Home » BIM e facility management » As vantagens da manutenção sob condição

As vantagens da manutenção sob condição

A manutenção sob condição é um tipo de manutenção preventiva que monitora a condição real de um ativo para evitar avarias. Saiba mais


Se é um profissional do sector AECO, certamente saberá que existem vários tipos de manutenção, cuja escolha depende das características do ativo.

Trabalhar um ativo é sempre um processo delicado e complexo: por isso, recomendamos contar sempre com um software de gestão de manutenção profissional que agilize os pedidos de intervenção, o planejamento de manutenção e a colaboração em equipe .

Neste artigo vamos detalhar a manutenção sob condição, que é um tipo de manutenção preventiva não programada.

O que é a manutenção sob condição?

A manutenção sob condição, do inglês Condition Based Maintenance, pretende monitorar a condição real de um ativo para decidir qual operação realizar. A CBM, de fato, impõe que a manutenção deva ser realizada apenas quando determinados indicadores mostram diminuição do desempenho ou falha iminente.

Ao contrário da manutenção programada, onde a manutenção é realizada em intervalos programados predefinidos, a CBM é realizada somente após a observação de uma diminuição no desempenho do ativo.

O objetivo da manutenção sob condição é, portanto, monitorar continuamente as atividades e o desempenho do ativo para identificar possíveis falhas iminentes. Desta forma, a manutenção pode ser planejada proativamente, quando o desempenho estão diminuindo mas ainda não houve falhas.

O monitoramento constante e em tempo real dará à equipe de manutenção tempo suficiente para estudar como intervir e agir antes que ocorra uma falha ou o desempenho caia abaixo do nível ideal.

A imagem mostra o fluxo de trabalho de manutenção baseado em condição

Fluxo de trabalho de manutenção baseado em condição

Quais são as diferenças entre manutenção sob condição e manutenção preditiva?

A manutenção sob condição (CBM) e a manutenção preditiva (PdM) são frequentemente confundidas porque ambas dependem de dados para determinar se a manutenção é necessária ou não e pretendem evitar paradas inesperadas.

No entanto, as diferenças são muito maiores:

Manutenção SOB Condição (CBM)Manutenção preditiva (PdM)
Baseia-se em diagnósticos destacados pela análise das condições (vibrações, temperatura, pressão, velocidade, tensão) para determinar quando é necessária uma intervenção de manutenção.Combine diagnósticos destacados pela análise de condições com fórmulas preditivas complexas para prever quando a manutenção pode ser necessária.
Baseia-se em regras estáticas para a tomada de decisão.Baseia-se em regras dinâmicas para a tomada de decisão.
Forma otimizada de manutenção preventiva baseada em algoritmos de detecção, diagnóstico e prognóstico contínuos.Manutenção preventiva tecnologicamente avançada baseada no reconhecimento algorítmico da máquina.
Notifique os técnicos no momento exato em que algo está errado.Prevê falhas futuras por meio do uso de tecnologias avançadas.

Vale salientar que a manutenção preditiva é uma versão mais avançada, precisa e confiável da manutenção sob condições, porém, exige um investimento econômico significativo e ainda não sustentável.

Quantos tipos de manutenção sob condição existem?

Um pouco como a manutenção preditiva, também existem diferentes tipos de manutenção sob condição, em relação ao ativo a ser monitorado, suas características e as tecnologias implementadas.

Indicamos abaixo os mais comuns:

  1. análise de vibração: em condições normais de funcionamento, muitos aparelhos emitem um certo grau de vibração, uma alteração nesse grau vibracional pode indicar perda de desempenho ou mau funcionamento.
  2. Infravermelho: as câmeras de infravermelho interceptam pontos do imóvel ou equipamento onde há presença anormal de altas temperaturas que podem, portanto, indicar possíveis avarias.
  3. Análise ultrassônica: um equipamento em ótimo funcionamento, produz um determinado som. A alteração no som produzido pode indicar alterações no funcionamento da própria máquina.
  4. Análise acústica: usado para detectar vazamentos de líquidos ou gases.
  5. Análise de óleo: mede o número e o tamanho das partículas em uma amostra para determinar o desgaste do ativo.
  6. Análise elétrica: através de amperímetros é possível detectar anomalias na passagem de corrente do equipamento.
  7. Performance operacional: o desempenho dos ativos é determinado através de diferentes dispositivos e sensores que monitoram diferentes parâmetros de acordo com as necessidades (pressão, temperatura, fluxo, etc.).
A imagem mostra alguns exemplos concretos de manutenção sob condição

Tipos de manutenção de acordo com a condição

Alguns exemplos

Para se ter uma ideia da aplicação da manutenção condicional, seguem alguns exemplos concretos:

  1. monitoramento de temperatura de computadores e maquinário para evitar superaquecimento ou o uso de unidades HVAC inteligentes para controlar a temperatura do edifício e economizar energia;
  2. monitoramento de pressão em um sistema de água para localizar qualquer vazamento;
  3. monitoramento de partículas de óleo em máquinas ou veículos, desta forma é possível proceder à intervenção não nos prazos pré-estabelecidos mas apenas quando realmente necessário.

Haveria centenas de outros exemplos semelhantes aos que acabamos de relatar, pois existem centenas de parâmetros que podem ser monitorados com esse tipo de manutenção, evitando quebras e reparos mais substanciais e caros.

Etapas de um programa de manutenção sob condição

Para poder implementar um programa de manutenção válido, aqui estão os 6 passos que não devem ser perdidos:

  1. identificar quais peças ou equipamentos têm prioridade de intervenção sobre os demais;
  2. identificar quais falhas os ativos identificados anteriormente podem encontrar com mais frequência;
  3. selecionar os métodos de monitoramento mais adequados com base nas possíveis falhas identificadas;
  4. determinar o prazo que pode decorrer entre a identificação da avaria e a intervenção antes da ocorrência da avaria;
  5. analisar os dados recolhidos através da monitorização e planificar os métodos de intervenção;
  6. determinar papéis e responsabilidades de intervenção dentro da equipe de manutenção.

Benefícios

  • Redução do número de separação.
  • Maior segurança no trabalho para a equipa de manutenção que deve intervir para sanar avarias e não para reparar avarias.
  • Menos tempo de inatividade pois ao prever a falha não estará sujeito à interrupção da operação causada pela própria falha.
  • Tempos e custos de manutenção reduzidos como a intervenção em avarias ou pequenos defeitos exige menos investimento de recursos do que a avaria já ocorrida.
  • Escolhas direcionadas para as intervenções a serem realizadas, assim, uma vez identificados os problemas, pode-se optar por intervir, sem carácter de urgência, nos momentos que menos incomodem os utentes.
  • Aumento de desempenho e vida útil do ativo.

Intervir na manutenção de um bem ou parte dele é sempre uma fase delicada que precisa do apoio de um software profissional e confiável para ser eficiente. Para isso, recomendamos que você experimente por si mesmo um software de gestão de manutenção para descobrir como ele ajuda você a melhorar a produtividade dos processos de manutenção e reduzir o tempo e os custos associados à gestão .

 

usbim-maint
usbim-maint