poluição
    • Áreas sujeitas a inundações, deslizamentos de terra, etc.
  • Riscos
    • Linhas de energia, drenos, linhas telefônicas, serviços subterrâneos, etc.
    • Áreas degradadas
    • Proximidade de estruturas inacabadas ou inseguras

Este diagrama será útil para você não esquecer nada na fase de análise e fazer escolhas informadas durante o projeto e a execução das obras.

 

usbim-gis
usbim-gis