Home » BIM e facility management » O que é a disponibilidade de um sistema?

O que é a disponibilidade de um sistema?

A disponibilidade de um sistema é uma métrica usada para avaliar a probabilidade de que um ativo esteja disponível para uso quando necessário

A eficiência de um sistema produtivo depende em grande parte da quantidade de tempo que o maquinário é capaz de funcionar de maneira adequada e sem problemas.

Avaliar o desempenho de seus sistemas, empresas e profissionais no Facility Management pode contar com a ajuda de alguns importantes indicadores de desempenho. Entre eles, os chamados métricas de disponibilidade que têm por objetivo determinar o nível de operação dos ativos.

Antes de mostrar como calcular essas métricas de manutenção, recomendo que você confie imediatamente no potencial de um software de gestão de manutenção para monitorar as condições de operação do seu equipamento. A utilização deste sistema irá ajudá-lo a obter informação atualizada em tempo real para avaliar a disponibilidade dos seus recursos, e irá fornecer-lhe o suporte necessário para planejar, monitorizar e gerir qualquer atividade de manutenção.

O que é disponibilidade de um sistema?

A disponibilidade de um sistema é uma métrica usada na manutenção para medir a quantidade de tempo, expressa como uma porcentagem, que um ativo pode ser usado para produção.

O cálculo deste índice de desempenho é de fundamental importância para todas aquelas empresas que baseiam a sua atividade na utilização de instalações e maquinário mais ou menos complexas. De fato, a avaliação da disponibilidade permite quantificar a probabilidade de um sistema não estar avariado ou não estar em reparação quando é necessário utilizá-lo.

Para ser considerado “disponível”, um ativo deve atender às três condições a seguir:

  • garantir a funcionalidade adequada, ou seja, não estar fora de serviço para inspeção ou reparo;
  • garantir a operação normal operar nas condições pretendidas (por exemplo, a uma determinada velocidade) para atingir o objetivo pretendido;
  • ser prontamente utilizável quando necessário para não interromper os cronogramas de produção.
A imagem ilustra um exemplo de monitoramento e manutenção métrica -disponibilidade de um sistema

Monitoramento e manutenção métrica

Por que monitorar a disponibilidade é importante

A medição de disponibilidade permite às empresas determinar se seus sistemas são capazes de fornecer os serviços esperados e se o potencial de produção está sendo maximizado.

Avaliar com precisão essa métrica e saber como responder a ela adequadamente pode ter um impacto significativo nos resultados de sua organização. De fato, quando a disponibilidade é alta, significa que o equipamento pode permanecer em operação o maior tempo possível com desempenho máximo, resultando em um aumento geral de eficiência, produtividade e receita final.

A disponibilidade de recursos pode ser afetada por diversos fatores. Entre eles certamente encontramos a confiabilidade, que discutiremos mais adiante neste artigo, e a mantenibilidade, que mede a capacidade de manter ou restaurar o equipamento ao seu estado operacional normal no menor tempo possível. Uma vez que estes dois fatores dependem, por sua vez, das estratégias de manutenção adotadas, a avaliação da disponibilidade torna-se também fundamental para:

  • estudar e medir a eficácia das práticas e programas de manutenção existentes;
  • detectar proativamente problemas;
  • identificar oportunidades para um melhor planejamento da manutenção (seja ela preventiva ou corretiva);
  • fornecer as informações e ferramentas necessárias para lidar com incidentes de forma adequada.

Qual é a diferença entre disponibilidade e confiabilidade

Os conceitos de disponibilidade e confiabilidade são frequentemente usados de forma intercambiável no contexto da manutenção, mas, na realidade, eles assumem um significado totalmente diferente.

Na verdade, as métricas de disponibilidade são utilizadas para quantificar a porcentagem de tempo em que um sistema está realmente disponível para uso, considerando os intervalos em que o ativo fica inativo por falha, ou sofre reparos ou simples manutenções de rotina.

Em outras palavras, a disponibilidade pode ser considerada como um parâmetro que leva em conta todas as paradas de um sistema, tanto planejado, obrigados a realizar manutenções programadas e inspeções relacionadas, daqueles não planejado, devido à ocorrência de avarias, interrupções repentinas e avarias inesperadas.

A confiabilidade de um ativo, ao contrário da disponibilidade, representa a falta de tempo de inatividade não planejada e refere-se à probabilidade de um sistema operar sem falhas em condições normais de operação por um período de tempo predeterminado. Portanto, um equipamento pode ser definido como “confiável” se funcionar conforme o esperado toda vez que for usado.

Para entender melhor a diferença entre disponibilidade e confiabilidade podemos nos referir ao seguinte exemplo: um ativo que nunca falha e não sofre paradas não planejadas durante o período de observação pode ser considerado 100% confiável; o mesmo sistema pode, no entanto, fornecer 90% de disponibilidade se cada décima hora estiver ociosa para permitir inspeções de rotina e manutenção programada.

A imagem ilustra um exemplo de diferença entre disponibilidade e confiabilidade

Diferença entre disponibilidade e confiabilidade

Como calcular a disponibilidade de um sistema

Dois componentes essenciais entram em jogo ao medir a disponibilidade:

  • o tempo de atividade do ativo, ou seja, o tempo total em que o equipamento considerado está realmente funcionando e operacional;
  • a soma cumulativa de tempo de atividade e tempo de inatividade do sistema, calculado com base no tempo de inatividade planejado e não planejado.

Para avaliar a disponibilidade de um ativo, basta dividir os dois componentes conforme a fórmula abaixo, expressando o resultado em percentual:

Disponibilidade do sistema =

Tempo de atividade


Tempo de atividade + tempo de inatividade

x 100

Suponhamos, por exemplo, que queremos calcular a disponibilidade de uma correia transportadora que funcionou corretamente por 120 horas em uma semana.

Suponhamos que durante este período o ativo sofreu duas avarias que exigiram 10 e 20 horas respetivamente para a sua reparação (igual a 30 horas de inatividade total).

Aplicando a fórmula vista anteriormente, a disponibilidade da correia transportadora será igual a:

Disponibilidade =

120


120 + 30

x 100=80%

Método alternativo para calcular a disponibilidade

Um procedimento alternativo para calcular a disponibilidade é usar métricas de manutenção que medem as taxas de falha e revelam os efeitos das falhas no tempo de atividade do equipamento, a saber:

  • o tempo médio entre falhas (MTBF), que descreve o tempo médio de operação de um ativo entre duas falhas reparáveis;
  • o tempo médio para reparo (MTTR), que se refere ao tempo necessário para reparar um ativo.

Uma vez avaliados estes dois indicadores de desempenho, basta aplicar a seguinte fórmula para determinar a disponibilidade do sistema em questão:

Disponibilidade do sistema =

MTBF


MTBF + MTTR

Como melhorar a disponibilidade do sistema

Quando em uma empresa os equipamentos úteis para a produção não estão disponíveis no momento certo, torna-se fácil deparar-se com uma série de problemas que podem ocasionar atrasos, interrupções, desperdícios e transtornos de diversos tipos.

Garantir um bom nível de disponibilidade é, portanto, uma condição essencial para garantir o sucesso de uma organização.

Para que o nível de disponibilidade dos equipamentos se fixe num valor elevado (em média, acima dos 90%) é importante adotar estratégias adequadas, que incluem:

  1. o desenvolvimento de processos de design com base na previsão de modos de falha, que permitem já na fase de criação do ativo eliminar potenciais erros.
  2. A mitigação de risco, através da implementação de uma análise de criticalidade que visa identificar com antecedência as consequências decorrentes do mau funcionamento dos sistemas.
  3. O monitoramento constante dos parâmetros relativos a índices de falhas e condições de operação e uso do equipamento.
  4. A otimização de programas de manutenção preventiva, para reduzir a possibilidade de erro e evitar paradas não planejadas.
  5. A criação de protocolos padrão visando resolver os problemas encontrados de forma mais eficiente e eficaz.

Para implementar as estratégias que acabamos de ilustrar da forma mais simples e eficaz, deixe-se apoiar por um software de gestão de manutenção, um sistema centralizado e baseado em nuvem que lhe permitirá manter sob controle todos os aspectos da manutenção e fornecerá informações atualizadas e confiáveis que o ajudarão a desenvolver as ações necessárias para aumentar o nível de disponibilidade de seus equipamento.

 

usbim-maint
usbim-maint